Misto de bistrô com boteco, o São Tomilho tem até menu de três etapas

Petit gâteau e pães são produzidos na própria casa do bairro Prado

por Eduardo Tristão Girão 20/12/2013 11:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press
O São Tomilho, casa nova do Bairro Prado, aposta em receitas simples, todas preparadas pela própria cozinha (foto: Fotos: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Num bairro como o Prado, onde predominam casas de espetinho e bares que não figuram em guias, certas inaugurações ainda são pontos fora da curva. Foi assim com o Agosto (aberto em 2006), a Pizza no Galpão (este ano) e, mais recentemente, o São Tomilho, cuja aposta é em cardápio de petiscos e pratos individuais. Afinal, não é todo dia que aparecem por lá botecos com ambiente mais incrementado e itens como bruschetta, petit gâteau (feito no local), massas, truta e, ocasionalmente, até menu de três etapas.


Ex-proprietário de várias casas noturnas na cidade, Ricardo Rocha comanda a casa com o irmão Alexandre, a prima Daniela e o marido dela, Fabiano Queiroga. “Bar é muito mais fácil de gerenciar do que boate. Não tem segurança, promotor, nem DJ. Além do mais, eu costumava deitar lá pelas 6h. Não aguentava mais”, conta ele. Formado em gastronomia, Fabiano e a esposa tinham vontade de montar um pequeno restaurante, o que influenciou decisivamente na concepção do bar que Ricardo havia imaginado.

Pela mistura de petiscos e pratos, os proprietários chamam a casa de “bistroteco” (fusão de bistrô com boteco). O cardápio foi elaborado por Igor Serravitti, professor de gastronomia da universidade Estácio de Sá, mas a cozinha é comandada pela chef Arianne Campos. Belo-horizontina, ela morou por 10 anos no Recife, onde iniciou seus estudos na área e estagiou no IT Bistrô. De volta à capital mineira, trabalhou no café Floriano.

“São receitas simples, não criamos nada”, diz ela. Em compensação, a equipe se esforça em evitar a terceirização, produzindo seu próprio pão (a ciabatta dos sanduíches e acompanhamentos), fazendo batata frita com o legume fresco (em vez de congelado) e preparando petit gâteau no local (sem optar pelo industrializado). São detalhes que podem fazer a diferença, uma vez que boa parte da concorrência não tem dado a devida atenção a procedimentos elementares como esses.

O bolinho de arroz com parmesão e molho de tomate apimentado (R$ 12, porção), por exemplo, é produzido diariamente e só na hora de ir para a fritadeira é empanado na farinha de pão. Outras opções de petiscos são a carne de panela ao molho de cerveja preta com pães (R$ 25), as iscas de filé com batatas fritas e maionese de alho (R$ 25,50) e o combinado de linguiça, carne de sol, mandioca frita e manteiga de garrafa (R$ 21).

Caipirinha Na seção de pratos individuais, há carnes, massas, um peixe e uma salada, praticamente todos em torno dos R$ 20. O fettuccine que leva o nome da casa é feito com carne de porco desfiada, tomilho, cogumelo seco e parmesão (R$ 21,50). O filé ao molho de mostarda com batatas e arroz branco (R$ 26,50) é um dos mais vendidos da casa, jogando sombra sobre outras pedidas, caso da costelinha suína ao molho de caipirinha, purê de batata, espinafre e arroz (R$ 25,90) e da rabada com agrião, arroz e batatas (R$ 22,90).

Para beber, o São Tomilho lista cervejas em garrafa de 600ml (R$ 6,50 ou R$ 7, cada), rótulos da cervejaria mineira Backer (entre R$ 7 e R$ 14, garrafas de tamanhos variados), drinques (cerca de R$ 8, cada) e sete rótulos de vinho (entre R$ 32 e R$ 58, garrafa)

São Tomilho

Rua Rubi, 275, Prado. (31) 3234-5633. Aberto terça e quarta, das 17h à 0h; quinta e sexta, das 17h à 1h; sáb., 14h à 1h.

Leia mais no Blog do Girão.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA