Rua Pium-í é um dos points mais movimentados da vida noturna de BH

Da Avenida do Contorno até a Avenida Bandeirantes há opções para todos os gostos

por Ana Clara Brant 26/02/2016 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Vieira/EM/D.A Press
Toninho comanda o La Farina, que serve pizza e a tradicional feijoada (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Da Avenida do Contorno, onde começa, até a Avenida Bandeirantes, onde termina, são cerca de 1,6 mil metros. Percorrendo três bairros – Cruzeiro, Anchieta e Sion –, a Rua Pium-í foi assim batizada em referência à cidade do Centro-Oeste mineiro. A palavra indígena piumhi significa rio de muitos peixes. Em BH, ela virou sinônimo de boemia, boa comida e lazer. Naqueles quarteirões da Zona Sul, é possível viajar pelas gastronomias baiana, japonesa, mineira, italiana e francesa. Com direito a bons vinhos, chope e cerveja bem gelada.

Considerado o restaurante mais antigo da rua, o La Farina foi inaugurado há cerca de 40 anos. O proprietário, Antônio Carlos Soares, o Toninho, começou ali como garçom e nunca imaginou que a Pium-í se tornaria uma rua gastronômica – muito menos, que o La Farina atravessaria quatro décadas. “Se estamos sobrevivendo, é porque temos qualidade. Ainda mais por aqui, onde vira e mexe bares abrem e fecham. A gente consegue aliar fartura, boa comida e preço razoável. Agora, expandimos com a filial no Gutierrez”, conta.

Apesar da inspiração italiana, a casa ficou famosa pela feijoada servida aos sábados (por R$ 23, o cliente pode se servir à vontade) e pelo frango ao molho pardo de domingo (R$ 53 para duas pessoas). “Nossas pizzas também são destaque, sobretudo o sabor à moda da casa,”, diz Toninho. O tamanho brotinho custa R$ 18,80; a gigante, com oito pedaços, é a mais pedida (R$ 47).

ITAPARICA Cantinho baiano da Pium-í, o Alguidares foi criado por Deusa Prado, que vive na “ponte aérea” BH-Ilha de Itaparica (BA). Em 1996, quando a casa abriu as portas, a região era dominada por residências. “Tive o feeling de que este lugar ia bombar. Apesar de o ponto não ser dos mais agitados, a coisa proliferou”, diz. O carro-chefe é a moqueca de camarão (R$ 155, serve duas pessoas), além da casquinha de siri (R$ 21, individual) e da porção de acarajé (R$ 28).

Se La Farina e Alguidares são veteranos, o caçula da turma é o recém-inaugurado The Pug, especializado em espetinhos, sanduíches artesanais e long neck, aberto há um mês. “Abrir bar na Pium-í, que já conta com muitas opções, é uma responsabilidade e certo caminho andado. Quem trabalha muito acaba tendo êxito”, acredita João Kléber, um dos proprietários.

O quarteirão mais agitado fica entre as ruas Passatempo e Montes Claros. Lá estão o tradicional Bar da Neca, o Itatiatia e o Almanaque, além da Choperia Albanos e o “caçula” Muu, que mescla espetinhos e balada, atraindo muitos jovens. Outro destaque é o Café do Carmo. Há 15 anos, Lincoln Vasconcelos decidiu abri-lo depois de fechar a videolocadora que lá funcionava.

“Só de estar na Pium-í, a exposição é grande. Um bar chama o outro, cada um tem público com um perfil”, defende Vasconcelos. O café oferece gastronomia, drinques, decoração descolada e show de jazz às quintas-feiras. Entre os itens mais pedidos do cardápio está a porção de isca de frango crocante com gergelim (R$ 36).

JEITO MINEIRO Frequentadores brincam que a Pium-í tem suas “caveiras de burro”, onde bares não conseguem vingar. A esquina com a Rua Caratinga, perto da rotatória das ruas Chile, Laranjal e Flórida, era conhecida assim. “Quando viemos para cá, há três anos, muita gente brincou, dizendo que aqui nada prosperava. Mas estamos indo muito bem nessa rua boêmia, referência na noite da capital”, afirma Fran Rosa, uma das proprietárias do Bar Quermesse.

Entre os pratos que mais têm saída está o bife sujo (iscas de miolo de alcatra preparadas na chapa com molho de cerveja preta e mandioca cozida na manteiga de garrafa; R$ 45,90). Terça-feira é dia de rodada dupla de coquetéis, às quintas-feiras e domingos, de caipivodca. “A gente tenta manter a essência de Minas na decoração, nos quitutes e no nosso jeito. As pessoas se sentem em casa”, comenta Fran.

Marcos Vieira/EM/D.A Press
Sabores franceses, aposta de Philippe e Silvana Watel, do Au Bon Vivant (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
PARIS EM BH O toque “parisiense” fica por conta do Au Bon Vivant. O proprietário, o francês Philippe Watel, escolheu a rua por sua localização. “Ficamos perto da Savassi e do Centro. Depois das 19h, quando abrimos, é bem tranquilo para estacionar. Tudo isso facilita”, salienta. Além de pratos da refinada culinária francesa, a casa oferece extensa carta de vinhos importados do país de Watel. O cliente pode pedir a garrafa, a jarra ou a taça.

“Procuramos oferecer preços bacanas e bebidas de ótima qualidade. Há pouco tempo, começamos a trabalhar com brasileiros de pequenas vinícolas do Sul, com ótimo custo/benefício. Também servimos o sul-mineiro Dom de Minas”, informa Watel.

Marcos Vieira/EM/D.A Press
Sócia do Kabuto, Ligia Imanishi prepara especialidades de Kyoto (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
União fez a força


Há três meses, Ligia Imanishi, sócia do Kabuto, resolveu bater na porta de bares e restaurantes vizinhos de seu estabelecimento, especializado em comida japonesa. Ela queria formar uma associação. “Está tudo tão difícil que será pior se a gente não se juntar. A gente consegue negociar produtos mais baratos, angariar apoio e promover eventos. Viramos uma grande família”, diz.

Batizada de Pium-í: Se Essa Rua Fosse Minha, a sociedade promoveu sua primeira ação no carnaval, organizando um bloco que contou com o reforço do carioca AfroReggae. “No fim de março ou início de abril, devemos fazer um festival gastronômico da Pium-í com a participação dos 10 associados”, anuncia.

O Kabuto serve a autêntica culinária de Kyoto, berço dos Imanishis. Entre os destaques estão o combinado prata, com 44 peças, entre sushis e sashimis variados e frescos (R$ 122,60), e o tempurá ebi (de camarão), que custa R$ 115,50.

Onde ir

 

» ESPETOASSAURO
Espetinhos
Rua Pium-í, 86, Cruzeiro.
(31) 97115-8090. Aberto de segunda-feira a sábado, das 18h à 1h.

» AU BON VIVANT
Francês
Rua Pium-í, 229, Cruzeiro. (31) 3227-7764. Aberto de terça a quinta-feira, das 19h30 às 23h30; sábado e domingo,
das 19h30 à meia-noite.

» LA FARINA
Comida italiana e brasileira
Rua Pium-í, 339, Cruzeiro. (31) 3225-3916. Aberto diariamente, das 11h à 1h. Só fecha na
sexta-feira santa.

» NIGIRI SUSHI BAR
Comida japonesa
Rua Pium-í, 364, Cruzeiro. (31) 3287-7706. Aberto de terça-feira a sábado, das 18h à meia-noite; domingo, das 13h às 22h.

» PINO RISTORANTE
Italiano
Rua Pium-í, 420, Cruzeiro. (31) 3225-3628. Aberto de segunda-feira a sábado, das 19h30 à meia-noite.

» THE PUG
Espetinho e sanduíches artesanais
Rua Pium-í, 521, Anchieta. (31) 99477-9415 e 98801-1450. Aberto de segunda a sexta-feira, das 18h à 1h; sábado e domingo, das 15h às 2h.

» ALBANOS
Choperia
Rua Pium-í, 611, Anchieta. (31) 3281-2644. Aberto de segunda a sexta-feira, das 18h à 1h; sábado, das 12h à 1h; e domingo das 12h às 20h.

» ITATIAIA BAR
BAR E LAZER
Rua Pium-í, 620, Anchieta.
(31) 2551-4844. Aberto de terça a sexta-feira, das 17h às 2h; sábado e domingo, das 12h às 2h.

» MUU BAR
Espetinho e balada
Rua Pium-í, 630, Anchieta.
(31) 3309-7369. Aberto de terça a quinta-feira, das 17h30 à 1h; sexta-feira, das 17h30 às 2h; sábado, das 15h às 2h; e domingo, das 15h à 1h.

» CIA. DO BOI
Carnes
Rua Pium-í, 653, Anchieta.
(31) 3287-9103. Aberto de segunda a quinta-feira, das 12h às 15h e das 18h à meia-noite; sexta-feira, das 12h às 15h e das 18h à 1h; sábado, das 12h à 1h; domingo e feriado, das 12h às 23h.

» ALMANAQUE
Choperia e espaço gourmet
Rua Pium-í, 675, Anchieta.
(31) 3287-9044. Aberto segunda, terça e quarta-feira, das 17h à meia-noite; quinta-feira, das 17h à 0h30; sexta-feira, das 17h à 1h; sábado, das 12h à 1h; domingo e feriado, das 12h às 23h.

» CAFÉ DO CARMO
Bar
Rua Pium-í, 685, Anchieta.
(31) 99216-7520. Aberto segunda e terça-feira, das 17h à meia-noite; de quarta a sexta-feira, das 17h às 3h; sábado, das 12h às 3h; e domingo, das 12h à meia-noite.

» KABUTO
Japonês
Rua Pium-í, 736, Anchieta.
(31) 3225-3522. Aberto de terça a quinta-feira, das 18h30 à meia-noite; sexta-feira, das 18h30 à 1h; sábado, das 12h à 1h; e domingo e feriado, das 12h à meia-noite.

» GILBOA
Balada
Rua Pium-í, 772, Anchieta,
(31) 3568-6595. Aberto de terça a sexta-feira, das 18h às 2h; sábado, das 15h às 2h; e domingo, das 15h à meia-noite.

» ALGUIDARES
Comida baiana e frutos do mar
Rua Pium-í, 1.037, Sion. (31) 3221-8877 e (31) 2555-8134. Almoço: de terça a sexta-feira, das 12h às 15h; sábado e domingo, das 12h às 18h. Jantar: de segunda a sexta-feira, das 19h à meia-noite; sábado, das 18h à meia-noite.

» QUERMESSE
Petiscos mineiros
Rua Pium-í, 1.175, Sion.
(31) 3284-9683. Aberto de terça-feira a sábado, das 18h às 2h; domingo, das 13h às 21h.

» FANY BOMBONS
Chocolates, doces e cafés
Rua Pium-í, 1.636, Sion.
(31) 3227-0141. Aberto de segunda-feira a sábado, das 10h às 20h; domingo, das 11h às 19h.

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA