Chef Ariani Malouf irá levar para um dos festins do Festival Cultura e Gastronomia de Tiradentes o pintado

Peixe de carne saborosa é encontrado nos rios que formam a região do Pantanal, no Mato Grosso

30/06/2013 09:54

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Arquivo Pessoal
(foto: Arquivo Pessoal)
A culinária pantaneira será apresentada pela chef Ariani Malouf em um dos festins do 16º Festival Cultura e Gastronomia de Tiradentes, que ocorre no município mineiro de 23 de agosto a 1º de setembro. “Estamos na região pantaneira, com grandes rios. Por isso, o peixe nunca falta na mesa do matogrossense. Também temos a influência do cerrado”, conta. A jovem chef tem como característica o interesse em combinar diferentes sabores.


Nesta edição do festival, uma das propostas é o encontro de chefs de diferentes estados brasileiros. A chef matogrossense dividirá o menu de um dos festins como Benny Novak, do Ici Bistrô, que fica em São Paulo. Ariani irá preparar o aperitivo, o prato com peixe e a sobremesa. A cargo de Benny ficarão as duas entradas e a carne do jantar. O peixe escolhido por Ariani foi o pintado que, com carne bem saborosa e sem espinha, é uma das preciosidades dos rios no Pantanal. A iguaria será servida com farofa preparada com a farinha produzida na região de Poxoréu e com o molho mujica, também bastante tradicional na região. Para complementar o prato, um prensado de mandioca.


Outros ingredientes bastante presentes na culinária pantaneira são a banana-verde, a banana da terra e farinha de Poxoréu. Com 33 anos, Ariani trabalha com cozinha desde os 17. O interesse pela culinária veio de casa, uma vez que a mãe, Leila Maloufi, está há 20 anos à frente de um dos principais bufês de Cuiabá.


Ariani é a chef do Mahalo, restaurante de cozinha contemporânea em Cuiabá, onde a jovem faz uma fusão da culinária francesa com a cozinha pantaneira. Formada pela Le Cordon Bleu, em Paris, ela procura explorar temperos e combinações incomuns. “Faço uso das técnicas francesas a partir de ingredientes da terra. Faço uma fusão”, diz. Ela lembra que o prato denominado Maria Isabel é um dos mais tradicionais de Mato Grosso: arroz com carne seca, farofa de banana e revirado (pirão feito com carne moída). “A exemplo de Minas, também temos muitos doces caseiros. Um dos mais conhecidos é o ferrundu, feito com mamão e rapadura”, completa.


É a segunda vez que a chef participa como convidada do evento. A primeira participação ocorreu em 2011, quando ela foi selecionada entre 50 jovens chefs. Mas a relação com o festival vem de muito mais tempo. Admiradora do Festival de Tiradentes, ela foi ajudante de chefs franceses que participaram do evento na cidade mineira em diversas edições. “Como falo francês, ia para ajudar os chefs franceses. Estava lá como coadjuvante”, lembra.


A beleza de Tiradentes é apontada pela jovem chef como um dos grandes atrativos do festivais. “Se não é o melhor, está entre os melhores festival de gastronomia do Brasil”, pontua. Além do charme da cidade, outro diferencial é a estrutura oferecida aos chefs convidados. “A cidade é linda. Nunca fui a um festival tão bacana e de alto nível. A estrutura para quem tanto para quem vai comer, como para quem vai trabalhar é muito boa.”

 

 

Pintado com farofa de Poxoréu, molho de mujica com camarão e prensado de mandioquinha

Ingredientes

2kg de filé de pintado, 50g de alho picado, 5 de limões, 200ml de azeite, 2litros de caldo de legumes, pimenta-do-reino, sal

Modo de fazer

Temperar o peixe com suco de limão e suas raspas, alho , sal e pimenta. Em uma frigideira antiaderente bem quente, coloque 20ml de azeite e doure duas faces da posta de peixe. Em uma forma adicione 50ml de caldo, a farofa como crosta e leve ao forno a 170 graus por 5 minutos. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA