Incubus faz show nesta quinta-feira no Chevrolet Hall

Banda norte-americana apresenta repertório com um pouco de cada um dos nove álbuns

por Mariana Peixoto 12/12/2013 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
IMMORTALDivulgação
O quinteto Incubus volta à estrada depois de uma parada estratégica de cerca de um ano (foto: IMMORTALDivulgação)
Quando foi fundado, há 21 anos, em Calabasas, região de Los Angeles, o Incubus teve como influência direta o funk-metal do Red Hot Chilli Peppers, no auge naquela época. Anos mais tarde, o quinteto – Brandon Boyd (vocal), Michael Einziger (guitarra), Jose Pasillas (bateria), Ben Kenney (baixo) e Chris Kilmore (DJ e piano) – acabou sendo relacionado ao então nascente nu metal. Tempos depois, passou a agregar instrumentos exóticos a seus shows, incluindo a sitar indiana e o djembê africano. A cada novo álbum ficou mais difícil definir o som da banda.


“Somos apenas uma banda de rock alternativo”, afirma Jose Pasillas. “Talvez seja essa a melhor maneira de nos descrever, já que não tocamos como ninguém mais. A cada um de nossos discos podemos ir para o caminho que quisermos, e sempre tentamos fazer diferente”, conclui o baterista do grupo, que chega hoje a Belo Horizonte para show no Chevrolet Hall. Em sua terceira passagem pelo Brasil – a mais recente havia sido em 2010, no festival SWU –, essa é a primeira vez que a banda se apresenta na capital mineira, depois de tocar no Summer Break Festival, no Rio e em São Paulo, na semana passada.

DIVERSÃO

No apagar das luzes de 2013, essa é a primeira turnê da banda em pouco mais de um ano. O quinteto só se reuniu no final de novembro, quando iniciou a temporada latino-americana. Até então, cada um dos músicos se dedicou a seus próprios projetos, uma parada semelhante à que a banda realizou em 2008. Tanto por isso, o show de hoje à noite promete ser especial, segundo Pasillas. “Como não tivemos a chance de tocar na América Latina na turnê do disco anterior (If not now, when?, de 2011), estamos tocando um pouco de tudo de todos os álbuns (são nove ao todo, incluindo o mais recente, registro ao vivo HQ live, de 2012). Vai ser um repertório bem divertido, pode acreditar.”

Não vão faltar hits como 'Pardon me', 'Circles', 'Nice to know you' e 'Megalomanic'. Essa última era a faixa de abertura de 'A crow left of the murder' (2004). Lançada quando o presidente dos Estados Unidos era George W. Bush, a música gerou um clipe que criticava o governo do republicano. Nas imagens, um político muito parecido com ele contracenava com Hitler e Mussolini, só para se ter uma ideia. “'Megalomanic' não foi escrita diretamente para Bush, mas o vídeo não estava muito longe da verdade”, reconhece Pasillas. “Várias pessoas, nós incluídos, não concordava com a política dele, então o recado serviu para aquele momento.”

E quase 20 anos depois, como Pasillas avalia a atual situação dos Estados Unidos? “Estamos com dificuldades, tem uma série de coisas que caminham numa direção errada. O novo sistema de saúde de Obama, por exemplo, tem ido ladeira abaixo. Acho que vai levar muito tempo para que tudo chegue em seu devido lugar. Definitivamente, a América é um lugar difícil agora”, conclui o baterista.

INCUBUS
Show nesta quinta-feira, às 21h30, no Chevrolet Hall (Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi). Ingressos a R$ 200 e R$ 100 (meia). Informações: (31) 4003-5588.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA