Hamburgueria Resenha investe em sanduíches com sabores brasileiros

Casa recém-aberta utiliza ingredientes como carne de sol, queijo canastra e até cachaça

por e Eduardo Tristão Girão 05/12/2014 09:32

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press
O sanduíche Enchendo linguiça e caipirinhas com abacaxi, pimenta rosa e caldo de cana (foto: Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Produzir o próprio hambúrguer já não é mais novidade na cidade. O que poderia ser visto como diferencial há alguns anos se tornou obrigação das casas que têm como objetivo oferecer sanduíches de qualidade superior. Naturalmente, os profissionais do ramo começam a ampliar esse cuidado para os demais ingredientes, além da carne. Bom exemplo é o Deli Handmade, que faz seus picles e molhos, entre vários itens. No recém-aberto Resenha, na Pampulha, a isso foi adicionado o DNA brasileiro.


Os sanduíches da casa são preparados com ingredientes como carne de sol, linguiça, costelinha, queijo canastra, pimenta cambuci, cachaça, ora-pro-nóbis, queijo coalho, couve e melado. Todos são servidos com mistura de chips de batata baroa, batata doce e mandioca, embora seja possível trocar (sem custo) por batatas fritas industrializadas – que ainda predominam nas hamburguerias de BH. A casa ainda faz barbecue de melado, ketchup de goiabada e molho de pimenta dedo-de- moça, todos colocados nas mesas.

“Inicialmente, seria um food truck de hambúrguer nesta linha brasileira, mas desistimos em função das restrições impostas pela legislação”, conta Luisa Barreto, que comanda a casa ao lado de Clarice Ferreira. No momento, discute-se na Câmara Municipal de Belo Horizonte a regulamentação desse tipo de atividade nas ruas, de maneira que as duas optaram por construir a hamburgueria em terreno da família de Clarice, que fica quase na beira da lagoa e próximo ao Mineirão.

São 86 lugares em mesas com taco no tampo e sob cobertura transparente, preservando o clima ao ar livre. No balcão, pequena vitrine exibe os chips de raízes fritos para o dia. Logo atrás, na cozinha, uma intensa rotina de preparações garante não apenas ingredientes para os sanduíches, mas também petiscos, como as porções de bolinhos de feijoada em crosta de torresmo (R$ 25,90) e de canjiquinha com costelinha (R$ 21,90) e o filé com mandioca na manteiga de garrafa e molho de jabuticaba ou de café (R$ 35,90).

CAMBUCI Os hambúrgueres são preparados em chapa e entre os que mais chamam a atenção, estão os de carne de sol (na manteiga de garrafa, com queijo coalho, pimentões flambados na cachaça e pão de mandioca; R$ R$ 28,90), o de linguiça (com queijo coalho, molho de pimenta-biquinho com cachaça, couve frita e pão de sal redondo; R$ 27,90) e o de costelinha (desfiada, assada com molho barbecue e moldada, com geleia de abacaxi e limão siciliano apimentada, rodelas de provolone crocante e pão de milho; R$ 29,90).

Há duas versões de hambúrguer bovino: um de picanha (com requeijão de raspa, geleia de bacon e molho barbecue de melado apimentado; R$ 34,90) e outro com mistura de três cortes (com queijo canastra na chapa, cebola roxa caramelizada, bacon e aïoli – espécie de maionese – de pimenta cambuci; R$ 32,90). Dois sanduíches com peito de frango completam o cardápio, que contempla também os vegetarianos com um hambúrguer de grão de bico com aveia adaptável a qualquer outra pedida.

Para sobremesa, há brownie com doce de leite e sorvete de creme (R$ 12,90), cheesecake de goiaba (R$ 15,90) e cookie de chocolate com castanha do pará (R$ 4,90). Caipirinhas (R$ 12,90, cada) variam constantemente, servidas em potes com tampa para serem chacoalhados pelo freguês. Cervejas custam a partir de R$ 5,50 (long neck) e as marcas mineiras (Bäcker, Küd e Wäls) predominam, com 14 rótulos (entre R$ 8,90 e R$ 21,90, garrafa de 600ml).

Resenha
Avenida Alfredo Camarate, 50, São Luís (Pampulha). (31) 9196-4698. Aberto quinta e sexta, das 18h às 23h; sábado, das 12h às 23h; domingo, das 12h às 22h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA