Após Valdirene, Tatá Werneck agrada como Danda em 'I love Paraisópolis'

Mesmo que às vezes não dê para entender o que ela fala, a atriz já conseguiu identificação do público

por Fernanda Guerra 14/05/2015 12:08

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Gshow/Reprodução
(foto: Gshow/Reprodução)
A dicção de Tatá Werneck é algo familiarizado entre os fãs, mas muitos telespectadores estão estranhando a fala rápida da intérprete de Danda em 'I love Paraisópolis'. Principalmente, porque a carioca teve que adaptar o sotaque para o paulista. "Até na vida, eu estou falando meio porrrta", brincou, em entrevista na coletiva de imprensa da novela das 19h, da TV Globo. Mas, independentemente disso, a personagem já caiu nas graças do público. Danda se difere muito de Valdirene, de 'Amor à vida,' mas é tão carismática quanto. Alguns trejeitos, como a corridinha de "mocinha" com o salto em mãos, e tiradas diretas, principalmente nos diálogos com a amiga Marizete (Bruna Marquezine), repercutem positivamente na internet.

"Danda é uma menina engraçada. Ela tem suas questões e essa loucura da juventude. É uma menina prática. Alcides (Nogueira) e Mário (Teixeira) escreveram de uma maneira que não tem necessidade de improvisar, apesar de eu adorar improviso", analisa. Tatá, de 32 anos, vive uma personagem aos 25. As cenas de Nova York foram gravadas no frio de 15º negativos. "Eu e Bruna estávamos fazendo uma cena engraçada e eu só pensava: 'senhor, onde estão meus dedos?'. Eu tinha perdido um dedo de tanto frio", relembra, em tom constante de brincadeira.

Além da novela, Tatá Werneck pode ser vista na segunda temporada de 'Tudo pela audiência', ao lado de Fábio Porchat, que se encerra na próxima semana, no Multishow. "O humor está mais bem aceito. Quando fazia faculdade, existia mais preconceito. Acho que o humor tem uma função importante para arte de atrair um público que não ia mais ao cinema e ao teatro", ressalta. Ela também defende a função política da comédia. "A gente não pode esquecer que o humor é uma ferramenta política. Nós podemos falar coisas duras para fomentar questões", destaca.

A agenda da atriz e ex-MTV não para. Após a novela, ela gravará novas temporadas do humorístico com Fábio Porchat e do 'Vai que cola', além de um filme sobre uma mulher com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), ainda sem título, que será dirigido por Teo Poppovic e Paulinho Caruso.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO