'Oop' leva à Savassi cafés selecionados e quitutes de pequenos produtores

Recém-aberto, ambiente charmoso aposta na variedade

por Estado de Minas Eduardo Tristão Girão 05/08/2016 13:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Jair Amaral/EM/D.A Press
Tiago Damasceno e Adriene Cobra se especializaram como baristas e se uniram para montar o pequeno negócio (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Inaugurado três semanas atrás na Savassi, o pequeno Oop é dos cafés mais bonitos de BH. Tem ambiente sóbrio e descolado, com bonito banco na entrada, cimento queimado no chão e pé-direito alto, revelando o contorno da rampa da garagem logo acima. Lá do alto pendem lâmpadas nuas que ficam sobre o balcão. Estreita, a loja tem gravuras do estúdio de design 45 Jujubas numa das paredes e, ao fundo, sofá sob luz indireta, com letreiro de néon a indicar “slow down” (desacelere, em português). Oop significa “aberto”, em africâner.

A casa da mineira Adriene Cobra e do paraense Tiago Damasceno, é claro, não tem no ambiente (concebido pelos arquitetos Marina Garcia e Paulo Augusto Campos) seu único atrativo. A dupla garimpa cafés especiais para servir em diferentes métodos de extração – coado (filtros V60, Hario e prensa Aeropress) ou espresso. A intenção é revezar a oferta de grãos: no momento, há um de Lavras (mais doce, com nota de caramelo), outro de Poços de Caldas (de caráter mais ácido) e um terceiro do Espírito Santo (com intenso aroma de rapadura).

Eles (que largaram o ramo financeiro) se capacitaram com algumas das referências principais do assunto no país, acrescentando aos currículos cursos de barista no Coffee Lab (SP) e com Leo Moço (PR) e de classificação e degustação de cafés na Academia do Café (BH). Atualmente, estão se especializando para que cada um cuide especificamente de uma área; ele se aprofundará em torra, e ela em coffee hunting (pesquisa e seleção de cafés). Os dois trabalham permanentemente na loja, ao lado da barista Victória Magó.

Jair Amaral/EM/D.A Press
A casa oferece diversos métodos de extração: coado e espresso (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
ENXUTA “O grande lance é a gente mesma apresentar os cafés para as pessoas. Assim, garantimos que a mensagem chegue a elas como a gente acredita”, diz Damasceno. Mas não é só por isso. A estrutura de serviço enxuta está em sintonia com o restante do funcionamento da casa: o estoque é mínimo (armários quase imperceptíveis) e não há cozinha no local, já que fornecedores externos entregam constantemente os quitutes já prontos.

 

Há bolos (R$ 5 a fatia; da De.Ló), pão de queijo (R$ 4; da Di Queijo), brownie (R$ 7; da Fabuloso Brownie) e sanduíches e quiches (R$ 17 e R$ 8, respectivamente; da Dona Irene Buffet). “Procuramos dar visibilidade a essas pessoas. São todos amigos e estão começando nesse ramo. Pequenos empreendedores ligados à economia criativa. Procuramos funcionar aqui como um hub mesmo”, completa ele. Queijo canastra com geleia (duas fatias; R$ 5) também está no cardápio. A água filtrada é grátis.

Os cafés custam entre R$ 4,50 (espresso) e R$ 8 (Aeropress), variando em função do método de extração e do volume. Eles são servidos em belas xícaras do Ateliê de Cerâmica (de Contagem) e o freguês pode levar para casa qualquer um dos três grãos disponíveis atualmente na loja, moídos ou não, por R$ 20 (200g). Macchiato, cappuccino, latte e affogato também são oferecidos, além de cafés filtrados gelados (R$ 7 ou R$ 8, 300ml, dependendo do método de extração escolhido). Em breve, terão lugar ali workshops sobre o assunto.

Oop
Rua Fernandes Tourinho, 143, Savassi.
(31) 3786-7888.
Aberto de segunda a sexta, das 12h às 19h; sábado, das 10h às 16h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA