Gaúchos do 'Nenhum de Nós' fazem show em BH

Banda apresenta seus clássicos no Granfinos, na madrugada de sábado para domingo

por Daniel Seabra 23/05/2014 09:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Moisés Bettim/Divulgação
(foto: Moisés Bettim/Divulgação)
Eles têm forte relação com Minas Gerais, desde amigos a parceiros musicais. É por isso que sempre estão por aqui, e agora não será diferente. Mais uma vez, o Nenhum de Nós se apresenta em Belo Horizonte, amanhã, no Granfinos. Em seu repertório não faltam, claro, antigos sucessos que não ficam fora de nenhuma apresentação dos gaúchos, como a versão de 'Um girassol da cor do seu cabelo', de Lô Borges. Uma curiosidade: o baterista da banda, Sady Homrich, que é engenheiro químico, especialista em cerveja e gastronomia, foi jurado do festival Comida di Buteco.


“É sempre bom retornar a BH, pela importância vital que a cidade tem na nossa carreira”, diz Sady. São 28 anos de carreira e cerca de 90 shows por ano, com 16 discos lançados. Mas engana-se quem pensa que o público nas apresentações da banda é formado totalmente por pessoas acima dos 40 anos. “Nosso público tem se diversificado”, informa Sady. “Normalmente, na frente, bem perto do palco, fica o pessoal mais novo; depois a turma de 25 a 30 anos; e lá trás os que estão na faixa dos 40. É muito interessante e muito gratificante, porque a gurizada está descobrindo nosso som, gostando e frequentando os shows.”

Além de Sady, um dos fundadores, também estão desde o início o vocalista Thedy Corrêa e o guitarrista Carlos Stein. Posteriormente entraram Veco Marques (guitarra) e João Vicenti (teclados e acordeon). O baixo fica por conta do músico convidado Estevão Camargo. “Claro que vamos tocar canções de todas as fases desses anos de história, mas aqui temos que ter cuidado para fazer uma set-list que equilibre as confirmadas com canções dos trabalhos mais recentes”, explica Sady.

Ano passado, o Nenhum de Nós esteve em BH, na mesma casa. Mas o baterista garante que a apresentação será diferente. “Mesmo que o nome da turnê do CD/DVD Contos acústicos de água e fogo induza a pensar assim, o show com o qual estamos rodando o país tem guitarras e teclados, além de momentos dedicados a violões e acordeon. Certamente não será igual ao que apresentamos ano passado na Granfinos”, promete, deixando no ar que vem novidade por aí. “Até o fim do ano estaremos gravando material novo, dentro se um projeto que iremos divulgar em breve.”


AFINIDADES
As origens do Nenhum de Nós remontam a 1986. O sucesso não demorou a chegar, primeiro abrindo para o DeFalla, de Edu K. Assinaram com a BMG Ariola e gravaram seu primeiro álbum, lançado em 1987 e que vendeu 30.000 cópias. O disco era puxado pelo hit Camila, Camila. Outro sucesso dos primeiros anos, Astronauta de mármore estava no segundo álbum, Cardume (1989). Os anos foram se passando e a banda conquistou público fiel, inclusive em Belo Horizonte. Dando um salto no tempo, Contos de água e fogo chegou ao mercado em 2011, rompendo um hiato de seis anos sem novas composições. Hoje, com mais peso e menos cabelo, eles continuam fazendo as pedras rolarem.

 

 

NENHUM DE NÓS
Domingo, à meia-noite, no Granfinos (Avenida Brasil, 326, Santa Efigênia). Ingressos entre R$ 40 e R$ 80. Informações: (31) 3241-1482.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA