Para homenagear os pais, um almoço de família é opção afetuosa cheia de sabores

Reunir a família em casa para o almoço é uma tradição saborosa que agrega personalidade e carinho

por Patrícia Crespo 09/08/2015 10:19

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Não dá para passar em branco. Dia da mãe e dia do pai tem que ter comida. Se for boa é melhor ainda. Sair para comer fora é sempre uma opção interessante para quem pode pagar pelo serviço e os restaurantes da capital estão caprichando para receberem os papais e suas famílias em grande estilo. Mas, reunir a família em casa para o almoço é uma tradição saborosa que agrega personalidade e carinho. As comemorações começam e terminam em volta da mesa recheada de histórias e lembranças. Quem tem o privilégio de ainda conviver com o seu pode e deve arregaçar as mangas e mexer as panelas para homenagear esse que não mede esforços para nos ensinar a viver melhor.

No livro “Minas de Forno e Fogão” leio com saudades o cardápio sugerido pela grande culinarista Maria Stella Libânio Christo: Arroz mineiro, feijão tropeiro, costeletas de porco, torresmo pururuca, couve mineira, pudim de queijo de Minas e ambrosia moderna. Simples? Mero engano. D. Stella nos ensina que a cozinha de Minas é criação e recriação constantes. Cada prato comporta inúmeras variedades no seu preparo. A estrela desse “menu” é o toque especial de cada família. O meu tropeiro será sempre diferente daquele feito na sua casa. Já disse uma vez aqui e volto a repetir que executar receita de família é tarefa de grande responsabilidade. De geração a geração perpetuam-se aromas, sabores e afetos. Lembranças de pessoas queridas, pratos que nos remetem a momentos especiais. O que vai à mesa, não é uma simples costeleta de porco, e sim o prato preferido do pai, feito assim e assado pela mãe dele e que foi ensinado pela vó, tirado do livrinho engordurado da tia fulana. Essa história é a memória do apetite e fazem a festa do paladar.

Gourmetizar o cardápio
Atualmente, a gastronomia é parte do nosso dia a dia e gourmetizar o cardápio do dia dos pais é uma escolha que pode agradar em cheio pais, filhos e agregados. Ideias é que não faltam. Fiquei com água na boca quando vi o cardápio do restaurante Cipriani, situado no estrelado Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Assinado pelo chef Luca Orini, o menu caprichado traz “mozzarella” de búfala, tomate cereja e basílico e “scialatielli” com alcachofra, linguiça e queijo pecorino romano, para entrada; risoto crocante de frutos do mar com açafrão e pavê de atum levemente grelhado com manga, foie gras e redução de vinho Marsala ou ossobucco em gremolata com cogumelo porcini e risoto ao queijo parmesão para os principais; e esfera de chocolate com frutas vermelhas e calda de caramelo com especiarias para sobremesa. Para quem pode dar uma chegadinha lá, fica a dica.

A receita que trago para celebrar o dia “dele” é um prato tão surpreendente quanto seu amor e dedicação pelos filhos. Transforma, colore e dá sabor ao nosso dia a dia. O peixe azul marinho é uma preparação tradicional no litoral Norte de São Paulo. A banana ainda verde é cozida com casca na panela de ferro e produz uma reação química que a tinge maravilhosamente num tom escuro de azul. É fazer para crer. O peixe, eu usei um vermelho bem fresquinho. Mas sendo filé, pode ser qualquer um. Na minha mesa tá faltando ele e a saudade dele tá doendo em mim, mas para o pai dos meus filhos vou fazer esse peixinho que de mineirinho não tem nada. Um saboroso dia dos pais para todos!

Peixe azul marinho

Ingredientes
800g de filé de vermelho; carcaça e sobras da limpeza do peixe; 2 unidades de alho porró (parte branca) cortado em rodelas de 3cm; 6 unidades de tomates bem maduros; 4 bananas caturras verdes cortadas em rodelas grossas com a
casca; 2 cebolas cortadas em quatro; 4 dentes de alho picado; 50 ml de azeite; sal, pimenta e ervas frescas a gosto

Modo de fazer
Corte os tomates ao meio. Arrume-os com a parte cortada para cima numa assadeira e leve ao forno médio por 50 minutos. Retire-os da assadeira, tire as cascas e processe com um pouco de azeite e sal. Reserve. Numa panela de ferro refogue num fio de azeite metade da cebola e metade do alho, acrescente as bananas, cubra com água. Tampe a panela e cozinhe até as bananas ficarem macias e a água do caldo ficar azul. Reserve 150ml desse caldo azul. Escorra e tire as cascas da banana e processe junto com o caldo reservado. Tempere a gosto. Reserve o purê. Refogue novamente num fio de azeite a outra metade das cebolas e do alho. Acrescente a limpeza do peixe. Cubra com água e ervas a gosto e cozinhe por 20 minutos. Coe o caldo e reserve. Corte os filés em 8 partes. Tempere com sal e pimenta e monte cada duas parte dos filés com o recheio de banana. Amarre-os com barbante e reserve. Numa assadeira faça uma cama com as rodelas de alho porró. Disponha sobre elas o peixe recheado. Regue com o caldo de peixe até cobri o alho porró. Asse em forno médio por 30 minutos. Sirva o peixe com o creme de tomates.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA