No turnê Saturno, Capital Inicial vai do existencial ao político

"Sem dúvida é o nosso trabalho mais pesado", diz o vocalista Dinho Ouro Preto. Com 30 anos de estrada banda se apresenta neste sábado, no Chevrolet Hall

por Walter Sebastião 30/08/2013 09:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Elio Rizzo/CB/D.A Press
(foto: Elio Rizzo/CB/D.A Press)

“Muito mais diversão”. Esta é a promessa de Dinho Ouro Preto, vocalista da banda Capital Inicial, para o show de amanhã, no Chevrolet Hall. “Algo misterioso vem acontecendo com a gente: estamos fazendo shows cada vez mais longos, de quase três horas, e o pessoal adora”, conta ele. As apresentações se dividem em duas partes. Uma delas divulga as canções de 'Saturno', o novo disco. A outra reúne hits que todo mundo conhece e homenagens a outras bandas.

“A vantagem de 30 anos de estrada é que você, com facilidade, tira muita coisa da cartola”, revela Dinho, confessando que nem há roteiro para o show. 'Saturno' é um disco mais sério, explica ele: “Soturno e circunspecto – sem dúvida, o nosso trabalho mais pesado”. Bem-humorado, diz que até queria algo “mais bizarro e neurótico”, mas os parceiros acharam que a dose já era suficiente.

Ficou de fora, por exemplo, a canção 'Eu ouço vozes', inspiradas nas alucinações de Dinho depois de cair do palco em 2009, durante um show em Patos de Minas. A versão está disponível apenas no YouTube.

Empatia  

O cantor explica que o novo CD do Capital traz visceralidade e letras elaboradas, questões existenciais e políticas. De um lado, faixas como 'O lado escuro da lua' ou 'O bem, o mal e o indiferente'. De outro, 'Saquear Brasília' e 'Cristo Redentor' . “É agradável ver que as novas canções têm empatia com o público, mesmo com quem ainda não conhece bem o trabalho”, observa.

Dinho destaca que a banda tem história, além de obra consolidada: está completando 21 anos e 'Saturno' é seu 15º álbum. O grupo gravou um CD acústico, outro ao vivo e um tributo ao Aborto Elétrico – a banda que deu origem tanto ao Legião Urbana quanto ao Capital Inicial. Por outro lado, Dinho lançou disco solo.

O acidente em Minas Gerais, há quatro anos, foi um susto. O cantor revela que ainda sente dores. “Piso no palco com cuidado, pois não dá para esquecer seis meses na UTI. Mas não perdi a minha espontaneidade”, garante o líder do Capital Inicial.

CAPITAL INICIAL
Sábado, às 22h

Local: Chevrolet Hall

Endereço: Avenida Nossa Senhora do Carmo, 230, São Pedro

Informação: (31) 3209-8989

Ingressos: 2º lote – R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia); 3º lote – R$ 120 e R$ 60

Permitida a entrada de espectadores de 14 e 15 anos acompanhados de pais ou responsáveis legais. Permitida a entrada de espectadores de 16 anos desacompanhados

 

Três perguntas para...

Dinho Ouro Preto
cantor


Quem te ensinou a cantar?

Éramos punks. O mote punk é faça você mesmo. Aprendemos tudo, literalmente, na calçada. Queria ser o Renato Russo – o melhor cantor do rock brasileiro, na minha opinião. Só em 1983 comecei a estudar violão. A grande virtude de Brasília – talvez seja essa a explicação para tantas bandas saírem de lá – era o fato de a gente não se levar muito sério. Isso trazia legitimidade, sinceridade, verdade e despretensão, coisas importantes para o rock.

Como é tocar 21 anos na mesma banda?

É parecido com casamento, mas sem sexo. Tem que ceder, engolir sapo, saber dar passo atrás. Temos brigas homéricas, mas você vê o que é bom para todos. São amizades antigas: conheço o pessoal desde antes de tocar no Capital, temos muitas histórias juntos, relacionamento divertido. É 90% prazeroso e 10% de perrengue. Um dos segredos da longevidade é estar sempre com a cabeça no próximo disco, olhar para a frente

O que você achou dos protestos de junho?

Eles foram um divisor de águas e uma inflexão política, além de hostilidade aberta aos políticos. Disseram: chega de vocês todos, vocês não me representam. Gostaria que as pessoas, a partir de agora, vissem o exercício da cidadania e do protesto com naturalidade, como na França. Que o país se mobilize com frequência e o protesto não se evapore. Que manifestações por direitos passem a fazer parte do cotidiano de todos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA