Jaco Pastorius em três momentos: relembre carreira de um dos maiores baixistas de todos os tempos

Músico que transformou história do baixo elétrico deixou legado curto, mas significativo

por Eduardo Tristão Girão 21/04/2014 14:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

FIJM/Reprodução de internet
Um dos mais influentes baixistas do jazz, Jaco Pastorius morreu em 1987. Tinha apenas 35 anos (foto: FIJM/Reprodução de internet )
Não é exagero dizer que o baixo elétrico é um antes de Jaco Pastorius e transformou-se em outro depois dele. Morto em 21 de setembro de 1987, vítima de traumatismo craniano em uma briga de bar na Flórida, o músico norte-americano usou um único e simples modelo do instrumento (um Fender Jazz Bass 1962 sem trastes) e com ele revolucionou a forma de tocar. Em apresentações antológicas, discos autorais, parcerias e em grupos como o Weather Report, deixou registrada uma forma vibrante e única de acompanhar e solar. Mesmo quando precisava ser virtuoso, o fazia de forma melódica.

Há 40 anos, foi lançado o primeiro disco do qual participou, 'Pastorius/Metheny/Ditmas/Bley', gravado com o pianista Paul Bley, o também estreante guitarrista Pat Metheny e o baterista Bruce Ditmas. Ao ouvir as nove faixas do trabalho, é impressionante constatar como a personalidade musical do baixista já está definida desde então. Estão lá os fraseados circulares (e rápidos), as levadas sincopadas e seus inconfundíveis harmônicos.


No ano seguinte, Pastorius participou da gravação do primeiro disco solo de Metheny, o belo 'Bright size life', com o baterista Bob Moses. Não tocou tão livre quanto no registro anterior, mas esbanjou categoria e criatividade, seguindo absolutamente fiel ao estilo melódico que inaugurou – e que serve de modelo até hoje. Em entrevista recente, o guitarrista, que tocou com nomes como Charlie Haden e Richard Bona, sugeriu que os baixistas parassem de tentar imitar o ex-parceiro e dessem um passo adiante.

Líquido

O primeiro disco solo do artista, Jaco Pastorius, foi produzido por Bobby Colomby (baterista do Blood, Sweat & Tears) e lançado ainda em 1975. A faixa de abertura já impressiona: uma releitura de 'Donna Lee', de Miles Davis, apenas com as notas de seu baixo fluindo entre as batidas da conga de Don Alias, que viria a ser seu companheiro no Weather Report. E novamente impressiona como o músico carregou consigo, por anos, certos fraseados como os de 'Come on, come over' (com Bob Herzog).

Uma de suas composições emblemáticas também está nesse disco, Continuum, peça de referência quando se pensa no som que deve ter o baixo fretless, cuja ausência dos trastes (que delimitam precisamente toda a escala musical no braço do instrumento) torna “líquida” a articulação entre as notas. Pastorius ainda escreveria outras composições notáveis, como Teen town, The chicken, Reza, Liberty city e Three views of a secret.

Sony/Divulgação
(foto: Sony/Divulgação)
EM TRÊS DISCOS
» 'Jaco Pastorius'

Disco de estreia do baixista, conta com composições significativas, como Continuum, sua interpretação bem particular de Donna Lee (de Miles Davis) e Kuru/Speak like a child, fruto de sua colaboração com o pianista Herbie Hancock.

» 'The birthday concert'
Gravado em 1981, dia em que Pastorius completou 30 anos, foi lançado postumamente em 1995. O músico toca com uma big band, o que possibilita percepção diferente do habitual de seu talento, como fica claro em faixas como Liberty city, Punk jazz e Reza.

» 'Live in New York City – Volume 2'
É praticamente uma jam session, com solos à vontade ao longo de 10 faixas, entre elas Teen town, Continuum e boas versões de Straight life (Freddie Hubbard) e I shot the sheriff (Bob Marley). As performances inspiradas compensam o som precário.

 

Ouça a interpretação de Pastorius para 'Donna Lee':

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA