Coral de Trombones da UFMG homenageia o choro no projeto Pizindin

Formado por alunos atuais e antigos da graduação, coral da UFMG vai contar com o auxílio de bandas militares e civis de Belo Horizonte e interior

por Eduardo Tristão Girão 14/04/2014 09:11

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cecília Pacheco/Divulgação
Coral de Trombones e Tubas da Universidade Federal de Minas Gerais se apresenta hoje no Conservatório UFMG (foto: Cecília Pacheco/Divulgação)
Antecipando as comemorações do Dia Nacional do Choro, dia 23, o projeto Pizindin - Choro no palco promoverá apresentação no mínimo curiosa hoje à noite. Estará no Conservatório UFMG, em Belo Horizonte, o Coral de Trombones e Tubas da Universidade Federal de Minas Gerais, que interpretará choros e sambas de autores como Ernesto Nazareth e Waldir Azevedo. O grupo base do Clube do Choro de Betim fará o acompanhamento.


“Essa formação de coral de trombones não é comum em vários países. Além do mais, é o instrumento que mais se assemelha à voz humana. A pessoa pode até não gostar do som, mas não há como negar que é algo exótico”, afirma Marcos Flávio Aguiar Freitas, trombonista, coordenador e regente do grupo. No total, são 19 trombones (quatro baixos e 15 tenores) e uma tuba - este último instrumento é o responsável pelos sons mais graves da formação, ao lado dos trombones baixos.

O coral é um projeto de extensão da universidade, tendo entre seus integrantes alunos atuais e antigos da graduação e músicos vindos de bandas militares e civis de Belo Horizonte e interior. Foi fundado em 2000 e Freitas, que é professor de trombone da UFMG, o assumiu em 2003. Sua ligação com o choro é estreita, conta: “Sou integrante dos grupos Flor de Abacate e Choro de Minas. Fiz mestrado sobre o choro em BH e meu doutorado é sobre o trombonista Zé da Velha”.

No repertório, explica, estão temas de compositores como Ernesto Nazareth ('Odeon'), Joaquim Calado ('Flor amorosa'), Waldir Azevedo ('Brasileirinho') e Adoniran Barbosa ('Trem das onze'). Frequentemente, o coral busca temas para orientar suas apresentações e as colaborações com variados arranjadores são frequentes (Gilson Silva e Gilberto Gagliardi são alguns deles). A apresentação tem duração de aproximadamente uma hora.

Também estarão no palco do Conservatório UFMG instrumentistas do Clube do Choro de Betim, representado por Dudu Braga (cavaquinho), Ramon Braga (pandeiro) e Clei Machado (violão). Em breve, adianta Freitas, o coral gravará disco para registrar alguns dos arranjos aos quais vem se dedicando nos últimos anos. As próximas apresentações do grupo são dia 30 (Escola de Música da UFMG) e, mês que vem, dias 5 (Centro Cultural da UFMG) e 12 (Projeto Cariúnas) – todas gratuitas.

Trombones que choram
Apresentação do Coral de Trombones e Tubas da UFMG. Hoje, às 20h. Conservatório UFMG, Avenida Afonso Pena, 1.534, Centro. Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), à venda a partir das 19h. Informações: (31) 3409-8300.


Saiba mais
Contação de história
As apresentações do projeto são sempre dedicadas a um compositor ou tema e apresentadas por Beatriz Myrrha, que conta um pouco da história de cada homenageado e do artista que está no palco. Musicista com passagem pelas escolas de música da Universidade Federal de Minas Gerais e Universidade do Estado de Minas Gerais, ela também é contadora de histórias, atriz e professora.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA