Com o dobro de participantes da edição anterior, festival Mesa Gerais reúne casas prestigiadas

Agora são 13 casas de Belo Horizonte, como A Favorita, Vecchio Sogno e Glouton

por Eduardo Tristão Girão 14/03/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press
O queijo catauá é servido com farofa de castanha de baru e mel de engenho no Restaurante A Favorita (foto: Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press )
O Festival Mesa Gerais chega à sua segunda edição com mais do dobro de participantes do ano passado. Agora são 13 casas de Belo Horizonte apostando em menus de quatro tempos (entrada, dois pratos e sobremesa), que valorizam ingredientes mineiros. O preço é R$ 85 por pessoa e o freguês tem à escolha alguns dos restaurantes mais prestigiados da cidade, como Vecchio Sogno, A Favorita e Glouton. O evento será realizado de segunda-feira ao dia 29.


Chama a atenção a presença de casas com clima mais informal, como Borracharia Gastropub, Paradiso, Xapuri e La Palma (cujo menu será o mesmo do Vecchio Sogno, pois também é comandada por Ivo Faria), o que certamente contribui para a intenção democrática do evento. Outra peculiaridade é a participação de restaurantes de perfis um tanto inesperados, como o japonês Udon e a pizzaria Olegário. Hermengarda e D’Artagnan, que deram peso à primeira edição, ficaram de fora desta vez.

ORGULHO
  Entre frutas, verduras, tubérculos, castanhas e carnes, os queijos naturalmente se destacam nos menus e um deles se sobressai, o catauá. Feito com o gordo leite cru de gado jersey que pasta livremente em Coronel Xavier Chaves, no Campo das Vertentes, ele tem o mesmo processo de produção do canastra e de outros queijos artesanais mineiros.

De aroma e sabor intenso, o catauá é usado nas entradas do A Favorita (servido com farofa de castanha de baru e mel de engenho) e do Xapuri (num crostini com ora-pro-nóbis). “Estou orgulhoso. Não imaginava tanta aceitação pelos restaurantes”, diz João Dutra, produtor do laticínio.

CARNES Frango caipira e porco dominam os pratos principais, a exemplo do Pellegrino, onde é servida costeleta suína glaçada com melaço sobre polenta branca de moinho d’água, ora-pro-nóbis refogado em panela de pedra e ovo.

Na Osteria Mattiazzi, a carne foi usada para recheio de cappelletti salteado na manteiga com sálvia e finalizado com queijo canastra curado. A carne bovina quase sempre aparece nas versões de sol ou serenada, como no Udon, que preparou harumaki dela com requeijão e missô.

“Sempre temos pratos com ingredientes mineiros, como polenta, couve e quiabo. O prato do Paradiso, uma carne de lata ao melaço de cana, nós até já tínhamos no cardápio. As pessoas reagem bem a essa proposta, que é diferente. Vamos investir para estar presentes nas próximas edições e fortalecer o evento”, afirma Felipe Rocha Costa, que comanda com sócios os restaurantes Paradiso e Pellegrino.

FESTIVAL MESA GERAIS

Menus com ingredientes mineiros a R$ 85 (individual; não inclui bebidas) em 13 restaurantes de BH. De segunda-feira a dia 29. Informações e menus completos no site www.festivalmesagerais.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA