Angu Stereo Club lança disco no Teatro Bradesco

Banda formada por Deco Lima, do bar Pastel de Angu, e amigos investe mais em releituras e menos em canções autorais no trabalho atual

por Eduardo Tristão Girão 04/06/2014 10:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Patrick Arley/Divulgação
O Angu Stereo Club lança seu disco esta noite, no Teatro Bradesco (foto: Patrick Arley/Divulgação )
Deco Lima tornou-se conhecido em Belo Horizonte como o homem à frente do Pastel de Angu, bar da cena cult que teve quatro “encarnações” pela cidade desde 1992, sendo a última na Serra, entre 2010 e 2012. Paralelamente, ele nunca deixou de lado sua atuação como músico: encontros informais com outros instrumentistas sempre foram feitos em suas casas e, a partir disso, consolidou estilo próprio, baseado em jazz, rock e MPB. Mostra disso fará hoje à noite, quando lança disco no Teatro Bradesco, na capital mineira.

Se levados em conta os outros trabalhos que lançou em fita cassete e CD, este é o terceiro, disponível também em vinil (300 cópias). Essa é a primeira vez que o artista optou por não gravar álbum totalmente autoral. Das nove faixas, assina 'Sangue', 'Essa garota', 'Bela princesa' e 'Balada para Tom Waits'. Completam o repertório releituras de Ataulfo Alves ('Laranja madura'), Kraftwerk ('The model'), Nelson Cavaquinho ('Juízo final', com Élcio Soares), Itamar Assumpção ('Fico louco') e Sérgio Sampaio ('Que loucura').

Apesar de Lima ser o “dono” do disco, o trabalho é assinado por Angu Stereo Club, nome que deu ao projeto surgido nas jams em seu extinto bar. “Fazíamos isso sempre às quintas, como se fosse uma pelada. O bar sempre esteve ligado a uma atmosfera mais cool, de jazz, rock e samba. Algo bem despretensioso”, lembra. Para os arranjos de músicas de terceiros, explica o artista, ele usou pitadas de suas influências, que vão do punk a Ray Conniff, passando por jazz, rockabilly e “malditos”, como Jards Macalé.

No palco, Deco (voz e guitarra) contará com a mesma formação que teve em estúdio: Leonardo Brasilino (trombone), Renato Carvalho (saxofone), Bruno Pimenta (flauta), Daniel Saavedra (baixo), Analu Braga (percussão) e Bráulio Mangualde (bateria). Estão previstas para hoje as participações especiais de Sylvia Klein (voz) e Anderson Guerra (guitarra).

Calor Uma das particularidades do novo disco é a forma de gravação, feita praticamente ao vivo e por meio de processos analógicos no recém-inaugurado estúdio Bunker (especializado nesse tipo de sonoridade), em Nova Lima. Foram empregados equipamentos como gravadores de rolo, microfones clássicos e amplificadores valvulados, entre outros. Certos trechos foram gravados e reproduzidos em sala com acústica especial apenas para ganhar novo efeito na segunda gravação.

“Hoje, tudo é muito editado com computador e os músicos acabam ficando menos tempo em estúdio. O som fica certinho, linear, repetitivo, maquiado à perfeição. No modo analógico, a coisa fica mais orgânica, mais quente, com os músicos correndo risco com a música. Só tivemos um pouquinho de edição nos vocais. De resto, foi tudo num take só”, justifica Deco.

Angu Stereo Club
Show de lançamento do disco do grupo, hoje, às 21h, no Teatro Bradesco (Rua da Bahia, 2.244, Lourdes). Ingressos a R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Informações: (31) 8365-8410 e (31) 3516-1360.

Cadê o pastel?

Por enquanto, Deco Lima afirma que não há previsão de reabrir o Pastel de Angu, embora não descarte a ideia. “Vou dar um tempo. A cidade mudou muito com a lei seca. Aliás, tenho vontade de abrir algo menor, talvez uma casa de shows”, conta o artista. O quitute que deu nome à casa, feito por sua irmã Rosa, atualmente é encontrado apenas no bar dela, o Café com Rosas, em Conceição do Mato Dentro, a 167 quilômetros de BH.
 
Confira faixa do disco de Deco Lima:
 
 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA