Chef inova sabores e aromas andinos, conquistando, de vez, o paladar brasileiro

Alejandra Cruells é a chef executiva do Valle Nevado Ski Resort, no Chile

por Marianna Rios 28/07/2013 16:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Vale do Nevado/Divulgação
(foto: Vale do Nevado/Divulgação)
Ela esteve no Brasil em praças de alimentação de shoppings centers, restaurantes assinados por chefs brasileiras, como Capim Santo e Maní, além dos restaurantes Família Mancini, Clô de Tapas, Figueira, D.O.M e Dalva & Dito, quando foi ciceroneada por Alex Atala. Tudo para saber o que o brasileiro gosta – e não é que descobriu? Ela é chef Alejandra Cruells, hoje a chef executiva do Valle Nevado Ski Resort, famoso endereço chileno que conta com três hotéis (de 3, 4 e 5 estrelas), vários restaurantes, bares e pubs. Pela primeira vez, em 25 anos (celebrados este ano), a área de alimentos & bebidas da famosa estação turística de inverno é liderada por uma chef. Com apenas 35 anos, Alejandra, que é natural do Chile, já foi chef de banquetes do Hotel Marriott de Santiago e teve uma experiência no Brasil, trabalhando em dois hotéis na Costa do Sauípe (BA). Em dezembro de 2012, esteve em São Paulo para uma experiência gastronômica brasileira, a fim de entender melhor o que o brasileiro, principal hóspede do Valle Nevado, gosta de comer.


“O desafio foi buscar a identidade de cada um dos restaurantes e planejar uma proposta gastronômica que encantasse todas as expectativas de nossos visitantes”, diz Alejandra Cruells. E ela conseguiu. Em sua diversificada cozinha de variados cardápios, há menu que resgata as características da gastronomia do Sul do Chile, onde predominam sabores bem típicos, como o Arrollado de huaso con pebre de palta (pedaço de carne de porco enrolada e cozida em um caldo aromatizado com ervas chilenas. É servido quente e acompanhado com um preparo de abacate, tomate, cebola e pão tostado). Truta-arco-íris assada com a pele na grelha, recheada com linguiça, espinafre e queijo de ovelha, acompanhada de risoto de grãos de trigo também está na carta do restaurante. Na sobremesa, o principal destaque é o arroz com leite (arroz doce) e a receita típica das avós chilenas, o alfajor caseiro.

Responsabilidade grande Ela comanda nos Andes um complexo gastronômico. Para os fãs da cozinha italiana, por exemplo, a chef buscou o sabor natural da Emilia Romagna, um dos pratos preferidos para aumentar a temperatura corporal. O preparo é bem sutil e consiste em cozinhar a massa recheada com carne em um caldo transparente e aromatizada com pesto de manjericão. O fetuccini com frutos do mar, prato preferido dos brasileiros, ganhou um toque chileno, deixando de ser italiano e pertencendo aos amantes da boa gastronomia: macarrão al dente com molho de tomate, aromatizado suavemente no alho, decorado com camarões, ostras, polvos, lulas e garras de caranguejo fritas levemente na manteiga e vinho. Para sobremesa, o clássico tiramisu, banhado no café expresso e no licor Amaretto, com queijo mascarpone e aromatizado com canela.


Já em outro cardápio, ela inseriu uma característica mais familiar, onde os gourmands podem conjugar diferentes molhos e ingredientes para armar um saboroso prato com massas, preparado na hora por um dos chefs. “Da mesma maneira, é possível selecionar o corte de carne preferido entre vaca, porco, ave ou peixes e pedir o ponto exato de preparo”, explica Alejandra. A seleção de entradas é variada e diariamente são apresentadas novas opções. Os destaques ficam com o ceviche de salmão e polvo, camarões à milanesa, salmão defumado, antipastos toscanos e saladas típicas.


A chef também resgatou raízes da cozinha francesa. Entre as receitas, chama a atenção a sopa de cebola, preparada com base em uma redução lenta de caldo misto, carne e ave, com cebolas carameladas e acompanhada de pedacinhos de torrada gratinados em queijo gruyère. Destaque para o confit de pato, a coxa de pato defumada com ostras refogadas na manteiga e molho de laranja aromatizada no conhaque, que ganha uma harmonização perfeita acompanhada de uma tartelete de batata doce aromatizada com erva-doce. Para quem ainda não pode ir in loco desfrutar uma das melhores neves do mundo, segue uma receita de sobremesa que encanta não só o papa Francisco mas os turistas brasileiros.

 

 

Alfajor chileno
(rende aproximadamente
20 unidades)

Ingredientes

Para a massa: 4 gemas de ovo; 250g de farinha de trigo; 1 colher de sopa de pisco (bebida destilada de uva); 1 ovo inteiro;
12g de margarina; 2 colheres de sopa de suco de laranja; raspas de casca de laranja, sem a parte branca; 300g de doce de leite; 1 pacote de coco ralado.


Modo de fazer

Em uma tigela, coloque todos os ingredientes e misture até obter uma massa lisa. A mistura deve ser refrigerada durante 20 minutos, embrulhada em plástico filme. Após o processo de refrigeração, a massa deve ser aberta com o rolo, polvilhando com farinha para não grudar. Deixar a massa com 2mm de espessura e cortar em rodelas com um aro. Assar a 180 graus durante 10 minutos. Tire do forno e deixe esfriar. Coloque o doce de leite sobre uma metade da massa de alfajor, cobrindo-a com a outra. Passe no coco ralado para enfeitar.


O doce de leite pode ser o que a dona de casa encontra no supermercado, mas para deixar com um sabor mais
caseiro é legal fazer o doce de leite na panela de pressão com a lata de leite condensado. Para o doce de leite:
em uma panela de pressão, cubra com água a lata sem rótulo de leite condensado. Tampe a panela e deixe em fogo alto
por 30 minutos ou até que a panela comece a “chiar”. Espere passar a pressão, abra a panela. Espere a lata esfriar, abra e use o doce de leite. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA