Feminismo é o tema da vez em quatro novelas atualmente no ar

Em 'A regra do jogo', o destaque é o relacionamento abusivo vivido por Domingas, personagem de Maeve Jinkings

por Diário de Pernambuco 25/11/2015 14:38

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
TV Globo/Divulgação
(foto: TV Globo/Divulgação )
O debate sobre feminismo, agressão contra a mulher e assédio sexual ganhou mais evidência após o caso Valentina, do MasterChef Júnior (Band), das campanhas #primeiroassedio e #meuamigosecreto ou do tema da redação do Enem. Na teledramaturgia brasileira, dramas distintos foram vividos por personagens como Raquel, de Mulheres apaixonadas, ou Celeste, de Fina estampa, ambas envolvidas em casos de violência física e psicológica cometida pelos respectivos maridos. O desafio de refletir na ficção algo recorrente na realidade de inúmeras mulheres justifica a repetição da temática.

A regra do jogo
(Globo) entra para a lista de folhetins que abordam relacionamentos abusivos. Alheia aos problemas da facção e do núcleo cômico, Domingas (Maeve Jinkings) vive a situação mais dramática e realista da obra de João Emanuel Carneiro. A atriz brasiliense, estrela de filmes como Amor, plástico e barulho, O som ao redor e Boi neon, imprime sentimentos angustiantes ao contracenar com Osvaldo Mil, intérprete do marido Juca. Ciúmes, machismo, ameaças, agressão e traição movimentam o relacionamento conturbado deles na ficção.

"Ainda vivemos num mundo muito hostil à mulher. Dia desses li que as mulheres representam 74% da população que toma remédios para doenças mentais, e isso está muito relacionado com uma sociedade que as oprime de várias maneiras", ressaltou a atriz, em recente entrevista cedida ao Viver, ao falar sobre a primeira novela da carreira. "Domingas é um retrato de muitas mulheres, e não apenas do Brasil".

Recentemente, a campanha #primeiroassedio no Facebook reuniu uma série de relatos sobre abuso sexual. A primeira semana de Totalmente demais deu um respiro do humor e glamour inerentes ao padrão de novelas das 19h e abordou – ainda que de maneira breve – o abuso sofrido por Eliza e cometido pelo padrasto Dino (Paulo Rocha). O constrangimento e o desespero levaram a agredi-lo em legítima defesa, fugir de casa e morar no Rio de Janeiro.

Na faixa das 18h, Além do tempo retrata o ciúme doentio de Pedro (Emílio Dantas) em relação a Lívia (Alinne Moraes). A primeira fase da novela terminou de maneira trágica. O descontrole emocional e psíquico do personagem o levou a matar Felipe (Felipe Cardoso) e Lívia (Alinne). A relação persiste incômoda após o salto de cerca de 150 anos dado pela trama. Ainda na segunda fase, Gema (Louise Cardoso) também vive um casamento em que é reprimida.

As novelas brasileiras não são as únicas a tocar nesta ferida. O ponto de partida de Fatmagül, novela turca exibida de segunda a sexta-feira na Band, é a cena de um estupro que atinge a protagonista. Sem dúvidas, um drama na ficção e na realidade de muitos países.
 
TV Globo/Divulgação
(foto: TV Globo/Divulgação )
 
Relembre outros casos:

Em Mulheres apaixonadas, de Manoel Carlos, as sucessivas agressões de Marco (Dan Stulbach) em Raquel (Helena Ranaldi) pareciam um filme de terror. Entre tantas cenas as quais Raquel aparecia com hematomas, uma delas permanece no imaginário do público: quando panhou com uma raquete de tênis.

Em outro caso recente, o mesmo autor explorou a temática do estupro na novela Em família, que teve ampla repercussão nas redes sociais. Neidinha (Jéssica Barbosa) foi violentada sexualmente por um grupo. Também na trama, o ciúme doentio tomava conta do relacionamento dos personagens de Gabriel Nunes Braga e Bruna Marquezine.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO