Adnet leva 'A Praça é nossa' para a Globo

Era só piada, mas foi genial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Helenas de Maneco reunidas no lançamento de um livro de José Mayer, cigano Igor (sim, Ricardo Machi, o eterno cigano Igor de Explode Coração), Luciano Huck gongado por um não-fã, Carlos Alberto de Nóbrega da Praça é Nossa e galinhas pintadinhas ecumênicas. Com lampejos de genialidade, as esquetes fizeram do episódio final desta temporada de Tá no ar na TV, exibido na noite dessa terça-feira, uma gorducha cereja de bolo para a trajetória do programa mais genial atualmente na grade da Rede Globo.

Se existisse mediunidade televisiva, a impressão é a de que baixou ali o melhor espírito TV Pirata. Com ousadas menções à concorrência - incluindo aí a versão de Sílvio Santos para o funk da Metralhadora - a atração fica escondida na programação, espremida no horário ingrato entre Pedro Bial no BBB e William Waack no Jornal da Globo. O recheio - Adnet -, como convém a qualquer sanduíche, é de longe mais saboroso que o pão. E ganha destaque na internet - cuja linguagem, diga-se de passagem, refresca a dramaturgia do programa.   

É a web, inclusive, o ambiente em que se observa com grande nitidez que a atração - como convém a qualquer produto televisivo feito com competência - sabe exatamente para quem está falando. Na página do Facebook do Tá no ar - atualmente com cerca de 110 mil curtidas - a repercussão dos posts feitos sobre o espisódio exibido na noite de ontem mostram que Adnet e sua equipe estão conectados ao timing de seu público - que, há muito, não consome mais a programação televisiva com atenções voltadas a uma só mídia - e às piadas de que ele acha graça.

O trecho do show em que Carlos Alberto de Nóbrega contracena com a Velha Surda interpretada por Marcius Melhem, por exemplo, foi publicado com a chamada "Parece que o jogo virou, não é mesmo?"; numa clara demonstração de que a tropa de comediantes, ali, não brinca em serviço: sabe que Sílvio Santos (e todo o universo que o ronda) é uma espécie de muso das redes sociais, imã de cliques, likes e engajamento virtual. O resultado da ação, naturalmente, foram dezenas de milhares de curtidas, compartilhamentos, e comentários que, entre outros sinais, revelam que Adnet, por certo, permanecerá no ar - e online - por muito tempo. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO