Bon Jovi encerra o quinto dia com muitos clássicos

O baterista Tico Torres sentiu problemas na vesícula e ficou de fora da apresentação

por Agência Estado 21/09/2013 08:55

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 Felipe Panfili/AgNews
Bon Jovi no palco Mundo do Rock in Rio (foto: Felipe Panfili/AgNews)
 

Muitos não imaginaram que ele chegaria ali. Uma noite de 2013 como headliner de um festival para uma média de 80 mil pessoas por noite parecia demais para quem a considerava banda de "rock and roll farofa" nos anos 90, como diziam seus detratores. Mas lá estava Jon, comandando um oceano, aguardado por meninos, meninas e seus respectivos pais, muitos não menos fãs, desde às 14 h desta sexta-feira na Cidade do Rock. Sobrevivente de duas baixas complicadas (o baterista Tico Torres e o guitarrista Ritchie Sambora), Jon Bon Jovi fez o fechamento da noite em que o rock deixou de ter atitude para mandar flores.

Antítese perfeita da ferocidade do Metallica na noite anterior, Bon Jovi é doce até no peso. Troca a rebeldia adolescente pelo amor platônico e pelas desilusões amorosas. Veio desta vez com um disco já bem divulgado, "How About Now", e um patrimônio digno dos hitmakers. Antes do show, Tico Torres, vítima de sérios problemas na vesícula, que o levaram pela segunda vez às pressas a um hospital, mandou uma mensagem doída aos fãs, na qual dizia estar "muito desapontado por não poder tocar"

A apresentação de Bon Jovi começou meia-noite e vinte, com "What the Water Made Me", do disco novo, e tratou de viajar aos anos 90 logo na segunda, com "Bad Name". Muitos hits entrariam, como "It’s My Life", "Bad Medicine" e "Runaway".

Gosto de Fúria

Nickelback, quarteto canadense famoso por baladas açucaradas como "Photograph", chegou rasgando sob o palco Mundo na sexta à noite, antes de Bon Jovi. Liderado por Chad Kroeger, o grupo abriu o show com uma blitz de pop punk metaleiro que lembrou Metallica em suas digressões mais comerciais.

A fúria logo foi substituída pelo viés romântico para mostrar a um mar de moças extasiadas o lado terno de seu cancioneiro. Assim, as guitarras em overdrive foram substituídas por violões de aço e o Nickelback fez um luau na Cidade do Rock.

Kroeger comandou a multidão, declamando em tom quase militarístico o seu amor pelo Rio e pelos fãs. Mas há algo de impessoal em sua figura. Ele dá às suas interpretações românticas um tom brusco, difícil de seduzir. E quando o Nickelback aperta o botãozinho 'metal', voltando ao modo pesado com que iniciou o show, mal se reconhece a banda.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA