Gilberto Gil é atração da 10ª edição do Mimo

Festival será aberto hoje em Paraty e tem apresentações em Ouro Preto e Olinda

por Eduardo Tristão Girão 23/08/2013 07:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nacho Doce/Reuters
Gil vai apresentar o show 'Ituaçu' pela primeira vez em Minas no dia 31, com a Orquestra de Sopros do Pro Arte (foto: Nacho Doce/Reuters)

Uma das principais atrações da 10ª edição do festival musical Mimo, Gilberto Gil desembarca em Ouro Preto para apresentação gratuita na Praça Tiradentes dia 31. Não será um show qualquer: ele estará acompanhado pelos jovens cariocas da Orquestra de Sopros da Pro Arte, que lhe prestarão homenagem com o show 'Ituaçu', recheado com arranjos de canções de sua carreira inteira. Na sequência, o artista baiano viaja para Olinda (PE), onde repetirá o espetáculo na Praça do Carmo, dia 7 do mês que vem, na programação do mesmo evento, que começa hoje em Paraty (RJ).

“Os músicos da Pro Arte fazem acompanhamento muito devotado da música popular, voltados a formar talentos e a desenvolver o gosto pela música. Nosso trabalho começou há um ano e eles estão tocando músicas de várias fases do meu trabalho. Fiquei muito lisonjeado e alegre. São meninos e meninas jovens e a relação com eles é muito afetuosa”, afirma Gilberto Gil. Até então, 'Ituaçu' (nome de cidade do interior baiano onde Gil nasceu) foi apresentado somente no Rio de Janeiro.


Tradicionalmente, a orquestra homenageia artistas brasileiros com concertos, como já foi feito com Chico Buarque, Tom Jobim, Lamartine Babo, Moacir Santos, Pixinguinha, Dorival Caymmi, Milton Nascimento e Egberto Gismonti. Desta vez, seis de seus integrantes, com idades entre 19 e 26 anos, encararam o grande desafio de escrever arranjos para canções do mestre baiano, como Beira-mar, Amor até o fim, Viramundo, Extra, Expresso 2222 e De onde vem o baião. Também foram incluídas no repertório 'Drão', 'Roda', 'Lunik 9', 'Eu vim da Bahia', 'Sítio do pica-pau amarelo' e 'Mar de 'Copacabana'.

Gil não trará nenhum músico da banda que costuma acompanhá-lo (e é formada por craques como o baixista Arthur Maia e o saxofonista Marcelo Martins), deixando praticamente tudo por conta dos 36 integrantes da orquestra, que tocará sob a regência de Raimundo Nicioli, diretor e um dos arranjadores do grupo. A direção do espetáculo é assinada por ele, ao lado de Claudia Ernest Dias e Fernando Trocado.

Ainda motivado pelo centenário de Luiz Gonzaga, comemorado no ano passado, Gil homenageará o Rei do Baião – que é uma de suas influências centrais – com canções como 'ABC do sertão e Baião da garoa'. Estão previstas, ainda, participações especiais de Marcelo Caldi (acordeom), Carlos Malta (sopros) e Mariana Bernardes (vocais).

Tendências

Gil acaba de voltar de giro pela Europa e Oriente Médio com sua turnê 'Tour for all', que contemplou Portugal, Itália, França, Inglaterra, Bélgica, Holanda, Turquia e Israel entre julho e este mês. Para ele, a programação do Mimo, que réune artistas de diversas nacionalidades em Paraty, Ouro Preto e Olinda a partir de hoje, prova que a música brasileira continua em alta no exterior: “Isso representa a expansão natural da música popular pelo mundo e também o prestígio da música brasileira, que sensibiliza as pessoas lá fora. Esse gosto pela mistura cresceu com o jazz e, principalmente, o rock and roll”.

Entre os estrangeiros que marcarão presença no evento, Gil conhece o acordeonista francês Richard Galliano. “Ele é muito querido. Já tocamos juntos e ele é amigo de vários acordeonistas brasileiros”, elogia o baiano. Nome de peso na cena instrumental internacional, Galliano já colaborou com instrumentistas de diversas vertentes e nacionalidades (incluindo Hermeto Pascoal), tendo lançado em abril disco dedicado à obra de Vivaldi pela prestigiada gravadora Deutsche Grammophon. A apresentação dele com o Quinteto da Paraíba também será em Olinda e no mesmo dia da de Gil, mas na Igreja da Sé.

A programação do Mimo sempre inclui exibição de filmes e na retrospectiva de 10 anos do festival, preparada para esta edição, o público escolheu dezenas por votação na internet. Um deles tem Gil no foco: o documentário 'Tropicália' (82 minutos, 2011), de Marcelo Machado, que inclui entrevistas, imagens raras e algumas das mais representativas canções do movimento musical que marcou o país no final dos anos 1960. Será exibido nas três cidades do festival.

Encontros musicais

Com o objetivo de fazer do Brasil polo de atrações da música mundial, o Mimo começa hoje em Paraty e passará por Ouro Preto (de 29 deste mês a 1º de setembro) e Olinda (de 2 a 8 do mês que vem). Na cidade fluminense tocarão artistas como o pianista norte-americano Herbie Hancock, o grupo português Madredeus e o cantor e compositor mineiro João Bosco.

Para Minas Gerais virão, entre outros, o tecladista jordaniano Tareq Al Nasser, o multi-instrumentista alemão Stephan Micus e a cantora paraense Dona Onete. Por Olinda, encerrando o evento, passarão atrações como o pianista mineiro Nelson Freire, o trompetista libanês Ibrahim Malouf e o grupo francês Nouvelle Vague.

Toda a programação é gratuita e o portal do evento na internet conta com conteúdos de música, patrimônio histórico e cinema, além de informações sobre o festival e a cobertura da programação em tempo real. Já a webradio própria é abastecida com playlists de artistas de diversas partes do mundo. Há, ainda, ciclos de palestras, exposição de fotos e programas educativos em seis cidades. Aplicativos sobre as cidades históricas podem ser baixados, servindo de guias turísticos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA