Bolos, tortas, biscoitos e chocolates também podem adoçar a ceia natalina

Confeitarias de Belo Horizonte surpreendem clientes com novidades para a ceia de fim de ano

por Celina Aquino 18/12/2016 11:34

Lucas Muniz/divulgação
O tradicional panetone não deixa de ser oferecido (foto: Lucas Muniz/divulgação)


Natal sem doce não tem a menor graça. Já imaginou como seria a ceia sem uma única sobremesa? Prova de que os mineiros não abrem mão de adoçar o jantar entre amigos e familiares é o grande volume de encomendas para as confeitarias de Belo Horizonte durante o mês de dezembro. Às vésperas de uma das datas comemorativas mais agitadas para o comércio, cozinheiros seguem a todo vapor a produção para levar o encanto do Natal a diferentes receitas. Os doces também servem para presentear.


A confeiteira da Doce que seja Doce, Luana Drumond Silva, acha que Natal combina mesmo com o velho conhecido panetone, mas o seu maior sucesso não tem nada de óbvio. Ela desenvolveu uma receita inusitada, que não pode mais sair do cardápio: o brownietone. “São camadas de brownie intercaladas com brigadeiro 50% cacau e doce de leite caramelizado. Sugiro servir com sorvete”, detalha.


Como há quem não abra mão do tradicional, Luana prepara também a massa de panetone com frutas cristalizadas ou gotas de chocolate, caso o cliente goste mais de chocotone. As opções de recheio são mousse de limão com chocolate branco cremoso e suspiros; doce de leite caramelizado e castanhas crocantes; farofa de cookies com brigadeiro e chocolate branco cremoso; creme de avelã com brigadeiro de leite ninho. Atendendo a pedidos, a confeiteira ainda oferece uma versão de panetone com o recheio do famoso bolo da matilda (preparado com camadas de caramelo e ganache de chocolate), que ela criou enquanto trabalhava no extinto Belo Comidaria, do chef Henrique Gilberto. “Tento dar cara de Natal ao que mais tem saída. Para ganhar o cliente, precisamos ter um diferencial”, observa.

 

Fora os panetones, um dos clássicos do Natal da Doce que seja doce é a torta de maçã. A receita, que tem cara de quitute de avó, é feita com massa folhada, maçãs verdes caramelizadas e um toque de canela. Outra sugestão de Luana, que pode ser servida como sobremesa na ceia, é a torta noir, que leva massa crocante de cacau, chocolate branco cremoso e mousse de frutas vermelhas. “Ela é gelada, bem leve e vai com cerejas frescas por cima”, destaca. A torta de caramelo, montada com massa amanteigada, ganache de chocolate 60% cacau, caramelo cremoso e farofa crocante, é uma das novidades deste ano.

CORES NATALINAS

Até pela preferência dos clientes, a confeiteira da De.Ló Mariana Goulart elege o red velvet como a sua principal receita de Natal. As cores do bolo, que tem massa vermelha com toque de cacau e recheio a base de cream cheese e baunilha, ajudam a entrar no clima da festa de fim de ano. “Muitos que não arriscam durante o ano pedem o red velvet para a ceia porque o acham bonito. Posso fazer o bolo no pote, com um andar ou na versão festiva, que os clientes encomendam para ser a sobremesa do dia”, conta. Outro bolo que tem a cara do Natal, e por isso está entre os mais pedidos, é o de maçã, que também leva nozes, canela e passas.


Para concorrer com os clássicos, há sempre novidades no cardápio de Natal da De.Ló. Dessa vez, Mariana aposta no carrot cake, receita típica dos Estados Unidos, que nada tem a ver com o bolo de cenoura com cobertura de chocolate que se popularizou no Brasil. A massa, bem escura, contém cenoura ralada, para deixar a receita mais rústica, especiarias, passas e nozes. “Acaba que muitos clientes me procuram porque sabem que vou inventar moda. Isso vem muito da muita profissão de publicitária e designer, então é sempre bom renovar.” A confeiteira também aposta na inédita casca de chocolate meio amargo em formato de árvore de Natal, com recheio de brownie de doce de leite, e na versão de cheesecake no pote, com massa de biscoito, geleia de frutas vermelhas e creme de cream cheese.

Em família
Natal é uma data especial para Mariana Goulart. Foi nessa época que a então publicitária e designer decidiu voltar de São Paulo para se tornar confeiteira em Belo Horizonte. Com a ajuda da mãe, que é cozinheira de mão cheia e tem fama de fazer bolos deliciosos, ela destrinchou o caderno de receitas da família e as adaptou ao seu estilo para abrir a De.Ló. “Quis que os produtos continuassem com cara de feito em casa, mas com um perfil mais moderno. Estamos vivendo um momento de resgate, então percebo que os clientes gostam quando sentem que o produto foi feito com carinho e com calma. Por outro lado, até pela minha profissão original, me preocupo com o acabamento e o design”, explica.

Doces pequenos e delicados não enchem os olhos de Luana Drumond Silva. A confeiteira gosta mesmo é de sobremesas grandes e que seguem um estilo mais rústico. “Sou da política de que menos é mais. Tento fazer receitas mais simples possíveis, com um gosto marcante, e não tenho coragem de usar produtos que roubam a cena, como glacê e pasta americana. Prefiro para ir para lado diferente”, esclarece. Logo, você não vai encontrar bolos confeitados na Doce que seja Doce. Luana mostra sua originalidade ao deixar as laterais aparentes, porque acredita que a sobremesa tem que conquistar mesmo pelo paladar. Outra estratégia da confeiteira, que recebe os clientes em sua fábrica, no Bairro Padre Eustáquio, é servir fatias exageradamente grandes. No ano que vem, ela adianta que planeja abrir uma loja.

Para agradar os clientes, as confeiteiras tentam sempre inovar e oferecer diferenciais, mas ambas admitem que guardam na memória receitas simples de família da época de Natal. “Tenho que implorar para a minha mãe para comer rabanada, porque ela não gosta muito de fazer. Amo aquela friturinha com canela, que dá aconchego de avó”, revela Mariana, que tem família em Araxá. Luana também segue a linha da simplicidade e conta que doces como pudim e pavê não podem faltar na ceia em família. “Tenho muitos parentes no interior, talvez por isso goste mais de uma cozinha rústica, que traz lembranças de avó. Não me identifico muito com a confeitaria francesa”, justifica.

 

Cookies de Natal
(Luana Drumond Silva)

Ingredientes
250g de manteiga sem sal em temperatura ambiente; 450g de farinha de trigo; 100g de açúcar refinado; 50g de açúcar mascavo; 20g de especiarias (cravo, canela e noz-moscada em pó); 10g de gengibre ralado; 10g de raspas de limão; 1 ovo

Modo de fazer

Peneire os ingredientes secos e misture-os. Em seguida, adicione o ovo e a manteiga. Misture a massa até que ela fique homogênea e deixe-a na geladeira por 30 minutos. Depois, abra a massa com o auxílio de um rolo, em uma bancada untada, e corte com forminhas decorativas de Natal. Leve a massa para o forno, preaquecido a 180ºC, em uma assadeira com papel-manteiga por 5 minutos.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA