Candidata a surpresa na Copa, Bélgica é campeã nas cervejas

Produção do país é destaque mundial; conheça algumas marcas que podem ser encontradas aqui

por Fernanda Machado 16/06/2014 17:48

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
Trappistes Rochefort, Leffe e Hoegarden são alguns dos rótulos belgas encontrados no Brasil (foto: Divulgação)
Apesar de sua pequena extensão de apenas 30 mil quilômetros quadrados, cerca de 20 vezes menor que Minas Gerais, a Bélgica é um território vasto quando o assunto é cerveja. O país da seleção que entra em campo no Mineirão nesta terça-feira, às 13h, contra a Argélia, possui mais de 150 cervejarias produzindo todos os estilos da bebida, inclusive as raras trapistas, que são feitas comercialmente por apenas 10 mosteiros em todo o mundo, sendo seis deles ma Bélgica.

A reconhecida qualidade das cervejas belga já ganhou o mercado brasileiro e hoje é possível encontrar vários rótulos do país nos supermercados e lojas especializadas do Brasil. A variedade é capaz de agradar diferentes paladares. Algumas delas já são bem conhecidas e até produzidas no Brasil, como a Stella Artois. Outras mais complexas, como a Trappistes Rochefort ainda não se tornaram tão populares, mas merceem atenção dos admiradores de boas cervejas.

Conheça algumas cervejas belgas que podem ser adquiridas em Belo Horizonte:

Divulgação
(foto: Divulgação)
Stella Artois
Original da cidade de Leuven, trata-se de uma cerveja do estilo premium lager, de baixo teor alcoólico (4,8%), e corpo leve, apesar de ser mais amarga do que as marcas mais vendidas do Brasil. Como a cervejaria foi incluída na gigante belgo-brasileira Inbev, maior conglomerado de empresas cervejeiras do mundo, a Stella Artois passou a ser produzida no Brasil em 2006.

Preço médio: R$ 2,50 (275 ml)

Divulgação
(foto: Divulgação)
Hoegarden
Carregando o nome de sua cidade, a Hoegarden é outra belga que ganhou as prateleiras do Brasil. É uma cerveja do tipo witbier, feita com trigo, caracterizado pelo gosto suave, refrescante e pelo aroma de laranja. Vai muito bem em dias quentes.

Preço médio: R$ 6,79 (350 ml)

Divulgação
(foto: Divulgação)
Leffe
Do estilo belgian blond ale, a Leffe Blonde é outra cerveja belga que tem se popularizado no Brasil. Com teor alcoólico um pouco mais alto (6,6%) e aroma furtado, um pouco diferente das pilsens que o brasileiros são acostumados a beber.

Preço médio: R$ 6 (350 ml)

Divulgação
(foto: Divulgação)
Chimay
A abadia Chimay é a maior da Bélgica e produz cervejas de extrema qualidade desde o fim do século XIX. É uma das poucas no planeta a comercializar o tradicional estilo trapsita. No Brasil, é possível encontrar três rótulos da Chimay com maior facilidade: a Rouge, do estilo dubbel, de coloração mais escura, aroma frutado e 7% de teor alcoólico; a Tripple, do estilo trippel, com 8% de álcool, espuma cremosa e coloração dourada; e a Bleu, um strong dark ale, com 9% de teor alcoólico, sendo a mais encorpada e forte entre as três.

Preço médio: entre R$13 e R$ 16 (330ml)

Divulgação
(foto: Divulgação)
Trappistes Rocherfort
Outra das poucas a produzir o estilo trapista. Suas cervejas se caracterizam pela robustez do sabor, coloração mais escura e o elevado teor alcoólico. São três rótulos comercializados no Brasil: Trappistes Rochefort 10, a mais forte delas, e 11,3% de álcool; Trappistes Rochefort 8, com 9,3% de álcool; e a Trappistes Rochefort 6, a mais suave delas, no estilo dubbel, mas com 7,5% de álcool.

Preço médio: entre R$14 e R$18 (350ml)

Divulgação
(foto: Divulgação)
Duvel
Do estilo belgian golden strong ale, a Duvel é outra fiel representante da expertise cervejeira belga. De cor dourada, sabor equilibrado, espuma cremosa e 8,5% de teor alcoólico é considerada uma das melhores do mundo no estilo e também pode ser encontrada em nossas lojas.

 

Preço médio: R$15 (330ml)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA