Com estoque de mais de 5 mil rótulos, restaurante AA serve vinhos a preço de prateleira

Recém-inaugurada, a casa fica localizada no Bairro de Lourdes

por Eduardo Tristão Girão 05/07/2013 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paula Huven/Esp. EM/D. A Press
Wagner Gonçalves e Luís Eugênio Torres mostram parte da impressionante coleção de rótulos da nova casa de Lourdes (foto: Paula Huven/Esp. EM/D. A Press )
Se o recém-inaugurado AA é o restaurante com a maior carta de vinhos da América Latina, como anunciam seus sócios, é arriscado afirmar, mas talvez seja mesmo o recordista brasileiro, já que nenhum dos concorrentes mais óbvios passa da metade de seus impressionantes 5,1 mil rótulos. À frente está Luís Eugênio Torres, que mantém atraente política de preços já testada em suas duas outras casas (Amadeus e Chez Fumoir): vende vinhos pelo mesmo preço de prateleira, para beber no local ou levar para casa.

Leia mais no Blog do Girão


Estão com Luís na empreitada Wagner Gonçalves e Lilian Mesquita, proprietários do extinto Parrilla Urbana (que não durou dois anos), cujo imóvel foi reformado para abrigar o AA. O mezanino de 140 metros quadrados que já existia foi fechado e climatizado para receber a adega, dividindo vinhos de 35 importadoras pelas seguintes classificações: países, garrafas magnum (1,5l), rótulos acima de R$ 500, espumantes (300), vinhos de sobremesa (160, fora os portos), rosês (120) e meias garrafas (500).

Os preços variam entre R$ 30 e R$ 7 mil (garrafa), sendo que a maior parte está na faixa entre R$ 90 e R$ 200. “O cliente não liga de gastar R$ 150 num vinho se ele realmente custa isso. O que incomoda é pagar o dobro do preço de loja. As pessoas acabam tomando vinhos piores para não serem ludibriadas”, explica Luís. A estratégia do empresário é simples: as garrafas são compradas por ele com o desconto usual para restaurantes, mas seu preço de varejo não ultrapassa o praticado pelas importadoras das quais é cliente.

“Não vendemos vinho barato, mas menos caro. O vinho é um agregador para trazer clientes. Ganhamos com o restante”, explica. Além disso, como a casa não tem contrato de exclusividade com nenhum fornecedor, há a possibilidade de barganhar, o que leva a situações curiosas, como ter rótulos da vinícola argentina Catena Zapata 10% mais baratos que na sua própria importadora. Dois sommeliers orientam a escolha na adega, que oferece seis tipos de taças diferentes, decanter, filtro de cristal e arejador.

Brasa A belíssima parrilla da casa foi mantida e, agora, além de carnes (como ojo de bife, R$ 10,50; e picanha, R$ 14), nela são assados bacalhau (R$ 14, quilo), lagosta (R$ 8,90, quilo) e salmão (R$ 7,80) – os preços são referentes a 100g. para acompanhar, é possível pedir acompanhamentos (individuais) diversos, a exemplo do arroz cremoso de limão (R$ 9), fettuccine alfredo (R$ 14), batata ao murro (R$ 8,90) ou simplesmente uma salada (R$ 8,50).

Durante o dia, há bufê de almoço (R$ 44,90, quilo, de segunda a sexta; 56,90, quilo, nos fins de semana e feriados) e à noite o mesmo balcão comporta somente antepastos (R$ 74,90), totalizando cerca de 70 itens, como queijos, frios e castanhas. O cardápio à la carte lista pratos individuais variados, como o lombo de bacalhau assado com batata, tomate, cebola, alho-poró e alcachofra (R$ 89), as costeletas de cordeiro na brasa com risoto de queijo de cabra e hortelã (R$ 75) e o arroz de pato com linguiça espanhola e ovo (R$ 49).


AA
Rua Curitiba, 2.102, loja 01, Lourdes, (31) 2512-0942. Aberto de segunda a quarta, das 11h30 às 15h e das 18h à 0h; quinta e sexta, das 11h30 às 15h e das 18h à 1h; sábado, das 12h à 1h; domingo, das 12h à 0h.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA