Musa dos blocos do Rio canta nesta sexta-feira em BH

Marcella Fogaça bateu de porta em porta para divulgar sua música no Rio de Janeiro. Depois de lançar CD no ano passado, a cantora e compositora prepara EP e aposta no repertório autoral

por Ana Clara Brant 21/03/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Beto Novaes / EM / D.A Press
Cantora se apresenta nesta sexta-feira no Na Mata Café (foto: Beto Novaes / EM / D.A Press)

Ela “mora” nesta filosofia: quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Com a cara e a coragem, a cantora e compositora mineira Marcella Fogaça, de 28 anos, mudou-se há cinco para o Rio de Janeiro. Foi tentar a carreira artística e por lá ficou. Agora, as coisas finalmente começam a progredir – e ela não se arrepende de ter largado tudo por aqui. “Não tenho vergonha de defender o que amo. Não sou de ficar em casa esperando as coisas caírem do céu. Você tem de ter sorte, sim, ter fé. E pelo menos tentar”, frisa.

 

Veja fotos da cantora

 

Nesta sexta-feira à noite, Marcella se apresenta em sua cidade natal, Belo Horizonte. Além de mostrar o repertório do CD de estreia, 'Te virar do avesso' (2013), e do EP previsto para maio, com quatro faixas autorais e uma releitura, a extrovertida cantora vai aproveitar para matar as saudades da família e dos amigos. “É disso que mais sinto falta. Queria levar minha irmã para morar comigo. Estou muito feliz no Rio, já virei mineiroca. É engraçado: lá, as pessoas gozam um pouco o meu sotaque, mas me tratam com o maior carinho. Acham o uai supercharmoso e me deixam furar fila, pagam as coisas para mim”, brinca.

Apaixonada pela Cidade Maravilhosa desde criança, ela sempre pensou em se mudar para lá. Ao se formar em publicidade, achou que a hora tinha chegado. Em 2008, quando Marcella foi passar um fim de semana carioca, bateu o insight: “Vou morar no Rio”. Ela passou uma semana indo e voltando de carro para BH para fazer a mudança.

“Já conhecia a cena musical carioca, vi que ali surgiria a minha oportunidade de realmente deslanchar”, relembra a mineira. Ela bateu – literalmente – de porta em porta em casas noturnas e bares do Rio de Janeiro. Marcella Fogaça acabou conhecendo e ficando conhecida de muita gente. Foi elogiada pela cantora Ana Carolina, pelo baixista Rodrigo Santos (do Barão Vermelho) e pelo cantor e compositor Totonho Villeroy, com quem fez canções.

“Parceria é igual a relacionamento, ou dá certo ou não dá. Aquela química é fundamental também para compor. Com Totonho me dei superbem”, filosofa.

A mineira aprendeu os primeiros acordes na Escola de Música Cavallieri, de sua família, e aos 15 já tocava violão. Formou-se em teatro e planeja se aperfeiçoar como atriz. Este ano, quer fazer cursos de reciclagem. “Como fiquei muito tempo focada na música, quem sabe a gente não concilia as duas coisas? Quero tentar fazer musical, gênero super em alta”, revela.

TÁXI No carnaval, Marcella fez um sucesso danado. Foi eleita musa dos blocos cariocas pelo jornal O Globo, desfilou quase todos os dias. Fantasiada de táxi, ela chamou a atenção. “Foi meio complicado, ainda mais em tempos de Lei Seca. Estava faltando táxi no Rio. Aí, você já viu: todo mundo queria ‘pegar’ o táxi”, confessa, meio sem jeito. A moça é comprometida: mora com o namorado paulista no Leblon, perto da praia.

A cantora e compositora não consegue rotular sua música. Ela gosta de rock, pop e de MPB. Boa parte de seu trabalho é autoral – inclusive as 13 faixas do primeiro CD. Em 4 de abril, Marcella faz show na House of Music, no Leblon. E espera contar com um convidado especial: o produtor e compositor Nelson Motta. “Outro dia, fomos apresentados. Ele comentou que já ouviu falar de mim, mas não conhecia o meu trabalho. Até o chamei informalmente para essa apresentação, mas vou mandar um convite mais formal. Quem sabe ele aparece? Vai ser uma honra. Não crio expectativa, mas a gente tem que fazer as coisas acontecerem né?” Definitivamente, Marcella faz a hora e não espera acontecer.


MARCELLA FOGAÇA
Nesta sexta-feira, a partir das 22h. Na Mata Café. Rua Marília de Dirceu, 56, Lourdes, (31) 3654-1733. Participação do DJ Fernando Fabbri. Ingressos: R$ 35 (masc) e R$ 30 (fem). Informações: www.namatabh.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA