Canções de novelas dos anos 1980 ganham releitura

Ivete Sangalo, Zeca Pagodinho, Mariene de Castro, Vander Lee e Sandy participaram da nova edição da série 'Um barzinho, um violão'

por Ana Clara Brant 08/03/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Tiago Lima/divulgação
Mariene de Castro dá novo colorido ao samba 'Dspertar, jamais', da trilha de 'Água viva' (foto: Tiago Lima/divulgação)
A série Um barzinho, um violão virou sinônimo de sucesso, o que estimulou a gravadora Universal Music a investir em novo filão do projeto. Ano passado, chegou às lojas Um barzinho, um violão – Novelas anos 80. O bom resultado levou ao segundo disco, que conta com 21 artistas de vários segmentos da música popular.

Canções que embalaram histórias de personagens das tramas exibidas pela TV Globo ganharam novas versões. No DVD, Zeca Pagodinho interpreta Tempo de Don Don (Nei Lopes), da trilha de Mandala; Ivete Sangalo solta a voz em Deixa chover (Guilherme Arantes), de Baila comigo; Meia lua inteira (Carlinhos Brown), da novela Tieta, ganhou nova roupagem com Ellen Oléria, campeã do The voice 2012; a inesquecível Dona (Sá/Guarabyra), tema da viúva Porcina em Roque Santeiro, ficou a cargo do pagodeiro Thiaguinho. O mineiro Vander Lee é responsável pela releitura de As vitrines (Chico Buarque), tema de abertura de Sétimo sentido.

Algumas canções funcionam muito bem – como Desesperar, jamais (Ivan Lins e Vitor Martins), interpretada pela talentosa baiana Mariene de Castro e canção da trilha de Água viva, atualmente reprisada pelo canal Viva. Outras decepcionam, como Meu bem querer (Djavan), com Sandy, que fez parte da novela Coração alado.

A lista de cantores é extensa: Alexandre Pires, Paula Fernandes, Fernanda Abreu, Chitãozinho e Xororó, Guilherme Arantes, Tony Garrido, Xande de Pilares, Michel Teló e Jorge Vercillo, entre outros.

Gravado ao vivo no Hotel Windsor Barra, no Rio de Janeiro, com produção da Universal Music e da ZecaPagodiscos, o projeto tem direção artística de Daniel Silveira. CD e DVD não deixam de ser um produto caça-níquel, mas relembram canções que marcaram uma década.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA