Chefs com experiência em Paris se juntam na cozinha do Graciete, em Ouro Preto

Restaurante recém-aberto valoriza produtores locais e aposta em receitas que misturam técnica francesa e sabores mineiros

por Eduardo Tristão Girão 06/05/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Rafael Sandim/divulgação
(foto: Rafael Sandim/divulgação)

Foi no Glouton, um dos melhores restaurantes de Belo Horizonte, que os chefs Carlos Araújo e Renata Queiroz se conheceram. O ano era 2014 e ela havia acabado de voltar de temporada em Paris, onde estudou na Le Cordon Bleu e passou por restaurantes como o Ze Kitchen Galerie, quem tem uma estrela no Guia Michelin. Ele, por sua vez, preparava viagem para a capital francesa: aprimorou por lá seus conhecimentos na escola Ferrandi e atuou no Astrance, casa três estrelas do chef Pascal Barbot.

O reencontro entre os dois ocorreu recentemente e quis o destino que fosse em Ouro Preto, no recém-inaugurado restaurante Graciete. Renata tem origens na região e a família tem fazenda em Cachoeira do Campo, distrito da famosa cidade histórica. No imóvel onde a avó – Graciete, daí o nome – morou, no bairro ouro-pretano de Antônio Dias, ela resolveu abrir a casa, preservando algo da atmosfera doméstica ao manter no salão alguns móveis antigos, como o armário em que os copos são guardados.

Com o retorno de Araújo à capital mineira, tiveram a ideia de unir forças. Ele chegou com o projeto já definido por ela e reforçou o propósito de privilegiar o máximo possível fornecedores locais. Isso inclui, aliás, vegetais de vários tipos cultivados pela família da própria Renata na fazenda, além de outros produtores do entorno, que entregam ingredientes como ovo caipira e carne de pato. “O ovo caipira no nosso fondant de chocolate, por exemplo, dá diferença grande. A textura fica mais macia e o sabor, suave”, compara ele.

Este é apenas um dos reflexos das temporadas que ambos passaram na França na maneira de trabalhar. “É impressionante como todo mundo lá tem interesse por gastronomia. Não existe produto genérico, cada ingrediente tem uma história. Até no supermercado”, conta Araújo. No caso dele, o impacto da experiência no Astrance foi tremendo: “Se o Pascal não está lá, o restaurante não abre. A comida da casa é levada ao nível da perfeição”. Chamou-lhe a atenção o esforço do francês em temperar com ingredientes que não sal e pimenta.

ORA-PRO-NÓBIS A dupla, que trouxe vários equipamentos de Paris (como thermomix e pacojet), mescla referências francesas e mineiras. Entre as opções de prato principal (individuais), estão o peixe (geralmente sarda) com purê de banana da terra, azeite de ora-pro-nóbis, farofa de amêndoas e espuma de gengibre (R$ 55); a barriga de porco com ragu de feijão branco, mostarda e condimento de abóbora (R$ 38); e o entrecôte com manteiga queimada, batatas com páprica defumada e ovo perfeito (R$ 53).

Pequeno, o cardápio tem, ainda, sugestões semanais. Na seção de entradas, há tâmaras recheadas com parmesão e envoltas em bacon (R$ 22); won ton crocante de frango com quiabo (R$ 18); e ratatouille com creme de queijo canastra e pó de azeitona sobre torradas de pão artesanal (R$ 19). Para sobremesa, há tarte tartin (tipo de torta de maçã) com amêndoas e calda de caramelo (R$ 18); e torta de paçoquinha com sorvete de baunilha fresca (R$ 21).

Graciete
Largo Frei Vicente Botelho, 101, Antônio Dias, em Ouro Preto. (31) 3551-5377 / (31) 98012-7245. Aberto de quarta a sexta, das 19h à 0h; sábado, das 12h às 15h e das 19h à 0h; domingo, das 12h às 16h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA