Novo trabalho de Martinez tem tendências de jazz rock, funk, blues e groove

'50º' apresenta influências de Jeff Beck, John McLaughlin e Marc Ribot, mas o quarteto paulista manteve uma linguagem própria

por Eduardo Tristão Girão 27/08/2013 07:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Júlio Kohl/Divulgação
A banda Martinez lança seu segundo disco (foto: Júlio Kohl/Divulgação )
Com cinco anos de estrada, o quarteto paulista Martinez está lançando seu segundo, '50°C' (Água Forte), resultado de bem feita mistura de jazz, funk, blues e rock, temperada com um bocado de groove. As influências mais claras são de nomes diferentes correntes, como Jeff Beck, John McLaughlin e Marc Ribot, mas as 10 faixas deixam claro que o grupo persegue o objetivo de estabelecer uma linguagem própria.
Todas as composições são do guitarrista Rafael Martinez, que integra o quarteto com Daniel Xingu (baixo), Beto Montag (vibrafone) e Nandinho Thomaz (bateria). A propósito, a presença de um vibrafonista ajuda a criar diferencial para a sonoridade do grupo. Numa das faixas, Kojiro, Beto pluga seu instrumento a pedal de efeitos, conferindo brilho extra a seu solo – isso para não falar nas possibilidades que essa adição abre em termos harmônicos.

Gravado no estúdio Vai Segurando, em São Paulo, o disco tem produção musical da própria banda e é aberto com Kombi 66, groove do qual participam o trombonista Bocato e o saxofonista Marcelo Monteiro. Este último marca presença especial também nas duas faixas seguintes, Kojiro e Pancho y Toro. Outros convidados ajudam a colorir o disco, como o gaitista Flávio Guimarães, o saxofonista Jerome Charlemagne, o tecladista Lucas Vargas e o guitarrista Arthur Guidi.

Fora da linha groove, duas faixas se destacam, a começar por 'Tony Montana', que remete claramente às lentas divagações jazz rock de Jeff Beck. O solo de vibrafone funciona muito bem e é sucedido por rápido improviso de baixo até Rafael chegar para demonstrar sua boa veia guitarrística, equilibrando técnica e sentimento com aquela bem-vinda “sujeirinha” na execução de seu solo. Em seguida, no mesmo clima, o quarteto apresenta 2012.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA