Juliano Dip revela que precisou se vestir de Peppa Pig para entrar no 'CQC'

Ex-locutor da rádio CBN revela em entrevista os desafios enfrentados para conquistar espaço em programa humorístico que cobre cenário político

19/04/2015 16:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Bandeirantes/Channel 5/Divulgação
(foto: Bandeirantes/Channel 5/Divulgação)
Ex-locutor da rádio CBN, Juliano Dip passou por poucas e boas antes de integrar o time de repórteres do programa 'Custe o que custar' ('CQC'), da Bandeirantes. “No primeiro teste, gravamos na Assembleia Legislativa de São Paulo. Já no segundo, específico para o ‘Proteste Já’, cheguei a me vestir de Peppa Pig”, conta, às gargalhadas, referindo-se à porquinha adorada pelo público infantil.

 

À frente de um dos quadros de maior destaque do programa, que questiona políticos e outras pessoas da administração pública, Juliano atribui sua desenvoltura na frente das câmeras à experiência com o rádio. Além de trabalhar como locutor, ele foi repórter em sua cidade natal, Bauru (SP), e no extinto Aqui agora, do SBT, e produtor do SPTV, telejornal local de São Paulo da Globo.

Como você chegou ao CQC?
Quando soube que estavam contratando novos repórteres, fui atrás da vaga. Fiz dois testes, um em dezembro de 2014 e outro em janeiro deste ano.

Como ex-locutor, o que você leva do rádio para a televisão?
A agilidade para fazer rádio ao vivo é a base para as minhas entrevistas, porque gravamos como se fosse em tempo real mesmo. Tenho de falar logo tudo o que preciso, já que, depois, o denunciado não dará outra chance.

Quanto tempo demora uma gravação do “Proteste já”?
Depende muito da pauta, mas é uma média de três dias.

Como o quadro funciona?
Temos uma produtora/pauteira experiente e que conhece bem o programa. Ela recebe e checa as denúncias e, muitas vezes, vai in loco fazer câmera escondida. Depois, passa as informações para o diretor, que começa a pensar no roteiro. Nessa hora, os outros produtores se reúnem com ele para debater as particularidades de cada caso. Também participo dessa etapa; é um processo de criação conjunta. Mas eles têm mais experiência na emissora e me guiam bastante.

Você chegou a assistir às edições anteriores do “Proteste já”?
Assisti. De todos os repórteres que fizeram o quadro, tanto do Brasil quanto da Argentina. Eles foram o pontapé inicial, a minha referência.

Qual o maior desafio para fazer o quadro?
É enfrentar os denunciados. Tenho de estar por dentro do assunto, ou então eles conduzirão a entrevista e poderão esconder algumas verdades. Além, é claro, dos riscos que a gente gosta de correr, como resgatar jacaré, andar de balão e fazer as câmeras escondidas.

Alguma história, em especial, mexeu com você?
Na segunda semana de programa, gravei em Bauru, que é a minha cidade natal. Foi um grande desafio, porque era a hora de provar pra mim mesmo o meu profissionalismo. Apesar da pressão de estar ali, denunciando pessoas que eu conhecia e que ligaram para o meu telefone pessoal para se explicar depois, nós conseguimos fazer o que estava planejado. Foi uma emoção bacana contribuir para o bem da minha terra.

Ser menos conhecido ajuda na hora de gravar com os políticos?
Nada! Quem quer fugir do CQC não escolhe o repórter, só vê o microfone e já se esquiva. E é impressionante como eles fogem!

Como é sua relação com os demais integrantes do programa?
A gente se vê muito na produtora e tenho sorte, porque a galera é bem bacana. Sempre dou risadas ao lado deles. O Lucas (Salles) é rápido na piada e o Maurício (Meirelles) é muito esperto, consegue arrancar graça de tudo. O Erick (Krominski) chegou praticamente comigo e a gente está sempre trocando figurinha. O pessoal da bancada eu vejo menos, mas o (Marco) Luque e o Rafa (Rafael Cortez) me receberam bem. O Dan (Stulbach) eu já conhecia da rádio CBN. Foi uma pessoa que me deu muita força, algo pelo qual serei eternamente grato.

A pressão pela audiência chega até vocês?
Eu fico sabendo dos números pelos sites. Lá, ninguém veio pedir para eu mudar nada por causa disso, então continuamos no mesmo estilo – que tem rendido bons elogios para o “Proteste já”.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO