Obras de Maysa e Dolores Duran ganham destaque nas vozes de Nana Caymmi e Paula Santoro

As cantoras Maria Bragança e Dudu Lima também ressaltam a beleza das melodias em apresentação, no Sesc Palladium

por Walter Sebastião 20/08/2013 10:10

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo O Cruzeiro/EM/D.A Press
"Maysa é ímpar, singular. Suas canções refletem um espírito com gosto pelo visceral e emocional. A letra de 'Resposta' mostra um pouco como ela é: 'Só digo o que penso/ só faço o que gosto" Paula Santoro, cantora (foto: Arquivo O Cruzeiro/EM/D.A Press )

Uma noite dedicada a canções dramáticas e sofridas, quase soturnas. Assim será o show de hoje, no Sesc Palladium, reunindo estrelas e clássicos. Nana Caymmi vai cantar músicas de Dolores Duran (1930 – 1959) e Paula Santoro se dedicará a composições de Maysa (1936 –1977).

O duo formado por dois instrumentistas mineiros respeitadíssimos – a saxofonista Maria Bragança e o baixista Dudu Lima – estreará mostrando versões de 'Castigo', Fim de caso' e 'A noite do meu bem' (de Dolores) e 'Meu mundo caiu', 'Tarde triste', 'Resposta' e 'Felicidade infeliz' (de Maysa).

O show reúne canções chamadas antigamente de clássicos da fossa. De certa forma, esse repertório não deixa de ser “avô” de estilos musicais contemporâneos, como emo, dark e gótico.

Jazz

“Cantamos com nossos instrumentos”, afirma Maria Bragança, ao falar do trabalho feito por ela e por Dudu Lima. Ao tocar certas peças, a saxofonista procura conhecer bem a letra. De Dolores Duran, por exemplo, cita 'Solidão', 'Meu mundo caiu' e 'Por causa de você'': “Elas têm melodias e harmonias muito marcantes. São composições jazzísticas de uma das principais cantoras de jazz do Brasil”, resume, lembrando que Ella Fitzgerald aplaudiu a brasileira de pé depois de ouvi-la cantar.

Por sua vez, Maysa – com 'Meu mundo caiu' e 'Ouça' – criou melodias fortes, “com mundo e estética muito específicos e pessoais”, comenta a instrumentista. As versões do duo se abrem para o jazz com sotaque brasileiro, são bem camerísticas e cultuam belas canções, que mexem com a memória musical do público.


Maria Bragança diz que as obras de Dolores Duran e de Maysa trazem canto forte, expressão de questões existenciais vividas por ambas. De acordo com a saxofonista, não era nem simples nem fácil a mulher se afirmar como compositora nos anos 1940/1950. Ambas enfrentaram muito preconceito.

Nem toda música cantada rende boas versões instrumentais, avisa Maria Bragança. Uma das exceções é Noel Rosa. “Mesmo em versões só instrumentais, a música dele continua maravilhosa”. O mesmo vale para Cartola, diz Maria. A parceria musical dela com Dudu Lima vem de 2008. O projeto avançou agora e será retomado em outubro. Neste mês, ele fará turnê com Stanley Jordan no Brasil, enquanto ela participará de festival de jazz na África.

COMPOSITORES.BR


Nana Caymmi, Paula Santoro, Maria Bragança e Dudu Lima interpretam canções de Maysa e Dolores Duran
Nesta terça-feira, às 20h
Local: Sesc Palladium
Endereço: Rua Rio de Janeiro, 1.046, Centro
Informações: (31) 3270-8100
Inteira: R$ 40, R$ 30 e R$ 20
Todos devem levar 1kg de alimento não perecível, que será doado a projetos sociais

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA