Criador do Porta dos Fundos rebate críticas a vídeo sobre delações premiadas

Na esquete, Fábio Porchat interpreta um delator que revela segredos do PSDB, recebidos com vista grossa por um policial federal

por Diário de Pernambuco 04/04/2016 16:22

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgada na internet no último sábado (2), a esquete Delação, do grupo de comédia Porta dos Fundos, teve ampla repercussão. Até a tarde desta segunda-feira (4), o vídeo já recebeu mais de 3 milhões de visualizações.


Mas também gerou polêmica, com alguns grupos contrários ao conteúdo, que satiriza as delações premiadas da Operação Lava-Jato, incitando boicote ao grupo.

No clipe, Fábio Porchat interpreta um delator que começa a revelar segredos de políticos ligados ao PSDB. Estes, no entanto, são recebidos com vista grossa por um policial federal, interpretado por Gregório Duvivier.

Reprodução/Internet
Na nova esquete, Gregório Duvivier interpreta um policial federal (foto: Reprodução/Internet)

Porchat então começa a falar sobre um jantar em Paris que teria custado R$ 50 mil dos cofres públicos. Quando questionado sobre um determinado prato consumido, ele responde: "Arroz de lula", para o qual o Duvivier responde: "pode emitir mandado de prisão. Avisa lá que a gente pegou o Lula!".

Os grupos que fazem oposição ao governo se posicionaram através de respostas em vídeo e posts em redes sociais. Antonio Tabet, um dos fundadores do grupo e também dono do site Kibe Loco, usou o Facebook para rebater as críticas.


"A Porta dos Fundos tem sido vítima, nas últimas horas, de uma campanha promovida por páginas ou sites de oposição ao governo (aqueles que os petistas gostam de chamar de "direita" e que várias vezes já até compartilhei por aqui) para que as pessoas nos boicotem por conta do vídeo de ontem, "Delação", que satiriza, com humor, o que as pessoas que defendem Dilma e companhia chamam de "justiçamento seletivo", declarou.

"Esse revanchismo bobo só fomenta o ódio. Incentivar a censura ou a intolerância nada mais é que um recibo de que você pode ser tão fascista quanto os fascistas que critica".

No texto, Tabet citou ainda o vídeo Reunião de emergência, que satiriza a presidente Dilma Rousseff. Tabet afirma que há espaço para críticas e sátiras a ambos os lados do espectro político.

Polêmicas à parte, o Porta dos Fundos prepara para junho o lançamento do primeiro longa-metragem original, Contrato vitalício. Em produção há mais de um ano, o filme contará com toda a equipe do Porta, incluindo Antonio Tabet, Luís Lobianco e João Vicente de Castro.

Entre as participações especiais, destacam-se o cantor Compadre Washington e a dupla Alottoni e Azaghal, do site Jovem Nerd.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO