Chef Leandro Pimenta comanda a cozinha da Casa de Música

Plano do profissional é resolver a crise de identidade do espaço no Bairro de Lourdes

por Eduardo Tristão Girão 17/10/2014 07:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: André Hauck/Esp.EM/D. A Press
Leandro Participou de programa de gastronomia na TV e percorreu 3 mil quilômetros em Minas (foto: Fotos: André Hauck/Esp.EM/D. A Press)
Um dos principais chefs de sua geração, o mineiro Leandro Pimenta estava fora do circuito desde novembro passado, quando perdeu o imóvel onde funcionou por pouco mais de um ano seu primeiro restaurante, o The L.A.B., no Santo Antônio. Ele não dá o negócio como morto, ainda que não pense em reabri-lo por agora, e aproveitou o convite para comandar a Casa de Música, em Lourdes, para aplicar suas ideias no cardápio que, acredita, resolverá a crise de identidade do lugar.


O ponto não é de todo estranho para ele. Ali funcionou a extinta risoteria Sorriso, cujo cardápio criou, e que foi engolida pela ampliação da Casa de Música, logo ao lado. Ao aceitar a proposta do empresário Duda Siqueira, Pimenta vislumbrou ali a oportunidade de voltar para o fogão e executar praticamente a mesma cozinha que fazia no The L.A.B., uma mistura de referências francesas clássicas com pinceladas de regionalismo brasileiro.

“Depois do fechamento do meu restaurante, cogitei reabri-lo em Lagoa Santa e até em ir para Nova York. Surgiu a oportunidade de participar de um programa de gastronomia na TV e com isso fui a campo para pesquisar produtos, gente e natureza. Rodei uns 3 mil quilômetros por Minas. Foi sensacional. Tenho respeito pelo trabalho que fiz com os risotos, mas o que fiz com o The L.A.B. é minha filosofia de trabalho hoje”, relata o chef, que passou pelo Maní (SP) e Per Se (Estados Unidos).

TUCUPI Por esse motivo, o freguês de Pimenta terá impressão de déjà vu logo nas entradas do cardápio, com a terrine de foie gras com vinho do porto, farofa de brioche com castanhas e flor de sal (R$ 53) ou o steak tartare com batatas rústicas e béarnaise de tucupi (R$ 36), por exemplo. Ainda para a mesma seção, ele trouxe, ainda, carpaccio de polvo com azeite de páprica, batatinhas confitadas, ovas, brotos, ervas e flores (R$ 39) e a porção de bolinhos de arroz com queijo de minas (R$ 29), cuja receita é da mãe, Marilda.

A mesma lógica vale para os pratos principais (individuais), como as costeletas de cordeiro ao bordelaise de café com cuscuz, frutas secas, castanhas e cardamomo (R$ 89), o arroz de pato com tucupi, jambu, leite de coco e palmito pupunha tostado (R$ 69) e o filé com manteiga de mostarda em grão e terrine de batata com queijo canastra (R$ 59). Há uma página só com risotos, entre eles o de camarões com tomate e basílico (R$ 69). Saladas e pratos vegetarianos completam o cardápio.

Para o almoço, durante a semana, a cozinha trabalha também com sugestões do dia e versões individuais de pratos típicos brasileiros – costelinha com ora-pro-nóbis, canjiquinha, moqueca, picadinho – servidos em panelinhas por R$ 25, em média. Entre as sobremesas, pudim (R$ 14) e texturas de chocolate (brownie, sorvete, ganache e espuma; R$ 29). Carta de vinhos com 30 rótulos (a partir de R$ 58) e cervejas começando em R$ 10.


Casa de Música
Rua Curitiba, 2.307, Lourdes.
(31) 2516-2307. Aberto segunda, das 18h à 1h; terça a sábado, das 11h à 1h; domingo, das 12h às 22h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA