Felipe Cordeiro, neto de dona Valdete, convida para o samba no Alto Vera Cruz

Sambalto acontece neste domingo, a partir das 14h, na Rua Itaipu

por Ana Clara Brant 07/03/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Hauck/Esp.EM/D.A Press
(foto: André Hauck/Esp.EM/D.A Press)
No segundo domingo de cada mês, o samba invade o Alto Vera Cruz, na Região Leste de Belo Horizonte, levando animação, alegria e música de qualidade para a comunidade. Realizado desde 2008, o projeto surgiu da sugestão da saudosa dona Valdete, moradora do bairro, que faleceu em janeiro, aos 75 anos.


“Minha avó sugeriu reunir os amigos e os músicos para fazer um samba, pois a gente não tinha muita opção no Alto Vera Cruz. Comecçou assim e estamos aí até hoje”, conta Felipe Cordeiro, fundador e coordenador do projeto Sambalto. A líder comunitária Valdete Cordeiro criou o Grupo Cultural Meninas de Sinhá.

Inicialmente, as reuniões eram realizadas numa escola municipal. Como a roda de samba tomou proporções inesperadas, o palco teve de mudar de local. Em 2011, o projeto foi transferido para a Rua Itaipu, espaço maior e mais central.

“O Sambalto acabou rompendo os muros da escola. Como o Alto Vera Cruz é carente de eventos de lazer, o projeto virou a diversão do pessoal aos domingos. Costumamos receber até 2 mil pessoas”, conta Felipe, percussionista desde os 8 anos.

 O principal objetivo é divulgar, principalmente entre os jovens, o legítimo samba de raiz. A maioria deles têm mais contato com funk e o hip-hop. “Pelo menos durante um dia, tiramos o foco do funk, do pagode e do rap. A galera passa a conhecer Noel Rosa, Cartola e João Nogueira, uma cultura riquíssima. É bacana, porque o Sambalto atrai a criançada, os jovens e a própria velha guarda. E tudo é de graça”, ressalta Felipe Cordeiro.

Há alguns dias, o Sambalto foi realizado pela primeira vez sem a presença de dona Valdete. Mas a líder do Grupo Cultural Meninas de Sinhá ganhou bela homenagem: cerca de 2,5 mil pessoas prestigiaram a festa, que contou com vários artistas, sambistas, pagodeiros e grafiteiros.

De acordo com Felipe Cordeiro, apesar de a maioria dos músicos e dos frequentadores morar no Alto Vera Cruz, o encontro é aberto a pessoas de todos os cantos da cidade. “Nosso samba é democrático, temos recebido cada vez mais gente de outros bairros. E não só para ouvir e dançar, pois os compositores vêm aqui tocar”, conta. O neto de dona Valdete convida: “Podem chegar, estamos de braços abertos”. A festa de domingo, brinca ele, não deixa de ser uma espécie de “ressaca de carnaval”.

 

SAMBALTO
Domingo, a partir das 14h. Rua Itaipu, 836, Alto Vera Cruz. Entrada franca. Informações: (31) 9201-5073

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA