Frutas de Minas viram matéria-prima de doce de festa

Se tem uma coisa amada em festa são os docinhos. E se eles são feitos em casa e com frutas da região...

22/06/2014 12:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
marcos vieira/em/d. a press
Tente fazer um delicioso doce de pequi (foto: marcos vieira/em/d. a press)
 

Chegou a hora da festa de casamento. Os convidados já foram chamados para celebrar com os noivos, então é a hora de pensar nos docinhos. Os famosos bem-casados feitos com pão de ló e doce de leite, que fazem de uma festa de casamento algo indescritível, é só mais um detalhe. Sem contar aqueles doces finos que os bufês fazem tão bem. Estamos falando daquelas delícias que contam história, que falam ao coração. É desses docinhos que o caderno Degusta trata agora. Uma variedade deles recentemente chamou atenção dos convidados no casamento da filha de uma conhecida cabeleireira da cidade. Os 450 convidados foram recebidos com uma mesa de café completa em que figuravam entre bolinhos de milho verde, de chocolate e outras quitandas mineiras, deliciosos docinhos do Cerrado mineiro.

A criadora das iguarias, Laura Nunes, é a mais nova de 15 irmãos. Passou a infância na Fazenda Primavera, de propriedade da família, em Angueretá, distrito de Curvelo. E foi lá, em meio à extensa plantação de marmelo que abastecia as cidades vizinhas, pequizeiros, figos e limões-capeta que aprendeu a admirar e, sobretudo, a preparar toda sorte de receitas com os frutos do cerrado. Já casada, em Belo Horizonte, mãe de 3 filhos e uma enteada, continuou apreciando os sabores da infância. Há anos que em sua casa costuma ter frescas ou congeladas as polpas dessas frutas, tudo para tê-las por perto o ano todo. E com elas, em forma de doces, segue brindando o cotidiano e as ocasiões especiais, como o casamento da filha Lorena.

Gosto de celebração Quando comecou a festa, lá estavam eles, uma atração à parte do casamento. Estamos falando de docinhos de araticum, pequi, limão-capeta, figo miúdo, marmelo… repletos de sabor e de criatividade, preparados por Laura Nunes em casa, com o auxílio de sua cozinheira e de sua arrumadeira. Longe dela querer competir com “os finos e não menos saborosos doces preparados por Eduarda Balesteros especialmente para a ocasião”, faz questão de dizer. Mas, para ela e sua família, não tem jeito: as delícias são obrigatórias à mesa e, como sempre, deveriam também estar presentes naquela celebração. Sorte de quem provou, porque, para o deleite dos convidados, lá estiveram elas, dando a cada um uma experiência única dos gostos de uma infância feliz.

Para quem não esteve nessa ‘invejada’ lista de convidados e, assim, não pôde ter o privilégio de experimentar sabores exóticos e diferenciados, tudo à base de frutas do cerrado mineiro, o caderno Degusta traz três receitas gentilmente oferecidas por Laura. De fácil preparo e uma explosão de sabor, os docinhos também poderão fazer a festa do leitor em dias de pouca ou muita emoção. Mãos à obra!

Docinho de pequi

(rende 70 unidades)

Ingredientes
2,5 quilos de pequi cozido e raspado;
1 lata de leite condensado cozido e
250ml de leite fresco
Modo de fazer
Cozinhar os pequis por 30 minutos em pouca água para não perderem o sabor. Raspar a polpa do fruto com uma colher de sopa. Na véspera do preparo do doce, cozinhar na panela de pressão uma lata de leite condensado (manter a lata fechada) por 40 minutos. Esperar esfriar para abrir a lata. Juntar o leite fresco, a polpa do pequi e o leite condensado cozido na véspera. Levar a mistura ao fogo até chegar ao ponto de bala (quando a mistura desprega da panela). Deixar esfriar. Colocar em forminhas do formato que desejar (de silicone ou alumínio) e apertar bem a massa. Desenformar depois de algum tempo e servir.

Docinho de araticum

(rende 55 unidades)

Ingredientes
2 araticuns de tamanho médio
600g de açúcar cristal
Modo de fazer
Retirar dos gomos da fruta as sementes e a casca.p Levar ao fogo a polpa e o açúcar. Deixar ferver até chegar ao ponto de bala (quando a mistura desgruda da panela). Depois de frio, colocar nas forminhas e apertar bem para dar a forma desejada. Desenformar depois de algum tempo e servir.

Docinho de limão-capeta
(rende 100 unidades)

Ingredientes
25 limões-capeta, água q.b., açúcar q.b.
Modo de fazer
Retirar a casca dos limões raspando, com lixa fina, toda sua extremidade. Cortá-los em cruz para que se abram "quatro pétalas". Retirar o miolo (bagaço) dos limões. Deixá-los murchar de um dia para o outro. No dia seguinte, enrolar cada pétala como um canudo, costurando cada uma com linha para manter o enrolado. Montá-las como um colar. Disponha o colar de pétalas numa vasilha com água suficiente para cobri-lo e deixe de molho por 12 horas, trocando por quatro vezes a água. Em seguida, coloque o colar de pétalas numa calda previamente feita com o açúcar e deixe marinar por 1 hora e meia. Retirar o colar da calda, deixar escorrer e secá-lo bem com guardanapo de papel. Em seguida, rechear cada canudo do colar (de pétalas de limão) com leite condensado light cozido.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA