''A gente tem que aprender a rir de si mesmo'', diz Mônica Iozzi sobre humor na TV

Atriz e apresentadora planeja ficar até julho no 'Vídeo show' e se dedicar a outros projetos a partir de agosto

por Fernanda Guerra 18/04/2015 16:04

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Globo/Divulgação
(foto: Globo/Divulgação)
Mônica Iozzi interpreta três personagens na TV Globo. Em 'Alto astral', dá vida dupla à perua Scarlet, que finge ser a balconista Cidinha para conquistar a herança deixada pelo pai. No 'Vídeo show', apresenta de forma cômica e improvisada o programa, com elementos do papel desempenhado quando era repórter do 'CQC'. Já por trás das câmeras, a atriz impressiona pela seriedade e comportamento centrado. “No CQC, eu fazia uma personagem, que acaba se aproximando muito do trabalho no 'Vídeo show'”, ela explica.

A artista está há pouco mais de um ano na emissora - a estreia ocorreu em quadro no 'Big Brother Brasil 14' - e mantém uma rotina pesada: começa por volta das 9h, sem hora para almoçar e terminar o expediente. “Está tudo dando certo. Estou emagrecendo, eu acho”, brinca. As três experiências geram elogios - embora a audiência do 'Video show' esteja em baixa. No entanto, Mônica deixará a bancada do programa, dividida com Otaviano Costa, no fim de julho, para se dedicar a outros projetos no teatro e no cinema.

Em agosto, começarão os ensaios para viver a serial killer Mara Tara, no longa-metragem inspirado na personagem do cartunista Angeli. Também finaliza o roteiro de peça com Giovanna Antonelli. Para o futuro, Mônica sente vontade de trabalhar novamente com cobertura política. “Eu sinto falta dessa relação”.

No programa da última segunda-feira, você foi parar no TOP 5 do 'CQC' (Band). O que achou da brincadeira?
Achei maravilhoso. Rafael Cortez é meu amigo e, no dia, pediu para que eu assistisse ao programa. Eu fiz uma brincadeira no 'Vídeo show'. Minha mãe estava na plateia e comentei uma cena de uma participante do 'Big Brother Brasil', que estava com saia curta e rebolando até o chão. A gente sabia que nossos microfones estavam abertos. Eu disse: “Mãe, olha aí… Você teria muito orgulho da sua filha se eu fizesse isso?”. A brincadeira colou, muita gente mandou mensagem e a gente parou no TOP 5.

A TV Globo passa por uma reformulação nas atrações humorísticas, que se consolidou com o 'Tá no ar' e continuará com a proposta de mudanças do 'Zorra total'. Como enxerga isso?
Sou completamente apaixonada pelo 'Tá no ar'. Eu acho que a internet deu uma sobrevida à televisão. A tevê tem necessidade de dialogar mais com esse público. As mudanças aqui na emissora e na tevê de maneira geral são para trazer linguagem nova, de se comunicar com todas classes sociais, com todas as faixas etárias. O 'Tá no ar' é uma grande prova disso. Até o que eu fiz no BBB já foi uma grande mudança. Teve a autocrítica, a “autotiração” de sarro. As pessoas querem sentir uma coisa mais próxima, mais humana, no sentido de assumir o erro. A televisão estrangeira tem isso. O 'Saturday night live' tem 40 anos fazendo só isso. A gente tem que aprender a rir de si mesmo.

Como foram os primeiros passos na novela 'Alto astral'?
Acho que demora mais para entrar no ritmo. Então, a curva toda da personagem, desde quando ela descobre que o pai está mal (ele morre e ela vai ficar pobre), que durou 15 dias na novela, eu fiz em seis horas. Totia (Meirelles) foi incrível e me ajudou em tudo, desde posicionamento de câmera a ter o desenho claro da personagem. Ela, Leopoldo (Pacheco) e Elizabeth (Savalla) foram incríveis neste processo.


* A repórter viajou a convite da Rede Globo

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MEXERICO