Botecar mobiliza 55 bares, que criaram petiscos inspirados em cidades mineiras

Segunda edição do festival começa na próxima quarta-feira e vai até 9 de maio

por Eduardo Tristão Girão 03/04/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Botequeiros, preparem-se para a maratona: começa na quarta-feira a segunda edição do Botecar, festival que reunirá, até 9 de maio, 55 bares de diferentes regiões de Belo Horizonte com homenagens a várias cidades mineiras por meio de petiscos criados especialmente para a temporada. Público e jurados escolherão o melhor boteco (o voto é baseado em atendimento, qualidade da comida e serviço de bebidas) e o melhor garçom, pelo site do evento (www.botecar.com.br). A promoção é do Estado de Minas, TV Alterosa e Revista Encontro.


“Este ano, demos um tema aos bares: homenagear uma cidade de Minas. Não foi obrigatório, mas todos aderiram e 45 foram contempladas. Muitos estão usando ingredientes dessas regiões, como o Barção Moreira, cujos proprietários são de Nova União e trouxeram umbigo de bananeira”, conta Antônio Lúcio Martins, um dos idealizadores do evento.

Campeão do ano passado, o Estabelecimento aposta no escondidinho de frango com angu de milho verde e manjericão (R$ 24,90), pois essa iguaria é bastante popular em Campos Altos, cidade natal do proprietário, Olívio Cardoso. Outras casas conhecidas participam do evento, como Bar do Zezé, Bar do Antônio (Pé de Cana), Bar da Lora, Bar do Veio, Patorroco, Bar da Cida, Família Paulista e Via Cristina. Os preços dos petiscos variam entre R$ 15,90 e R$ 29,90.

Há seis casas novatas nesta edição: Bar da Neca, Amarelim da Prudente, Amarelim do Prado, Oratório, Butiquim Seu Jorge e Petisqueira do Teté. Nesse último, comandado por Emerson José Cristo (o Teté), o prato participante é a carne de sol na chapa com mandioca cozida na manteiga de garrafa e bolinho de arroz com pequi. “O pessoal do Norte de Minas é muito gente boa e trabalhador, tenho afinidade com eles”, conta o dono da casa, fundada há 14 anos.

Teté assume: está correndo certo risco ao apostar no pequi (usado fresco), mas garante que valerá a pena. “Nunca vi ninguém fazendo bolinho de arroz com pequi, o pessoal ficou curioso quando fui testar. Não tem aquele gosto forte. O sabor fica mais discreto, mas muito saboroso. Comi um arroz com pequi e carne de sol que estava muito bom, quando viajei por aquela região. Não sei explicar, mas parece que estando lá o sabor muda”, filosofa ele.

CARONA Outro atrativo são as nove linhas de ônibus e vans até os bares participantes. Elas vão transportar os botequeiros gratuitamente de um lugar para o outro – basta apresentar a miniguia do evento. O serviço será oferecido somente aos sábados, das 14h às 21h, nos circuitos Pampulha, Norte-Nordeste, Noroeste, Leste, Centro-Sul, Barreiro, Oeste, Serra e Sion-Santo Antônio – as rotas não são interligadas.

A festa de encerramento, em 23 de maio, será no Parque das Mangabeiras, das 12h às 20h, e contará com cerca de 30 bares, além de shows de bandas locais. A organização calcula que os 55 botecos receberão cerca de 500 mil pessoas – ano passado, o Botecar atraiu cerca de 420 mil.

BOTECAR 2015
De quarta-feira a 9 de maio. Petiscos oferecidos por 55 bares de BH. Lista completa de estabelecimentos, pratos, mapa e outras informações podem ser consultados no site www.botecar.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA