Tetê Espíndola relança o clássico 'Pássaros na garganta' em pacote com novo álbum, 'Asas do etéreo'

Trabalho celebra o talento da artista em todas as etapas da produção musical

por Bossuet Alvim 24/03/2014 17:58

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Vania Jucá/Divulgação
Tetê Espíndola reedita álbum lançado aos 28 anos e explora novas habilidades em disco de inéditas (foto: Vania Jucá/Divulgação)
Tetê Espíndola tinha apenas 28 anos quando lançou o icônico álbum 'Pássaros na garganta', de 1982. Para costurar o quarto trabalho de estúdio, a jovem artista investiu na confiança adquirida sobre o palco ao lado dos irmãos — com quem formava a banda de rock Lírio Selvagem — à performance vocal que já havia impressionado a crítica em sua estreia solo, no disco 'Piraretã' (1980).

Mais de trinta anos depois da obra com que conquistou a crítica, a sul-mato-grossense volta a recortar aspectos consagrados de sua bagagem. Experiente, agora assume o manto de compositora e instrumentista para a reunião de faixas inéditas que formam 'Asas do etéreo', recém-lançado pelo Selo Sesc.

Não é por acaso que o disco de inéditas vem acompanhado do clássico de 1982, em uma só embalagem. No saldo final do pacote, Tetê se desvenda como artista versada em todas as etapas da criação musical. "Todo mundo me conhece como a cantora de voz aguda. Realmente, em 'Pássaros na garganta', que agora relanço, eu estava no auge da minha tessitura de soprano. As minhas composições tinham um 'cheiro de mato'", ela relembra.

Na empreitada da juventude, a cantora explorou novas maneiras de registrar os sons que saíam de suas cordas vocais, adicionou efeitos psicodélicos aos instrumentos regionais e temperou a mistura com ruídos capturados na natureza do Pantanal. Formado por composições da intérprete em parceria com Carlos Rennó, Arrigo Barnabé e com os irmãos Geraldo e Celito Espíndola, o álbum solidificou a posição de Tetê no cenário nacional e arrebatou o troféu da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) na categoria revelação.

Som da Gente/Divulgação
Com 'Pássaros na garganta' (1982) Tetê conquistou crítica e consolidou-se no cenário nacional (foto: Som da Gente/Divulgação)
No novo trabalho, Espíndola se despe do frescor quase selvagem com que cantava em 'Pássaros...'; quem toma as rédeas das gravações inéditas é a experiência da artista. "Com 'Asas do etéreo', sinto a maturidade do meu lado de instrumentista. Escolhi 12 músicas especiais e inéditas que compus durante esses anos", detalha. Além de retomar a parceria vitoriosa com Barnabé, 'Asas...' conta com colaborações de Egberto Gismonti, Dani Black, Jaques Morelenbaum, Duofel, Almir Sater e Hermeto Pascoal, entre outros.

 

A seleção de novo material passa, mais uma vez, por proposta que foge do convencional nas gravações de MPB. "Para cada composição há um tom da escala musical, um timbre de instrumento diferente e uma emissão de voz única, na qual a novidade é o contralto", explica Tetê. O lançamento do álbum 'Asas do etéreo', acompanhado da reedição de 'Pássaros na garganta', marca os 10 anos do Selo Sesc. O pacote está à venda nas sedes do Serviço Social do Comércio (Sesc), ou pelo site da instituição.

 

Confira um teaser em vídeo de 'Asas do etéreo', novo álbum de Tetê Espíndola:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA