Projeto Salve rainhas tem shows de Jane Duboc e de Babaya

Shows acontecem na Funarte, neste sábado e domingo

por Ailton Magioli 18/10/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Renato Costa/Divulgação
Jane Duboc diz que tem uma profissão abençoada (foto: Renato Costa/Divulgação)
Jane Duboc não dispensa a oportunidade de falar em público. “Acho maravilhoso falar sobre a vida, me mostrar. Além da oportunidade de desvendar curiosidades que as pessoas têm sobre o trabalho da gente”, afirma. Ela é a atração de sábado do projeto Salve rainhas, que, no domingo, receberá Babaya. Os dois shows serão na Funarte MG, no Bairro Floresta.


Com careira diretamente ligada ao estado que há 30 anos sedia o fã-clube Minas em Mim, sob a liderança de Pedro Paulo Brandi, Jane Duboc (voz, violão e teclado) promete rever a trajetória artística no talk show comandado pela jornalista Malluh Praxedes. No palco, ela estará acompanhada de Keko Brandão (teclado).

A cantora que, ao longo de mais de 40 anos de carreira, gravou canções de Milton Nascimento, Toninho Horta e Flávio Venturini, além de inúmeros autores, no momento prepara o primeiro disco totalmente autoral.

“Nunca planejo nada. Sou meio maluca, vou fazendo o que dá na telha. Vou pelo coração e a vontade vai dando o caminho”, confessa a avó de Taylor, o primeiro neto, filho do também cantor Jay Vaquer. “Sou feliz. Olho o céu azul lá fora e agradeço por estar neste planeta doido”, acrescenta. Depois de 24 anos em São Paulo, onde inaugurou e fechou a gravadora Jam Music, ela voltou a morar no Rio, há sete anos.

De Belém do Pará, onde nasceu, aos Estados Unidos, onde viveu por seis anos, passando por Natal, onde passou a infância, além de Rio e São Paulo, antes de assumir carreira solo Jane foi vocalista do grupo de Egberto Gismonti. Cantou com Edu Lobo e Toquinho em viagens mundo afora. “Tenho uma profissão abençoada. Gosto do que faço”, reconhece, admitindo que a música alimenta sua alma. Adepta do jazz, do qual se aproximou por meio da família, o mais recente lançamento fonográfico de Jane Duboc foi 'Home is a river', que gravou ano passado, ao lado do pianista norte-americano Jeff Gardner, que vive no Brasil.

Cantora e mestra

Responsável por um estilo musical que faz história na capital mineira, Maria Amélia Moraes, a Babaya, já formou pelo menos três gerações de cantores com a escola que criou há 22 anos, em BH. Das veteranas Celinha e Lu Braga, com as quais divide o espetáculo Formosas, até as jovens Mari Moraes e Gabriela Pepino, passando por Carla Villar, Marina Machado, Regina Souza e Ana Cristina, estabelecidas no mercado, a cantora e professora também deu aulas para Maurício Tizumba e a turma da banda Tianastácia, entre outros.

Acompanhada de Fernando Muzzi (violão), ela vai repassar, domingo, a partir das 19h, no projeto Salve rainhas, a trajetória musical que levou à criação da Babaya Escola de Canto. Tudo começou nos bailes de Cássia, sul de Minas, onde nasceu, e desaguou nos CDs 'Babaya de vida e canção', dedicado ao repertório de Milton Nascimento, e 'Velho Chico', da parceria com Antonio Marra, por meio do qual os dois fazem denúncia poética da degradação do Rio São Francisco.

SALVE RAINHAS
Shows com Jane Duboc, sábado, às 19h, e Babaya, domingo, às 19h. Funarte MG, Rua Januária, 68, Floresta. Ingressos: R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia). À venda uma hora antes do show. Lotação: 140 lugares. Informações: (31) 3213-3084.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA