Gelaterias inovam para refrescar o verão belo-horizontino

Lojas mantêm a tradição da qualidade e da fabricação diária dos produtos, mas trazem diferenciais nos sabores ou mesmo em projetos arquitetônicos

por Mariana Peixoto 06/01/2017 09:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Jair Amaral/EM/D.APress
Entre os diversos sabores da Di Molto, o desafio foi criar o sorvete de arroz, tradição italiana, que virou gelato de arroz-doce em BH. (foto: Jair Amaral/EM/D.APress)

Há pouco mais de três anos em Belo Horizonte, o fiorentino Luca Lenzi já aprendeu alguma coisa sobre os mineiros. ''Eles estão gostando de gelato até no frio.'' Quando decidiu abrir uma gelateria, o italiano temia pelo futuro do empreendimento. ''Sabia de iniciativas anteriores que não tinham vingado. Tinha medo'', afirma.

Pois hoje ele já conta com duas lojas – Mi Garba e Di Molto (juntas, podem ser traduzidas como ''Eu gosto muito''). No segundo semestre de 2016, inaugurou ainda dois carrinhos de gelato, ambos com o nome Di Molto, nos shoppings Boulevard e Diamond. E não pretende parar por aí.

A Mi Garba, em Lourdes, aberta em setembro de 2014, foi a primeira de uma onda de gelaterias italianas a ser inaugurada na cidade. De três anos para cá, outros endereços chegaram. Uma marca já é conhecida – a paulista Bacio Di Latte, que ganhou duas lojas em shoppings no ano passado. As outras são iniciativas criadas em BH, de empresários tanto daqui quanto de fora.

O verão belo-horizontino tem pelo menos duas novas marcas. Na Praça da Savassi foi inaugurada, em novembro, a Fiorella. No mesmo mês, foi aberta a LeGattò, em Lourdes.

Tanto as novas quanto as gelaterias já estabelecidas trazem pontos em comum. Os gelatos (esqueça a palavra sorvete) são fabricados diariamente, sempre com produtos de primeira qualidade. Os proprietários fizeram cursos na Itália, e o maquinário é todo importado. Cada loja oferece dezenas de sabores, que mudam a cada dia – a intenção é sempre trazer novidades. Funcionam até tarde, acabando com a velha história de que gelato é coisa para se tomar à tarde e no calor. Há sempre um café à espera do freguês – espresso italiano, claro. Os gelatos custam entre R$ 10 e R$ 15, dependendo do tamanho (é possível escolher até três sabores). E ninguém regula o cliente: você pode experimentar todos os sabores que quiser até decidir pelo seu.

 

NO PALITO 

Com a concorrência crescente entre as gelaterias, cada marca traz o seu diferencial. A Fiorella, iniciativa dos amigos Ananda Domingos, Adriana Cambraia e Leonardo Franco, oferece também o gelato no palito. Não é picolé, tampouco paleta mexicana. ''É a mesma massa do gelato, só que em outra forma'', detalha Ananda. É a primeira loja de BH a oferecer o produto. O modelo veio da Argentina e da Itália. O cliente escolhe o sabor (são de 10 a 15) e tem a opção até três toppings (banho de chocolate branco ou negro, castanha etc).


Quanto ao gelato tradicional, são 24 sabores todos os dias. Entre os mais pedidos estão o nero (com 80% de cacau), rafaello (coco, chocolate branco e amêndoas laminadas) e torta de maçã. O pistache é produzido com um blend que a própria casa criou, que mistura pistache de Bronte com o iraniano. O doce de leite, é da marca argentina Havanna.

 

Com dois andares de loja (o mezanino será reservado, no futuro, para pequenos eventos), a ideia é que o cliente fique o tempo que quiser. Tanto por isto, cada uma das mesas conta com acesso à internet. 

 

CAFÉ E ARROZ-DOCE

Ambiciosa, a LeGattò não quer ser apenas uma gelateria. Com espaço de 200m2, a loja com projeto do espanhol Manuel Clavel ocupa uma das regiões de maior prestígio gastronômico do Bairro de Lourdes (esquina de Curitiba com Alvarenga Peixoto). O proprietário é Rodrigo Lemos, de família italiana, que nasceu em BH, mas viveu por muitos anos na Europa.


O empreendimento só foi aberto depois de muita pesquisa. Lemos estudou confeitaria na Itália, aperfeiçoando-se em gelato. Os clientes podem vê-lo, inclusive, trabalhando na criação, já que a parte reservada à produção é separada apenas por um vidro. Com espaço interno e externo para mesas, um balcão e ainda um lounge, a LeGattò comporta pelo menos 70 pessoas.

São 24 sabores diários – oito de frutas e 16 à base de leite. Um dos destaque é o caffé bianco – sim, como o próprio nome diz, o gelato é branco, mas de café (sabor bastante tradicional na Itália). Entre os sabores de frutas, chamam a atenção os de tangerina com manjericão e de abacaxi, gengibre e manga. Todos sem açúcar, claro. A ideia, já neste início de ano, é ampliar o cardápio de delícias, oferecendo também patisserie (com tortas doces e geladas, as chamadas semifredos).

CASQUINHAS 

Já a Lullo, que virou uma febre na Savassi desde que foi aberta, há dois anos, mudou de mãos. A gelateria foi vendida há seis meses para o casal Cristiane e José Otto Temporão, que estuda uma ampliação. Por ora, eles seguem com novidades. Entre os novos sabores estão maracujá e frutas vermelhas diet e chocolate zero lactose. O gelato é a estrela, mas é difícil ver alguém saindo de lá sem uma casquinha crocante feita na hora, recheada com chocolate belga.

Como cada dia é um dia, as gelaterias vão aprendendo com o gosto do freguês. Em sua experiência, Luca Lenzi, da Mi Garba e Di Molto, descobriu que o paladar do brasileiro é diferente do italiano, ao menos nos gelatos. ''Os sabores são mais doces. Aqui gostam muito de nutella, doce de leite.''

 

Aos poucos, ele conta, conseguiu introduzir alguns sabores italianos. Uma vitória foi criar o sorvete de arroz (o chamado gelato di riso). ''Toda gelateria na Itália tem o seu'', conta Lenzi. Pois ele criou o próprio em BH. Na Mi Garba e no Di Molto você encontra o gelato de arroz-doce. Mais mineiro, impossível.

ONDE IR

» BACIO DI LATTE

Lojas nos shoppings BH (segunda a sábado, das 10h às 23h; domingos, das 12h às 22h e Diamond (segunda a sábado, das 10h às 22h; domingos, das 12h às 22h). www.baciodilatte.com.br

»  DI MOLTO
Alameda Oscar Niemeyer, 1.033, loja 15, Vila da Serra, Nova Lima, (31) 3643-4133. Domingo a quarta, das 11h30 às 22h; quinta a sábado, das 11h30 às 23h. A sorveteria conta com carrinhos nos shoppings Boulevard (diariamente, das 10h às 22h) e Pátio Savassi (segunda a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 12h às 22h). www.dimolto.com.br

» FIORELLA GELATO
Rua Antônio de Albuquerque, 478, Savassi. De segunda a sexta, das 12h às 22h; sábado e domingos, das 11h às 23h.

» GOCCIA DI LATTE
Avenida Álvares Cabral, 1.039, Lourdes (diariamente, das 12h às 23h). Minas Tênis Clube, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes (diariamente, das 12h às 19h30). www.gocciadilatte.com.br

» LEGATTÒ GELATO
Rua Curitiba, 2.060, Lourdes, (31) 2551-2060. De domingo a quinta, das 12h às 22h30; sextas e sábados, das 12h às 23h.

» LULLO GELATO
Rua Antônio de Albuquerque, 617, Savassi. Domingo a quinta, das 12h às 22h; sextas e sábados, das 11h às 22h.

» MI GARBA

Rua Marília de Dirceu, 161, Lourdes, (31) 2516-7056. Domingo a quarta, das 11h30 às 22h; quinta a sábado, das 22h30 às 23h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA