Bem mais suave que a malagueta, pimenta dedo-de-moça é especial para incrementar as receitas

No Brasil, existe algo em torno de 25 espécies do gênero. Aprenda uma receita de pimenta dedo-de-moça recheada

por Patrícia Crespo 26/01/2014 10:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Por causa desse intrigante sabor que adormece o paladar e ativa os sentidos, os homens cruzaram mares e redesenharam o mapa do planeta. Na época de Cabral e Colombo, as pimentas mais cobiçadas e valorizadas eram as pequeninas do reino, que pertencem à família das Piperáceas. Utilizadas como moeda corrente no Velho Mundo, as pimentinhas que revolucionaram a história nunca mais seriam as mesmas diante da diversidade de novas variedades que foram descobertas no Novo Mundo. Os colonizadores europeus se depararam com incríveis tesouros verdes, vermelhos, amarelos, picantes, aromáticos, adocicados, cada qual com características específicas e diferenciadas, bem mais poderosos e quentes: as pimentas classificadas como Capsicum.

No Brasil, existe algo em torno de 25 espécies do gênero. Algumas domesticadas e outras tantas ainda em estado selvagem. Um mundo ainda sem prova. Mas uma coisa é certa: esse universo, de gênero feminino e ardente, causa uma sensação que se assemelha à de uma queimadura, pelo poder da capsaicina, que é a substância que atribui maior ou menor pungência às pimentas. Nosso cérebro, para compensar essa "dor" que queima, libera endorfinas, responsáveis por um intenso bem-estar, só permitido a quem tem coragem de prová-las. Dizem que pimenta é viciante quem sou eu para discordar. Pelo contrário, sou deliberadamente apaixonada por elas. Da biquinho à malagueta, todas vão ao meu prato.Todavia, no dia a dia prefiro a suavidade de uma brasileirinha legítima: a pimenta dedo-de-moça. Adoro preparar peixes assados, ceviches, refogados e muquecas com esses dedinhos vermelhinhos. Uso com parcimônia, mas não deixo de colocar alguns punhadinhos até mesmo na farofinha que acompanha o frango assado.

Os frutos, alongados e não muito grossos, são comparados aos dedos das mãos de uma jovem senhorita. Verdinha quando imatura e vermelha quando amadurece, é conhecida também como chifre-de-veado. É uma preciosidade, entre as espécies nacionais da turminha das Capsicum, pois seu grau de picância é suave, de acordo com a escala de Scoville, que mede o "calor" das pimentas, onde mais "bravas" chegam até 16 milhões de unidades. Estudiosos afirmam que a mexicana habanero chega a 300 mil unidades scoville e a tezpur indiana oferecem aos corajosos 877 mil unidades. O calor de uma dedo-de-moça, no entanto, não ultrapassa 5 mil unidades da tal escala. Podemos dizer então que a mocinha é muito bem comportada.

Podemos utilizá-la crua em saladas, molhos e em uma grande variedade de pratos feitos com frutos do mar, carnes bovinas, suínas e aves. Usar a mocinha fresca, bem picadinha e sem sementes é temperar com sabedoria "caliente". Suas sementes desidratadas concentram mais "calor" e são conhecidas como pimenta calabresa. Excelentes para dar sabor aos embutidos e molhos mais consistentes.

Comer é agradar ao paladar. Se você não gosta de pimentas, tudo que eu lhe disser de positivo a respeito delas será em vão. Mas não dispense uma provinha da receita, que passo nesta edição, e que foi executada pela minha fiel amiga, grande conhecedora e provadora de pimentas Miriam Camata. Capixaba de nascimento, Miriam me disse que por lá esse prato faz um sucesso danado. Provei e adorei. Parabéns amiga.

Leandro Couri/EM/D.A Press
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
RECEITA

Pimenta dedo-de-moça recheada

Ingredientes:

200g de pimenta dedo-de-moça fresca, água o suficiente para aferventar, recheio de sua preferência (utilizei um refogado de linguiça de porco), 1 xícara e meia (chá) de farinha de trigo, 1 xícara (chá) de água com gás gelada, sal a gosto, 200g de salgadinho de milho moído, óleo o suficiente para fritar

Modo de fazer:

Pegue a pimenta dedo-de-moça e com auxílio de uma faca pequena faça um corte no meio de cada pimenta, no sentido do comprimento, somente de um dos lados, sem desgrudar o cabo. Retire as sementes com cuidado para não danificar as pimentas. Use luvas enquanto estiver manuseando as pimentas, pois o ardor delas pode ficar por um bom tempo nas mãos. Coloque uma panela com água para ferver. Assim que ferver, jogue as pimentas, espere ferver novamente e marque 1 minuto. Retire as pimentas da água quente e jogue-as na água gelada para dar o choque térmico. Repita esse procedimento (ferver e gelar) mais cinco vezes.(Isso é para tirar um pouco da picância das pimentas.) Recheie as pimentas com o recheio de sua preferência (carne, linguiça). Tome bastante cuidado para que elas não estourem. Numa tigela, misture a farinha de trigo com 1 xícara (chá) de água com gás gelada e sal a gosto. Reserve. Com as mãos (e sem luva) segure a pimenta recheada pelo cabo, mergulhe-a na mistura de farinha e água, escorra o excesso da mistura, passe no salgadinho de milho moído (200g) e depois frite em óleo quente (160 graus) por uns 3 minutos até dourar ligeiramente. Sirva como aperitivo.

*Patrícia Crespo é formada em jornalismo pela PUC Minas e em gastronomia pela Estácio de Sá

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA