Vander Lee faz apanhado da carreira e mostra músicas inéditas no Palácio das Artes

Romântico por natureza, cantor faz show nesta sexta e sábado para público mineiro

por Ailton Magioli 22/11/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
André Hauck/Esp. EM/D. A Press
(foto: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Batizado simplesmente de '8', o oitavo disco solo de Vander Lee teve lançamento adiado para março devido a negociações em andamento com gravadoras. A agenda do cantor, no entanto, foi mantida. Ele se apresenta sábado e domingo, no Grande Teatro do Palácio das Artes, e promete mostrar músicas inéditas do CD. 'Duas delas', 'Tu' e 'Siga em paz', sairão em breve em EP.


“A ideia do show é fechar um ciclo com um apanhado da minha carreira”, anuncia Vander Lee, lembrando que sucessos como 'Esperando aviões', 'Românticos' e 'Iluminado' não faltarão, atendendo pedidos dos fãs. Para ele, o número oito tem a ver com recomeço, já que a vida se renova a cada ciclo de sete anos. O CD 8 foi arranjado e produzido por Robertinho Brant e tem participações da filha do cantor e compositor, Laura Catarina, e da irmã dele, Ivânia Catarina, além do músico Chico Amaral, na flauta.

“Oito é o número da justiça, simboliza infinito, recomeço”, diz o confesso “místico amador”. Vander Lee é do tipo que lê horóscopo todos os dias e gosta de estudos astrológicos. Entre as 12 faixas do novo disco, 10 são inéditas, uma é regravação, outra vinheta instrumental. 'Retrato da vida' (“Esse matagal sem fim/ Essa estrada, esse rio seco/ Essa dor que mora em mim...”), de Djavan e Dominguinhos (1941-2013), faz homenagem aos mestres alagoano e pernambucano, respectivamente. Ao primeiro pela influência na forma de cantar e compor; ao segundo pela saudade que deixou no fã.

“Um disco tem sempre relação com o anterior, mas também tem aquela música pela qual a gente se apaixona, e que puxa um cordão de outras semelhantes”, explica o cantor. E a tal música pela qual o autor se apaixona torna-se parâmetro de qualidade do disco. No caso de '8', a que pegou Vander Lee foi 'Tu', balada romântica que ele gostaria de transformar em música de trabalho do CD.

 “Quando a compus, estava refletindo muito sobre a relação a dois, o amor líquido que se baseia no fato de a gente amar e ponto”, revela. Para Vander Lee, não há outro motivo para estar com uma pessoa que não seja o amor flexível, que se adapta. “É o único possível diante da correria em que se transformou a vida”, afirma, citando o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, que discute a fragilidade dos laços humanos no livro 'Amor líquido'.

Mantra
O repertório de 8 tem outras “paixões”. A filha Laura Catarina, por exemplo, canta com ele 'Prece preciosa', canção mântrica, meio africana, que aborda de forma lúdica a riqueza mineral, enquanto sua irmã Ivânia, divide com ele a interpretação do samba rock 'A vida é bela'.

Entre as inéditas estão ainda 'Siga em paz', que Vander Lee classifica de foxtrot meio jazz, e 'Saudade do infinito', uma das que ele mais gosta, devido aos “ares portugueses” da canção ternária. Única música composta durante a gravação de '8', 'Abc', de acordo com o artista, é inspirada no processo de feitura do disco.

Acompanham o cantor Lincoln Cheib (bateria), Christiano Caldas (piano), Enéias Xavier (baixo), Marco Lobo (percussão), Matheus Barbosa (guitarra) e Chico Amaral (flauta). “Escolhi Robertinho Brant para produzir pelo fato de ele ser sensível, não deixa o disco com a cara dele, respeita as peculiaridades do cantor, atua invisivelmente”, elogia Vander Lee. Depois das cantoras (Rita Benedita, Regina Souza, Gal Costa, Maria Bethânia e Alcione, entre outras), Vander Lee começa a ser descoberto pelos cantores. Em seu próximo disco Fagner vai cantar 'Onde Deus possa me ouvir', de autoria dele.

Tu
Vander Lee


Ainda que te vista de véu, que te coloque um anel
Te ofereça uma estrela, mesmo que derramada desse olhar
Toda beleza a se espalhar e se espelhar em céus azuis
Não deverias saber, sonhar sequer
Quanto de mim possuis
Só me tens mesmo por saber amar
Quando vens loa pra me ocupar
E sou teu, sou teu estar
Só me tens mesmo por saber amar
Quando vens ermo pra colonizar
E sou teu , sou teu star
Paisagem no teu caminho a te contemplar
Nua, no ato,
No instante, na livraria
Tirando o pó da poesia
Sozinha no quarto

 

VANDER LEE – VOZ & VIOLÃO
Show amanhã, às 21h, e domingo, às 19h. Grande Teatro do Palácio das Artes, Av. Afonso Pena, 1.537, Centro. Ingressos: Plateia 1, R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia); plateia 2, R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia); plateia superior, R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). Classificação livre. Informações: (31) 3236-7400.

Ouça às faixas 'Siga em Paz' e 'Tu', de Vander Lee:




VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA