Caixa com 20 CDs reúne a obra musical completa do compositor Vinicius de Moraes no ano de seu centenário

O estojo contém discos de canções, antologia e duas coletâneas inéditas

por João Paulo 18/08/2013 08:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leya/Divulgação/1977
Toquinho e Tom Jobim com o parceiro Vinicius de Moraes: um poeta sempre muito bem acompanhado (foto: Leya/Divulgação/1977)
Vinicius de Moraes gostava de gente. É só acompanhar o nome de seus discos para ver que ele sempre estava bem acompanhado: Vinicus & Odette Lara, Vinicius & Caymmi no Zum Zum, De Vinicius e Baden especialmente para Ciro Monteiro, Os afrossambas de Baden e Vinicius, Vinicius e Toquinho, e por aí vai.

Além dos discos que dividia com parceiros e intérpretes, outros álbuns que levam seu nome estavam ligados a projetos coletivos, entre musicais, novelas e filmes, como Orfeu da Conceição, Garota de Ipanema, Jesus Cristo Superstar e Deus lhe pague. Sem falar dos dois infantis Arca de Noé, que habitam a memória afetiva de muita criança grande.

No ano em que se celebra o centenário do Poetinha, ao lado de sua obra literária completa, que vem sendo editada pela Companhia das Letras, a Universal reúne todos os discos de Vinicius de Moraes no estojo A arca do poeta. São 20 álbuns, sendo dois deles – Pela luz dos olhos teus: cantando Vinicius – compilações de interpretações de clássicos na voz de artistas de várias gerações.

A vida de Vinicius de Moraes foi uma consagração à amizade e ao amor. Se suas primeiras obras poéticas são marcadas pela inquietação metafísica e busca de transcendência, num tom espiritualista, suas letras de canções parecem fazer as pazes com o mundo e com as pessoas. As próprias escolhas do poeta indicam esse caminho. De diplomata a compositor, Vinicius não se torna menos poeta, pelo contrário, radicaliza sua obra e passa a encarnar a poesia na própria vida.

Às vésperas do centenário, que será celebrado em 19 de outubro, e já parte da história da cultura brasileira do século 20, é impressionante acompanhar a colheita de acertos de Vinicius de Moraes em matéria de arte. Quando decidiu escrever uma peça, Orfeu Negro, escolheu como parceiro Tom Jobim e, em seguida, viu seu texto se tornar filme de Marcel Camus e ganhar o Oscar e a Palma de Ouro.

Em sua lírica para canções, criou um estilo que permitiu o desenvolvimento da bossa nova, com versos limpos, imagens precisas, coloquialismo que não perde a profundidade emocional e diálogo com vertentes até então marginais, como a cultura afro-brasileira.

Muito antes dos musicais se tornarem fenômeno do país, escreveu textos originais e fez adaptações de clássicos da Broadway. Quando música infantil era folclore, revolucionou e deu substância ao gênero com os maravilhosos álbuns Arca de Noé, casamento perfeito de poesia e melodia.

Isso sem falar na capacidade de encontrar em cada parceiro um modo próprio de expressão. Há o Vinicius de Tom, de Lyra, de Baden, de Toquinho. Cada um com sua singularidade em matéria de composição e novas contribuições para a história da MPB. Até mesmo o gosto de declamar poesia, com seu risco para cafonice, ganha em Vinicius um toque especial. O Poetinha deixou o terno de lado, abriu a camisa até o peito, pendurou correntes, acendeu o cigarro, manteve o copo de uísque na mão e não perdeu o charme. A elegância, no caso dele, vinha da alma.

Esses e outros momentos da carreira de Vinicius de Moraes na música brasileira podem agora ser conferidos de uma vez só com A arca do poeta. Como definiu Chico Buarque, no caso de Vinicius, “a vida é pra valer, a vida é pra levar”. Saravá.

Vida e obra
Vinicus de Moraes nasceu em 1913, no Rio de Janeiro. Estudou direito no Rio e inglês e literatura na Universidade de Oxford. Entrou para o Itamaraty em 1941 e em 1946 assumiu seu primeiro posto diplomático, como vice-cônsul em Los Angeles, onde conviveu com Carmen Miranda e se apaixonou pelo jazz. Seu primeiro livro de poesia, O caminho para a distância, foi publicado em 1933. Além de poeta, Vinicius foi dramaturgo e cronista. Conheceu Tom Jobim em 1953 e iniciou parceria que seria definitiva para a consagração da bossa nova. Estreou nos palcos como cantor em 1962. Em 1969, é exonerado do Itamaraty pela ditadura militar. Em 1979, participa de leitura de poemas no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP), a convite do líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva. Casou-se nove vezes. Sua lista de parceiros musicais inclui Baden Powell, Carlos Lyra, Edu Lobo, Chico Buarque e Toquinho. Vinicius de Moraes morreu em 1980.

• Todos os direitos


EM COMPANHIA
» Vinicius & Odette Lara – Álbum de estreia de Vinicius ao lado da estrela de cinema Odette Lara, com acompanhamento de Baden Powell ao violão e arranjos de Moacyr Santos. Entre os temas, Samba da bênção e Berimbau.

» Vinicius & Caymmi no Zum Zum – Só craques no palco da boate, além do baiano e do carioca, o Quarteto em Cy e o conjunto de Oscar Castro Neves. O resultado é um registro de época que soa eterno. Vinicius lê sua “Carta ao Tom”, declama poemas e canta clássicos como Primavera e Formosa. 

» De Vinicius e Baden especialmente para Ciro Monteiro – Parcerias de Baden e Vinicius feitas na medida para o canto sincopado de Ciro, grande amigo do poeta.

» Os afro-sambas de Baden e Vinicius – Com arranjos e regência de Guerra Peixe e participação do Quarteto em Cy, este é um dos mais importantes discos da história da MPB. Com a incorporação da matriz africana, divide a história da bossa nova e a carreira de Vinicius.

TRILHAS
» Músicas de Orfeu da Conceição – Trilha original da peça que lançou a dupla Tom e Vinicius, com participações de Luiz Bonfá e Roberto Paiva. Destaque para Overture, em arranjo de Tom para tema de Vinicius, e para a canção Se todos fossem iguais a você.

» Garota de Ipanema – Trilha sonora do filme dirigido por Leon Hirzsman. Participações do Zimbo Trio, Nara Leão, MPB-4, Ronnie Von e um raro dueto de Chico e Elis em Noite dos mascarados.

» Jesus Cristo Superstar – Versões de Vinicius para a saga pop de Andrew Lloyd Weber e Tim Rice, com participações de Eduardo Conde, Jarbas Braga e César Roldão Vieira.

» Vinicius canta: Nossa filha Gabriela – Trilha original da novela da extinta TV Tupi (não confundir com Gabriela, baseada no romance de Jorge Amado, da Globo), que traz as primeiras parcerias com Toquinho, como Sei lá, a vida tem sempre razão, na voz da dupla.

» Deus lhe pague – Parceria com Edu Lobo em espetáculo musical de Aloysio de Oliveira, com Walmor Chagas, Marília Pêra e Marco Nanini. O texto de Joracy Camargo foi transformado em comédia por Millôr Fernandes, dando a Vinicius a oportunidade de ir do lirismo ao sarcasmo em suas letras.

Com Toquinho
» Toquinho e Vinicius (1974) – Primeiro disco da dupla, traz os clássicos Como é duro trabalhar, As flores de abril, Carta ao Tom 74 e a homenagem de Toquinho e Chico ao parceiro, Samba para Vinicius.

» Toquinho e Vinicius (1975) – Consagração da parceria com canções próprias e interpretação de temas de outros compositores. No repertório, O filho que eu quero ter, Onde anda você?, Turbilhão e Meu pranto rolou.

» 10 anos de Toquinho e Vinicius – Um apanhado da parceria em registro emocionado e com comentários de algumas faixas, organizado em forma de pot-pourris, ao modo que a dupla vinha apresentando no palco durante uma década.

» Um pouco de ilusão – Último registro da dupla, traz as valsas Gilda e Valsa do bordel e a canção Escravo da alegria, além de incorporar mais um parceiro, Carlinhos Vergueiro, em Por que será?.

» Arca de Noé e Arca de Noé 2 – Álbuns que mudaram a cara da música feita para crianças no Brasil, nos quais Vinicius trabalhou até seus últimos dias. Melodias de Toquinho e Paulinho Soledade para poemas de Vinicius, que se preocupou com todos os detalhes, dos arranjos aos intérpretes convidados para o segundo volume, entre eles Ney Matogrosso, Chico Buarque, Paulinho da Viola e Tom Jobim.

POESIA E COLETÂNEAS
» Vinicius: poesia e canção – Em dois volumes lançados em 1966, mescla canções e poemas declamados pelo próprio Vinicius, pela filha Suzana de Moraes e pelo ator Paulo Autran. Participação da Orquestra Sinfônica de São Paulo, com arranjos de Luiz Eça, Guerra Peixe e Radames Gnatalli, com regência de Diogo Pacheco. Participam Edu Lobo, Carlos Lyra, Francis Hime e Ciro Monteiro.

» Antologia poética – Vinicius declama poemas selecionados por ele para sua antologia poética lançada em livro. Algumas leituras são acompanhadas discretamente por Roberto Menescal, Edu Lobo, Francis Hime, Toquinho e Tom Jobim.

» Pela luz dos olhos teus – Cantando Vinicius – Dois álbuns com seleção de interpretações de canções de Vinicius de Moraes. A nata da MPB: Tom e Miúcha, Secos e Molhados, Emílio Santiago, Caetano Veloso, Bethânia, Zeca Pagodinho, Os Cariocas, Chico Buarque, Elis Regina, Milton Nascimento e Simonal, entre outros. São os únicos inéditos do pacote.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA