Fábrica curitibana lança linha de chocolates de excelência produzidos com cacau 100% nacional

Fruto é selecionado, desde o cultivo, na Bahia

por Laura Valente 08/09/2013 13:35

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cuore di cacao/divulgação
(foto: Cuore di cacao/divulgação)
Filhas da chef curitibana Solange Schneider, Carolina e Bibiana cresceram muito próximas a uma realidade gastronômica distinta, com fácil acesso aos melhores produtos culinários do mundo. No contexto, a primogênita decidiu-se cedo por seguir a mesma profissão, mas em linha diferente à da mãe, que comandou por muito tempo a cozinha do extinto Peccato. Apaixonada pelo chocolate, formou-se em nutrição e especializou-se em chocolatier em cursos das escolas mais famosas do mundo: nas francesas Chocolaterie Henriet, em Biarritz; na École Lenotre, em Paris; e no famoso Instituto Cirad, em Montpellier. Na Suíça, fez estágio na Chocolaterie Du Rhône e na centenária Martel. Estudou ainda com o renomado chocolatier Jean-Pierre Richard, em Lyon, também na França. De volta ao país natal, montou a fábrica Cuore di cacau. Tamanha paixão logo tocou a irmã caçula, Bibiana. Formada em marketing, ela tornou-se sócia de Carolina e assumiu a responsabilidade sobre a identidade visual da marca, dos desenhos e formatos que enfeitam os produtos até as embalagens.

Fundada em 2004, a fábrica é considerada uma das melhores de Curitiba. A marca é ainda reconhecida pelas premiações no Brasil e no exterior, incluíndo aí avaliação positiva no Salão de Chocolate de Paris, em que recebeu o mérito de produzir um chocolate ao nível dos melhores da França, mas com gosto brasileiro. Na ocasião, a dupla apresentou um dos mais de 50 produtos da Cuore, o chocolate meio amargo recheado com ganache de banana e cachaça. Até este ano as irmãs trabalhavam apenas com matéria-prima estrangeira para produzir o doce portfólio, principalmente a belga Callebeaut e a francesa Valrhona.

Entre as opções, clássicos como os coloridos palets, uma “marca registrada”, além de criações surpreendentes em linhas inusitadas – vide coleção Sensações (chocolates recheados com frutas, flores e especiarias) e Origens, cujos chocolates carregam as características específicas relacionadas ao local onde o cacau é cultivado, como por exemplo o chocolate de Madagascar. A oferta inclui ainda biscoitos amanteigados, barras recheadas e chocolates crocantes, mas a grande aposta da dupla é em um produto feito com cacau, know-how e tecnologia 100% nacionais, lançado em abril deste ano com o nome ouro negro.

Caráter artesanal Com produção de caráter rigorosamente artesanal, as irmãs Schneider planejaram uma forma de criar um chocolate de excelente qualidade, porém com matéria-prima totalmente nacional. Para tanto, decidiram cuidar da produção a partir da seleção de amêndoas de cacau específicas, escolhidas a dedo antes mesmo do plantio. “Cuidamos desde a semente até a produção, o que configura um diferencial da maioria das fábricas que trabalham o produto já a partir da massa de cacau”, explica Carolina.

Assim, a dupla passou a ter controle de qualidade de todo o processo, além de contar com privilégios como a possibilidade de escolher variedades distintas para criar composições exclusivas. Para se ter uma ideia dessa exclusividade, basta dizer que, atualmente, existem mais de 500 tipos de cacau catalogados no Brasil, provenientes de cruzamentos de espécies diversas. “Vamos direto ao produtor, selecionamos as variedades de cacau e bolamos produtos com quantidades diferentes de amêndoas distintas. O resultado deu origem a três tipos de chocolate excepcionais e totalmente brasileiros – ON.70, ON.60 e ON.42 (este último, chocolate ao leite).” Entre os ingredientes, nada de gordura hidrogenada, como atesta a chocolatier. “Não vejo um chocolate fino de outra forma senão feito com manteiga de cacau. Além de ser uma gordura proveniente da fruta, derrete na temperatura do nosso corpo, não deixa resíduos”, defende.

Tanto cuidado faz sentido: nas lojas da Cuore, em Curitiba, o Ouro Negro já é sucesso de público e crítica. “Os produtos ON já lideram as vendas e caíram no gosto de chefs renomados, como a Manu Buffara”, comenta Carolina. Outra forma de apreciação é em criações assinadas por ela, como o fondue e o sformatino (veja receita na página), mas boa notícia mesmo é não precisar ir ao Sul para experimentar a iguaria: a loja on-line da Cuore di Cacau comercializa produtos em todo o território nacional, para a sorte dos chocólatras mais apressadinhos.

Sformatino de chocolate (Carolina Schneider)

Ingredientes
(para 12 unidades)

O sformatino: 100g de chocolate ao leite ON.42; 150g de chocolate amargo ON.70; 200g de manteiga; 4 ovos; 100g
de açúcar de confeiteiro. A calda de chocolate: 150g de chocolate amargo ON.70; 150g de creme de leite fresco (nata); 150ml de leite integral; 1 colher de chá de mel.

Modo de fazer

O sformatino: Derreta os chocolates com a manteiga no micro-ondas em potência média. Acrescente o açúcar de confeiteiro.
Na sequência, adicione os ovos um a um, misturando cuidadosamente. Divida a massa em forminhas quadradas previamente untadas e asse em forno pré-aquecido à 200°C por 12 minutos. A calda: levar ao fogo baixo o creme de leite fresco, o leite integral e o mel. Assim que ferver, apague o fogo e virar esta mistura sobre o chocolate picado em pequenos pedaços. Mexa vigorosamente com um fouet. Servir a calda quente com o sformatino e sorvete de creme.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA