Cookie em preto e branco é uma das tradicionais guloseimas da Big Apple; aprenda a receita

A origem do 'bolinho achatado' ainda não foi totalmente desvendada, mas acredita-se que seja uma evolução do 'cookie em meia lua'

por Izabella Figueiredo 26/04/2015 08:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
(foto: Divulgação)
Nenhuma sobremesa — exceto pelas fabulosas cheesecakes — é mais associada à cidade de Nova York do que os famosos cookies em preto e branco. A tradicional guloseima (que mais se parece com um bolinho achatado coberto por chocolate e glacê de baunilha) ainda não teve sua origem totalmente desvendada. Acredita-se que os “cookies em preto em branco” sejam uma evolução dos “cookies meia lua”, originários do norte do estado. A guloseima tinha formato circular, base de bolo de chocolate ou baunilha, e era coberta por uma camada cremosa de chocolate e baunilha irmamente divididas. A Wikipedia e outras fontes suspeitas, entretanto, afirmam que a sobremesa foi inventada na cidade de Utica pela tradicional Hemstrought’s Bakery no século 20, mas o modelo arcaico da sobremesa e sua iconografia sugerem que “meia lua” é bem mais antigo que isso.

A palavra “cookie” vem do holandês “koekje”, cuja pronúncia é bem semelhante à da língua inglesa. Seu significado, “pequeno bolo”, sugere que os cookies de antigamente levados aos EUA pelos colonizadores holandeses nos séculos 17 e 18 eram nada mais que bolos em miniatura. Outros biscoitos que datam dessa época são os famosos biscoitos de gengibre (aqueles em formato de bonequinho) e os macarons, ambos vastamente consumidos até os dias de hoje. Sendo assim, é mais provável que os cookies em preto e branco sejam datados de uma Nova York colonial, quando esse tipo de guloseima era vendida ao público nas feiras livres. A substituição do cremoso fondant pelo compacto glacê fez com que o biscoito ficasse mais moderno e aerodinâmico, capaz de ser distribuído amplamente e sem risco de sujeira. No entanto, a imagem da meia lua permanece – um símbolo medieval que representa o ponto médio do ciclo lunar – como um lembrete moderno de passado norte – europeu pelo qual a Big Apple foi amplamente influenciada.

Velha guarda do açúcar
No livro Delícias vintage (Ed. V&R, R$74,90), a confeiteira Victoria Glass afirma que o preparo caseiro de bolos e tortas está diretamente ligado ao afeto e a generosidade. “Costumamos prepará-los para aqueles que amamos, como apoio para momentos difíceis, para celebrar as realizações de sucesso ou para ver o rostinho radiante das crianças diante de um bolo”, conta na introdução da obra. Repleta de receitas de doces cheios de história como as londrinas roscas Chelsea, famosas por serem as favoritas dos Hanôver, família nobre europeia, e também dos madeleines, bolinhos franceses supracitados por Marcel Proust em seu livro Em busca do tempo perdido, a confeiteira também fornece receitas de bolos, doces clássicos e tortas que permaneceram firme no topo da preferência dos apreciadores de uma boa sobremesa. No capítulo em que revela a receita dos “cookies em preto e branco”, Victoria relembra também um episódio da estrelada série de comédia americana Seinfield, que acabou por trazer os “cookies em preto e branco” à tona na grande mídia. Nele, o personagem Jerry eleva o biscoito a ícone a favor da luta contra o racismo. “Olhe, um biscoito preto e branco. Duas raças de sabores diferentes convivendo lado a lado em harmonia. Veja, a chave para comer o cookie em preto e branco é que você tem um pouco de cada cor em cada mordida... Mesmo assim, de alguma forma, a harmonia racial nos escapa... Se as pessoas olhassem apenas para o biscoito, todo os nossos problemas seriam resolvidos.” Fica a lição.

Divulgação
(foto: Divulgação)
Cookies em preto e branco
(rende cerca de 15 unidades)

Ingredientes:

Para os cookies: 150g de mantiga sem sal, amolecida; 175g e mais 2 colheres de Sopa de açúcar; 2 ovos; 2 ½ xícaras de farinha de trigo; 1 colher de chá de sal; 1 colher de sopa de essência de baunilha; raspas de 1 limão siciliano; 175ml de buttermilk (175ml de leite integral misturados com 1 colher de sopa de suco de limão, reservado por 10 minutos)

Para a cobertura: 1 clara; 200g de açúcar de confeiteiro peneirado; 1col. de chá de essência de baunilha; 150g de chocolate amargo, derretido a frio

Modo de fazer:

Cookies: pré-aqueça o forno a 180 graus. Bata a manteiga e o açúcar em uma tigela grande e misture os ovos. Peneire a farinha, o bicarbonato e o sal em outra tigela. Junte a baunilha e as raspas de limão ao buttermilk em uma jarra medidora de vidro. Acrescente alternadamente 1/3 dos ingredientes secos e 1/3 da mistura de buttermilk ao creme de manteiga. Repita até que todos os ingredientes estejam incorporados. Coloque uma colherada bem cheia de massa formando um montinho em uma das assadeiras preparadas, então achate com uma espátula formando um círculo perfeito. Repita com o restante da massa, deixando 4cm de distância entre cada cookie. Asse por 15 a 20 minutos ou até que estejam ligeiramente dourados. Transfira para um aramado para esfriar.

Cobertura: bata a clara, o açúcar de confeiteiro e a essência de baunilha até obter um creme espesso e brilhante. Talvez seja necessário deixá-lo mais ralo com algumas gotas de água, mas acrescente apenas um pouco de cada vez. Use uma espátula para espalhar a cobertura na metade de cada cookie e deixe secar. Depois que estiver firme, espalhe o chocolate derretido na outra metade. Deixe endurecer antes de servir.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA