Carlinhos Vergueiro produz o próprio álbum em homenagem a Paulo Vanzolini

Músico planeja viajar pelo Brasil para mostrar o novo trabalho e pretende voltar a Belo Horizonte

por Eduardo Tristão Girão 13/12/2013 08:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Washington Possato/Divulgação
Carlinhos Vergueiro planeja viajar paramostrar o trabalho (foto: Washington Possato/Divulgação)
Morto em abril deste ano, o compositor e zoólogo paulistano Paulo Vanzolini acaba de ganhar aquela que provavelmente é a primeira homenagem póstuma em disco. A cargo do cantor conterrâneo Carlinhos Vergueiro, 'Paulo poeta compositor cientista boêmio Vanzolini' (Biscoito Fino) reúne 10 canções dele, entre mais e menos populares, como 'Volta por cima', 'Ronda e Maria que ninguém queria'. A produção é do próprio Carlinhos, com direção musical e arranjos de Italo Peron.

“Eu era amigo da filha do Vanzolini, Maria Eugênia. Sempre fui muito boêmio e comecei a frequentar lugares aonde ele também ia. Ficamos amigos, ele sempre me prestigiou depois que me tornei profissional. A convite dele, cantei quatro músicas no seu projeto 'Acerto de contas', no qual vários artistas ilustres cantaram suas músicas. Fizemos um show juntos em fevereiro, pouco andes de ele morrer. Era um grande cronista, com letras interessantíssimas e melodias muito populares.”, conta Vergueiro.

O artista revela que a intimidade com o repertório de Vanzolini começou cedo: além de cantar as músicas dele desde criança, Vergueiro teve como primeira professora de violão Inezita Barroso, que gravou antes de qualquer outro artista as canções 'José e Ronda' (ambas incluídas no novo disco). A escolha das faixas que integrariam o álbum foi, portanto, algo bastante natural.

Identificação


“Sempre toquei musicas do Vanzolini em meus shows, me identifico muito com as suas composições. Escolhi as músicas que sempre cantei, como 'Ronda', 'Volta por cima', 'Cara limpa' e 'Juízo final', e outras menos conhecidas, como 'Maria que ninguém queria', 'José e Mulher que não dá samba'. Escolhi duas que ele fez com dois grandes compositores paulistas, Mente, com Eduardo Gudin, e Boca da noite, com Toquinho. Toada de Luiz eu já vinha cantando em meus shows”, explica.

A banda que o acompanhou em estúdio é formada por Italo Peron (violão de sete cordas), Caio Goes (baixo), Adriano Busko (bateria), Henrique Araújo (cavaquinho, bandolim e percussão), Rafa Toledo (percussão) e, em algumas faixas, músicos de sopro. “Em termos de arranjo, fui muito feliz na escolha do maestro Italo, que é conhecedor da obra do Vanzolini. Ele entendeu e realizou com muito brilho as nossas ideias”, elogia o cantor.

Vergueiro, que planeja viajar pelo Brasil ano que vem para mostrar o novo trabalho, afirma que precisa voltar a Belo Horizonte outras vezes para mostrar mais trabalhos seus lançados recentemente, como os dedicados a Adoniran Barbosa ('Dá licença de contar') e Nelson Cavaquinho ('Carlinhos Vergueiro interpreta Nelson Cavaquinho') e seu disco autoral 'Vida sonhada'.

Ouça a faixa 'Maria que ninguém queria':

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA