Praça do Papa recebe o festival 'I Love Jazz' neste fim de semana

De sexta a domingo, Belo Horizonte vai celebrar as tradições do estilo musical

por Sérgio Rodrigo Reis 09/08/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
MARTA MOURÃO/DIVULGAÇÃO
Caffeine Trio, de Sylvia Klein, Renata Vanucci e Carol Rennó, mostra o lado pop do gênero em festival (foto: MARTA MOURÃO/DIVULGAÇÃO)
Certa vez, pressionado a definir o que é jazz, o compositor, pianista e líder de orquestra americano Duke Ellington (1899 –1974) se saiu com esta: “É tudo música”.


Inspirado nessa máxima do mestre Edward Kennedy “Duke” Ellington, o festival 'I Love Jazz', que será realizado de sexta a domingo, na Praça do Papa, aposta na diversidade. Norte-americanos, franceses e brasileiros se juntarão para celebrar o ritmo nascido nas comunidades negras da Luisiana, Sul dos Estados Unidos.

 Realizado há cinco anos, o I Love Jazz se mantém fiel às raízes da música inventada por escravos e seus descendentes. O saxofonista Marcelo Costa, coordenador do evento, explica que a maioria dos festivais realizados atualmente extrapola os limites jazzísticos, apresentando repertório que não se enquadra exatamente no gênero.

A tradição se tornou a marca registrada do I Love Jazz. O evento busca inspiração na arte popular que contagiava Nova Orleans no início do século 20. A improvisação está no DNA dessa sonoridade, que sempre convida a dançar.

O público terá contato com rico cardápio musical. A Orange Kellin’s New Orleans DeLuxe Orchestra, por exemplo, dedica-se ao estilo tradicional de Nova Orleans. O público conhecerá arranjos originais do jazz primitivo, praticado por volta dos anos 1910. Por outro lado, a Butch Miles and The Jazz Expression Big Band ressalta a riqueza da bateria, enquanto a pianista Judy Carmichael encanta com performances nos estilos stride e swing.

WANDER MIRANDA/DIVULGAÇÃO
A banda Happy Feat subirá ao palco no sábado, em formato Big Band (foto: WANDER MIRANDA/DIVULGAÇÃO)
O grupo mineiro Happy Feet, como sempre, estará a postos. Desta vez, promete standards no formato big band, com direito a 13 músicos e convidados especiais: o trombonista Bill Allred e o saxofonista Jeff Rupert. O multi-instrumentista Célio Balona, figura onipresente na noite de BH, vai mostrar que também é bom de jazz.

O diálogo com a modernidade terá espaço. Pela primeira vez, a cantora Niki Haris desembarca com seu quinteto em BH e em Brasília. Sucesso em edições anteriores do I Love Jazz, os franceses do grupo Pink Turtle se dedicam a fundir o estilo que fez sucesso nos EUA nos anos 20 com o pop dos Beatles e de Stevie Wonder.

Até DJ vai fazer som nesse festival. Mas DJ diferente, diga-se de passagem. Nos intervalos, o americano Michael Cumella, a bordo de seus gramofones, executará repertório da era acústica do jazz.

Se você quiser dançar, não se acanhe. Fique à vontade, a praça é sua. A companhia carioca Rio Hoppers estará a postos para ensinar passos de lindy hop, estilo inventado para acompanhar as big bands.

Três perguntas para...
Marcelo Costa - diretor do I Love Jazz

O que você destacaria como inusitado nesta edição do festival?

O I Love Jazz contará com um grupo de dançarinos que tanto vão dançar no meio do público durante as apresentações quanto ministrarão aulas, amanhã e no domingo, às 16h, para as pessoas interessadas. Assim, o público poderá se preparar para a noite. Esses cariocas viajam para festivais do mundo, dançando o swing típico dos salões nas décadas de 1930 e 1940.

Sua banda, a Happy Feat, prepara alguma surpresa?

Viremos completamente diferentes, com formato big band e 13 músicos no palco. Entre os convidados estão dois americanos, ídolos meus: o veterano trombonista de jazz Bill Allred e o saxofonista Jeff Rupert. É um sonho realizado. Conheci os dois em viagens para fazer pesquisa pelo mundo afora.

Hoje em dia, o que o jazz representa?
Essa música é apaixonante. Antigamente, escutávamos o que mostravam para a gente. Hoje, a facilidade de acesso aumentou, assim como o interesse das pessoas por algo fora do mainstream. Aqui, temos afinidade maior com esse universo. Em Minas, fazemos música instrumental de qualidade fortamente ligada com o jazz.

ALC Fotografia/Divulgação
O Rio Hoppers, novidade desta edição do festival, dá aula de dança no estilo lindy hope (foto: ALC Fotografia/Divulgação)
VIAGEM MUSICAL


» Butch Miles and The Jazz Express Big Band (EUA)

O baterista Butch Miles é reconhecido por seu estilo e técnica. Ele já tocou com Frank Sinatra e Ella Fitzgerald.

» Caffeine Trio (MG)

Em 1930, o sofisticado close harmony se fundiu com o ritmo sincopado do boogie woogie para dar lugar ao swing. Sylvia Klein, Renata Vanucci e Carol Rennó emprestam as belas vozes a esse ritmo.

» DJ Michael Cumella (EUA)
Especializado em trabalhar com gramofones e fonógrafos. Ele fará intervenções com discos antigos para relembrar a era acústica do jazz (1895 –1930).

» Happy Feet Big Band (MG)
O grupo se dedica ao jazz das décadas de 1930 a 1950. Desta vez, subirá ao palco em formato big band, prometendo ritmos dançantes e arranjos elaborados.

» Jeff Rupert (EUA)
O saxofonista tenor é diretor de estudos de jazz da Universidade da Flórida Central e fundador da gravadora Flying Horse Records.

» Bill Allred (EUA)
Tocou na Marinha americana e foi um dos músicos da Walt Disney World, em Orlando. Sua Classic Jazz Band faz turnês pelos Estados Unidos.

» Judy Carmichael Quartet (EUA)
Indicada ao Grammy, Judy é reconhecida intérprete dos estilos stride piano e swing. O New York Times a definiu como “surpreendente, perfeita e cativante”.

» Niki Haris Quintet (EUA)
Niki é filha de Gene Harris, pianista respeitado nos EUA. Eclética, vai do pop e do rythm and blues ao jazz. Foi backing vocal de Madonna, participou de trilhas sonoras dos filmes Anastasia e Corina, uma babá perfeita.

» Orange Kellin’s New Orleans Deluxe Orchestra (EUA)
Dedica-se ao estilo consagrado em Nova Orleans e a clássicos do início da era do jazz (anos 1920).

» Pink Turtle (França)
Com seu particular swing francês, mescla jazz e sucessos do pop.

» Rio Hoppers (RJ)
A companhia de dança divulga o estilo lindy hop, dançado ao som das big bands e de grupos populares entre as décadas de 1920 e 1940.

Em BELO HORIZONTE
Praça do Papa. Entrada franca


SEXTA-FEIRA
18h45 – Caffeine Trio
20h30 – Niki Haris Quintet

SÁBADO
16h – Aula de dança com bailarinos da companhia Rio Hoppers
17h – Orange Kellin’s New Orleans DeLuxe Orchestra
18h45 – Happy Feet Big Band com Jeff Rupert e Bill Allred
20h30 – Pink Turtle
Nos intervalos – DJ Michael Cummella

DOMINGO

16h – Aula de dança com bailarinos da companhia Rio Hoppers
17h – Célio Balona Quinteto
18h45 – Judy Carmichael Quartet
20h30 – Butch Miles and The Jazz Express Big Band
Nos intervalos – DJ Michael Cummella

BRASÍLIA
Parque da Cidade


SÁBADO
17h30 – Judy Carmichael Quartet
19h – Butch Miles and The Jazz Express Big Band
20h30 – Niki Haris Quintet

DOMINGO
17h30 – Orange Kellin’s New Orleans DeLuxe Orchestra
19h – Pink Turtle

Entrada franca. Informações: www.ilovejazz.com.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA