Projeto 'Som Clube' volta à Praça da Savassi após 14 anos

Edição de 2014 será interrompida pela Copa do Mundo e retornará entre agosto e setembro. Palco foi criado pelo arquiteto Gustavo Pena

por Mariana Peixoto 11/04/2014 10:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/D. A Press
A produtora Maria Alice Martins repete a parceria com o arquiteto Gustavo Penna no projeto musical que começa dia 25 (foto: Leandro Couri/EM/D. A Press)
A ideia é correr riscos, fazer diferente, encarar desafios. Quatorze anos atrás, a Praça da Savassi, bem longe da revitalização recebida em 2012, teve a primeira edição do Som Clube. Músicos mineiros de uma geração então nascente se apresentavam num palco no coração do bairro, nos fins de tarde. A iniciativa da produtora cultural Maria Alice Martins  ganhou a adesão de Gustavo Penna, responsável pela criação do palco, um “coreto moderno” nas palavras do próprio. Mais de uma década depois, a parceria volta à tona com nova versão do Som Clube, que tem início em 25 deste mês.


Um palco em boa parte vazado, que remete à imagem de um barco, vai receber Alessandra Maestrini, Thiago Petit e Marcelo Jeneci. “Para mostrar as tendências”, diz Maria Alice. Esses três músicos participam da primeira parte do projeto, que será interrompido por causa da Copa do Mundo e retornará para novas apresentações entre agosto e setembro. A produtora está com elenco de nomes ainda não confirmados, mas dá como certo o de Silva para o segundo semestre.

O palco será montado novamente na Praça da Savassi (no quarteirão em frente à loja da Claro, já que a operadora de telefonia móvel é patrocinadora do evento). Os shows serão sempre nos fins de tarde das sextas-feiras, às 18h30. O horário do rush é intencional. “Fazer música na rua não é problema com a tecnologia que existe atualmente. E queremos mostrar que não precisamos danificar nada para realizar eventos em espaços públicos.” A intenção é devolver a praça à cidade tal qual ela foi encontrada antes da montagem do palco.

Será somente meia hora para montar e desmontar o “barco” criado por Gustavo Penna. Limpo e de cor branca – marcas da arquitetura dele – vai dialogar com a cidade. “Quando se coloca algo dentro da cena urbana, mesmo que seja efêmera, se ele não tiver presença, não criar um contraste será ‘engolido’, como mais um automóvel”, comenta Penna. De tecido, a estrutura vai permitir que sejam projetados tanto desenhos do arquiteto quanto imagens dos próprios músicos.

SOM CLUBE


Shows na Praça da Savassi, sempre às 18h30. Alessandra Maestrini (25 de abril); Thiago Petit (2 de maio); Marcelo Jeneci (9 de maio). 


EM OURO PRETO

Idealizadora do festival Tudo é jazz, Maria Alice Martins anuncia a 13ª edição para 11 a 14 de setembro, em Ouro Preto. Antecipando as homenagens pelo centenário de Billie Holiday (em 7 de abril de 2015), o evento vai repetir, com as devidas modificações, o tributo realizado à diva do jazz em 2009. Na época, foi montada banda com músicos internacionais e nacionais e vocalistas como Madeleine Peyroux e a sambista Mart’nália, que roubou a cena, para interpretar o repertório. Desta vez, o show será no estacionamento do Parque Metalúrgico, num espaço que vai ganhar cenografia própria para se tornar o que Maria Alice chama de “cidade do jazz”. Em 2013, o evento ganhou sua primeira edição carioca, no cais do porto, que volta a se repetir na primeira quinzena de dezembro.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA