Cuecas na cozinha: confraria de amigos de BH reúne esporte e gastronomia

Três amigos se juntam para preparar a comida servida em encontro que começa com disputas na quadra de peteca. Cardápio vai do simples estrogonofe ao elaborado coelho com ameixas

por Celina Aquino 16/07/2017 08:00

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Bernardo Pimenta, Tiago Cardoso e Renato Alves são responsáveis pela comida (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
A comida tem mesmo o poder de agregar pessoas. Ainda mais os mineiros que crescem ao redor do fogão. É na cozinha que uma turma de amigos de infância Belo Horizonte consegue manter a proximidade. Os integrantes do grupo Peteca Gourmet se reúnem semanalmente para colocar o papo em dia. O encontro começa com uma partida de peteca, continua em um momento de relaxamento na sauna e termina depois de um jantar que não tem hora para acabar.


A turma se reúne toda segunda-feira à noite no Bairro Luxemburgo. Três amigos são os responsáveis pela cozinha, mas no fim das contas alguém tem sempre um palpite para ajudar no preparo da comida. “Não tem nada melhor que cozinhar para os amigos. É o momento em que você esquece os problemas e aproveita para relaxar”, comenta Bernardo Pimenta, um dos participantes que dá o tempero dos pratos do Peteca Gourmet. O advogado gosta de ver a turma em volta do fogão, esperando ansiosamente a comida. O clima fica tão agradável que muitas vezes o jantar avança pela madrugada.

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Festival de bruschettas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

Logo que acaba um encontro, os amigos já começam a pensar na comida da semana seguinte. Vence a opinião da maioria. Decidido o cardápio, um dos participantes se disponibiliza para fazer as compras e o valor, que costuma ficar entre R$ 20 e R$ 30, é rateado entre os presentes naquela noite. O número sempre varia, o que não é um problema para os cozinheiros. Eles preferem cozinhar com fartura – tanto que não existe panela pequena no fogão – e garantem que raramente tem sobra, porque os jogadores de peteca estão sempre famintos.


A ideia não é fazer comida sofisticada, mas pratos que ganham pelo sabor e repõem a energia depois da peteca. Normalmente, os cozinheiros preparam entrada e prato principal, mas no dia da entrevista eles serviram menu completo, que teve mousse de chocolate como sobremesa. Para acalmar o apetite dos jogadores, foram servidas bruschetas de shimeji com molho shoyu, um dos clássicos da Peteca Gourmet, e outras de tomate com manjericão. O prato da vez, uma novidade, era tornedor de filé-mignon ao molho de jabuticaba com purê de batata-baroa e aspargos salteados na manteiga.


Não existem restrições para montar o cardápio. Até mesmo o alérgico a camarão consegue aproveitar o jantar no dia de frutos do mar, porque terá sempre uma carne esperando por ele. Quando falta criatividade, os cozinheiros partem para uma receita simples, como estrogonofe, que agrada todo mundo, mas o trio, destemido, gosta mesmo é de pensar em pratos diferentes.

SURPRESAS

Em um dos encontros, a turma experimentou e aprovou coelho com ameixas, receita típica da França. “Recebi de um chef francês a receita de lapin aux pruneaux e fui pesquisar na internet. A única dificuldade é cortar o coelho”, informa o administrador de empresas Tiago Cardoso, que encara qualquer desafio na cozinha. “Pode ser que dê errado, mas não tenho medo, não.” De outra vez, Bernardo se arriscou a preparar arroz com polvo, que também surpreendeu os participantes. Como não gosta de seguir receitas, que para ele servem apenas para dar um direcionamento, o cozinheiro pesquisa, troca ideias e ao fim dá o seu toque ao prato. Nesse caso, ele decidiu acrescentar chouriço espanhol.


Da China, os cozinheiros já trouxeram o yakisoba e veio da Índia a receita de murgh makhani (frango na manteiga). Para não deixar de lado as suas raízes, eles também preparam pratos tradicionais da gastronomia mineira, entre eles costelinha na cerveja com mandioca, frango com quiabo e angu e canjiquinha com costelinha e taioba. O plano agora é trazer da Espanha a famosa paella. Outra ideia do grupo é oferecer uma feijoada aberta ao público.

 

 

Prática é o que vale

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Encontro entre amigos mistura prática de esporte e boa comida (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
 

Às vésperas do casamento, um jovem descobre que o terno comprado em Miami não estava servindo e pede ajuda aos amigos para emagrecer. A proposta era jogar peteca. Há quatro anos, começava a história do Peteca Gourmet, inicialmente voltado para a atividade física. Os primeiros participantes são amigos de infância, que cresceram no mesmo prédio, onde são realizados os encontros, mas com o tempo outros amigos se juntaram ao grupo, sempre pronto para receber mais um.
Lá não tem espaço para bebida alcoólica, o foco mesmo é a comida. Primeiro surgiu a ideia do churrasco, depois macarrão e as receitas foram ficando cada vez mais diversificadas. Até agora hambúrguer e bife Wellington são os campeões de público. “Quando tem um desses pratos, o encontro fica lotado”, conta Bernardo, que pesquisou bastante para chegar ao blend do hambúrguer, com 60% de acém, 20% de maçã de peito e 20% de tira de costela. “Fica com a proporção ideal de gordura porque tem carne mais magra e outra mais gordurosa.” Para acompanhar, cebola caramelizada sem adição de açúcar, maionese de ervas e molho barbecue caseiro.


Nenhum dos responsáveis pela comida do Peteca Gourmet trabalha em restaurante. São apenas jovens que gostam de cozinhar. Bernardo, por exemplo, era daquelas crianças que ficava na beira do fogão fazendo muitas perguntas. “Meu pai sempre cozinhou, então ele é a minha maior influência. Aprendi com ele técnicas e o repertório de receitas. No almoço de domingo, ele preparava filé-mignon e arroz para os nossos amigos. Era um dia de festa”, relembra. O que o advogado mais gosta de comer e preparar é carne, especialmente de porco e de osso como costela e prime rib, porque tendem a ser mais saborosas. O ragu de ossobuco com polenta cremosa é uma de suas invenções que ficou para a história.


Tiago, por sua vez, se aproximou das panelas durante um intercâmbio na Austrália. Lá ele trabalhou em um restaurante, cuidando da praça de saladas e sobremesas, mas foi no Peteca Gourmet que aprimorou as técnicas. “Aprendo muito mais aqui que na Austrália, onde passava 24 horas na cozinha”, atesta o participante, que gosta de preparar frango e vegetais. Renato Alves é o mais novo integrante do time de cozinheiros. O engenheiro de produção se interessou pelo fogão vendo os amigos cozinhando e hoje se arrisca a reproduzir as receitas em casa. “Gosto de perguntar como que eles fizeram, o que colocaram na receita e assim vou aprendendo”, destaca.

 

 

Tornedor de filé-mignon com molho de jabuticaba e aspargos na manteiga

 

Ramon Lisboa/EM/D.A Press
Tornedor de filé-mignon com molho de jabuticaba e aspargos na manteiga (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

 

Ingredientes

2 peças médias de filé-mignon (aproximadamente 3kg) cortadas em tornedor (3 dedos de altura em média); 1 pote (200g) de geleia de jabuticaba artesanal; 2 cebolas roxas; 2 dentes de alho; 2 folhas de louro; 750ml de vinho tinto seco; 1kg de batata-baroa; 600ml de leite integral; 100g de queijo grana padano ralado; 150g de manteiga; 500g de aspargos; sal e pimenta do reino a gosto

Modo de fazer

Descasque as batatas e corte-as em rodelas grosseiramente. Em seguida, coloque as batatas para ferver em uma panela com água até cobri-las. Cozinhe até que as batatas estejam desmanchando. Com um espremedor, esprema as batatas, acrescente 100g de manteiga e o leite aos poucos até atingir a consistência desejada. Acrescente o queijo ralado e tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Para o molho de jabuticaba, corte as cebolas com casca em 4 pedaços e esprema os dentes de alho com a faca. Leve-os para uma panela em fogo baixo e com um fio de azeite até dourar. Acrescente o vinho e as folhas de louro. Abaixe o fogo e deixe reduzir. Adicione a geleia de jabuticaba e deixe cozinhar por mais 5 minutos. Passe o líquido por um coador, volte para fogo baixo e deixe reduzir até a metade do volume ou até atingir a consistência desejada. Tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Antes de servir, desligue o fogo e acrescente uma colher de sopa de manteiga. Para o tornedor, tempere os filés com sal e pimenta do reino na hora do preparo. Em uma frigideira bem quente, adicione um fio de azeite e coloque de 3 a 4 tornedores por vez. Deixe dourar de ambos os lados e ao redor por, aproximadamente, 15 minutos para ao ponto. Deixe a carne descansar coberta com um papel-alumínio por 5 a 7 minutos antes de servir.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA