André Mehmari e Mônica Salmaso se apresentam sábado no Teatro Bradesco

Dupla apresenta canções de Dorival Caymmi, Ary Barroso e composições próprias em show

por Walter Sebastião 23/08/2013 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Maristela Martins/Divulgação
André Mehmari é autor dos arranjos e compositor dos temas que integram o show (foto: Maristela Martins/Divulgação)

A cantora Mônica Salmaso e o pianista André Mehmari se conheceram em 2001. Tocaram juntos e gostaram do resultado. E continuaram a se encontrar, buscando repertório para o que, hoje, é projeto paralelo às carreiras individuais dos artistas. “É amizade musical”, conta Mônica Salmaso. “Quando existe afinidade, o encontro vira diálogo. É como quando encontramos um amigo: sempre tem assunto para conversar, para fazer música”, acrescenta. A música do duo vai poder ser ouvida amanhã, às 21h, no Teatro Bradesco. No repertório, canções de Dorival Caymmi, Ary Barroso e de Mehmari, além de composições do português Mário Laginho e do venezuelano Simón Diaz. Vale lembrar que são artistas elogiadíssimos e premiados. Mônica já participou de discos de André e vice-versa.

O show, conta Salmaso, é denso, tem várias atmosferas e grande liberdade musical. Ela adora a canção Tonada da luna llena, de Simón Diaz. “É bonita”, afirma. “Sinto paralelo entre a produção de Diaz e a de Caymmi. Ambos conseguem fazer música que parece folclórica, que deixa a sugestão de que sempre existiram, como são os temas populares e tradicionais”, observa. Com relação às produções do amigo Mehmari, destaca Espelho, composição sem letra, interpretada pela cantora com vocalises. “Revela o quanto André conhece música, a facilidade de tocar, de fazer improvisações”, analisa. Apesar da longevidade do duo, ainda não foi feito um disco da dupla, já que ambos têm carreiras de muitos compromissos.

O Brasil, para Mônica Salamaso, é melhor lugar do mundo para uma cantora nascer. “Temos uma história musical rica, uma tradição de fazer canções. Nunca falta matéria-prima para quem canta”, garante. Avisa que não é de ficar presa a épocas. “Para mim, se a música foi feita na semana passada ou há 30 anos não faz diferença, o peso é o mesmo, o que me interessa é a qualidade”, afirma. Adora ficar pesquisando canções. E, para ela, há autores que são históricos. “A lista é longa. É preciso conhecê-los. É como querer saber da canção norte-americana e não conhecer Gershwin. Se você trabalha com alguma coisa, o interesse pelo assunto não pode ser pequeno ”, aconselha.

Com relação às cantoras que fizeram a história da MPB, Mônica Salamaso, admira Dalva de Oliveira, Ângela Maria, Elizeth Cardoso e Clementina de Jesus. “Música, além de coisas técnicas, é expressão”, afirma. Ela estudou canto com a professora Regina Machado. Outro mestre, aponta, foi o violonista Paulo Bellinati. Gravou com ele disco cujo repertório foram os afrossambas de Baden Powell e Vinicius de Moraes. “Foi um presente. Oportunidade de começar com repertório bom e com um grande músico. Aprendi muito. A cantar e, especialmente, a escutar”, completa Mônica Salmaso.

Mônica Salmaso e André Mehmari
Data: Sábado, 24, às 21h
Local: Teatro Bradesco, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes.

Ingressos: R$ 70 e R$ 35.

Informações: (31) 3516-1360

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA