Vítor Santana, João Pires e Marcos Suzano se apresentam neste domingo, no MAP

Trio lança o novo trabalho, 'Coladera', com elementos brasileiros e ibéricos

por Eduardo Tristão Girão 29/11/2013 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MARCELO ALBERT/DIVULGAÇÃO
Domingo, João Pires, Vitor Santana e Marcos Suzano fazem show no Museu de Arte da Pampulha (foto: MARCELO ALBERT/DIVULGAÇÃO)
Interseção de diferentes perfis, 'Coladera', disco que os músicos Vitor Santana (voz e violão), João Pires (voz e violão) e Marcos Suzano (percussão) acabam de pôr na praça, é curiosa e bem-feita mistura de elementos brasileiros, cabo-verdianos e ibéricos. Ao longo de 11 faixas (quase todas autorais), o trio explora as pouco óbvias possibilidades de conexão entre samba, coladera ( característico de Cabo Verde), flamenco e fado, entre outros ritmos atlânticos.


“Esse disco é fruto do trabalho de internacionalização que faço desde 2008 com minha carreira e como integrante do Fórum da Música de Minas Gerais. Conheci o João, que é português, na feira estrangeira Womex e quando ele veio para o Brasil, morou um ano lá em casa. Viramos praticamente irmãos e passamos a compor muito juntos. Pensamos em chamar o Suzano, que havia gravado no meu disco Beirut, e deu liga ”, lembra o mineiro Vitor Santana.

Gravado ano passado em Belo Horizonte, o disco é aberto com 'Nha cancera ka tem medida' (Manuel Novas/domínio popular), tradicional no repertório da cantora Cesaria Evora, nome maior da música de Cabo Verde. Na sequência, a faixa que dá nome ao disco constitui interessante exemplo de como a mesma música pode ser ouvida como samba ou coladera, dependendo do perfil do ouvinte.

“Há muita similaridade em termos rítmicos, melódicos e harmônicos entre as músicas brasileira e cabo-verdiana”, observa João Pires. O músico, habituado a passar férias no arquipélago africano desde criança, morou lá por pouco mais de um ano, período durante o qual tocou com músicos expressivos do país. “Acho que esse intercâmbio entre Brasil e Cabo Verde só vai se fortalecer. Moçambique e Angola também tem música popular muito forte, são mundos a conhecer”, completa.

Planos O trio fez show de lançamento esta semana no Rio de Janeiro e depois do da capital mineira, seguirá para série de apresentações em Portugal (Lisboa e Coimbra) e na Espanha (Santiago de Compostela e Vigo). Na volta, adianta Vitor, será iniciado projeto para viabilizar outro show de lançamento, desta vez em Cabo Verde. O trio também planeja relançar o álbum em São Paulo, ano que vem, com a participação de músicos do país africano.

Ouça o álbum 'Coladera':



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA