Boca Livre se apresenta no Teatro Bradesco ao lado do Cobra Coral

Quarteto canta sucessos de seus quase quarenta anos de carreira em show na capital

por Eduardo Tristão Girão 06/06/2014 09:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Frederico Mendes/Divulgação
Os cantores e músicos Maurício Maestro, Lourenço Baeta, Zé Renato e David Tygel formam o boca livre (foto: Frederico Mendes/Divulgação)
Eleito melhor grupo de MPB no 25º Prêmio da Música Brasileira e com disco relativamente novo na praça, o Boca Livre – referência entre as formações vocais do país – desembarca em Belo Horizonte para apresentações nas noites de hoje e amanhã no Teatro Bradesco. No repertório, algumas das interpretações que marcaram a trajetória de 36 anos do quarteto, canções do álbum mais recente (Amizade, de outubro) e a troca de figurinhas no palco com os belo-horizontinos do Cobra Coral, convidados especiais.


“Amizade é um disco de arranjos inéditos, diferente dos demais, que eram muitas vezes registros ao vivo e de regravações nossas”, explica Maurício Maestro (baixo, arranjos e vocal), que compõe o Boca Livre ao lado de Zé Renato (violão e vocal), David Tygel (violão e vocal) e Lourenço Baeta (flautas, violão e vocal). Entre as novidades, Oriente (Gilberto Gil), Caravana (Alceu Valença e Geraldo Azevedo), Baião do acordar (Novelli) e Paixão é fé (dos mineiros Tavinho Moura e Fernando Brant).

A afinidade com Minas Gerais não fica nisso, uma vez que o grupo também selecionou para o mesmo disco canções como Cruzada (Márcio Borges e Tavinho Moura), Caxangá (Milton Nascimento e Fernando Brant), Ponta de areia (também de Milton e Fernando) e Diana (Toninho Horta e Fernando Brant). “Temos essa identidade com o estado desde o primeiro disco. Aliás, muita gente acha que somos mineiros. A música mineira tem a harmonia como base e isso tem muito a ver com o nosso trabalho”, diz Maestro.

Completam o programa dos shows de hoje e amanhã as composições Tempestade, de Chico Pinheiro e Chico César, Terra do Nunca, de Edu Lobo e Paulo César Pinheiro, e Mistério do prazer, de Zé Renato, Cláudio Nucci e Juca Filho, entre outras. “Temos o compromisso com o descompromisso. Vamos escolhendo as músicas que achamos boas de cantar e que ficariam bem se gravadas por nós. Às vezes acontece de a gente adorar alguma, mas ela não ficar boa na hora de cantar”, afirma.

ATIVIDADE A formação atual, que atuou entre 1980 e 1992 e foi reunida novamente em 2004, é a mais longeva e a que mais produziu ao longo da história do Boca Livre. Atualmente, o grupo está ocupado com shows de divulgação de Amizade e seus integrantes ainda arranjam tempo para dedicar a projetos paralelos. Um novo disco está previsto para ser gravado no início do ano que vem.

O grupo já levou sua música em turnês pela Europa, Estados Unidos e Canadá. Seus discos já foram reconhecidos com pêmios importantes (como Sharp e Tim) e tiveram a participação de nomes consagrados da MPB, como Djavan, Chico Buarque, Gal Costa, Milton Nascimento, Beto Guedes, Erasmo Carlos, Frejat, Sérgio Dias e Paulinho Moska.

Projeto Mistura Minas
Show do grupo Boca Livre com participação do Cobra Coral. Hoje e amanhã, às 21h Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2.244, Lourdes). Ingresso: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). Informações: (31) 3516-1360.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA