Borracharia Gastropub reabre as portas com cardápio de bebidas revisto e nova leva de petiscos

Jaime Solares comanda a cozinha do local reaberto há duas semanas na Serra

por Eduardo Tristão Girão 24/05/2013 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

André Hauck/Esp. EM/D. A Press
(foto: André Hauck/Esp. EM/D. A Press)
Quando foi aberta, em 2011, a Borracharia Gastropub destacou-se pelos petiscos executados com técnicas e ingredientes típicos de um restaurante (flor de sal, molhos trabalhados, cocções como confit etc.). Ainda que as esmeradas receitas do chef Jaime Solares tenham atraído a atenção do público gourmet, a casa fechou as portas em janeiro devido a problemas administrativos. Desfeito o imbróglio, foi reaberta há duas semanas no mesmo ponto, mas com cardápio reformulado e preços um pouco mais baixos.

Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão


“Estávamos fazendo tudo errado do ponto da administração. Ganhávamos dinheiro, mas não estávamos vendo esse dinheiro. Não houve má fé, nós é que não estávamos preparados. Abrimos na coragem e a coisa tomou um tamanho que não esperávamos”, explica Jaime. Ele continua comandando a casa com Beto Nastácia e trouxe um terceiro para a sociedade, Geraldo Monzoni, responsável justamente pela parte administrativa da casa.


“A ideia agora é puxar mais para o lado de boteco”, define Jaime. Uma das primeiras medidas tomadas por ele foi retirar o chope e as cervejas especiais da seção de bebidas, deixando apenas rótulos nacionais em garrafas de 600ml (entre R$ 6,50 e R$ 7,20) e long neck (R$ 5,50). O chef também eliminou as opções de tamanho dos petiscos, mantendo todos em porção única (para duas pessoas, em geral) – algumas chegam a custar, proporcionalmente, 30% menos que antes.


A explicação para essa redução de preço, justifica ele, está tanto no fato de estarem pesquisando melhor antes de fazer as compras quanto por privilegiarem vários ingredientes adquiridos diretamente com seus produtores. A orientação botequeira/regional do cardápio também ajuda muito nisso, já que não faltam moela, língua, quiabo, queijo minas e mandioca, por exemplo. Alguns itens continuam a ser produzidos no local, como a linguiça, servida com salada de batata (R$ 24).


Da nova leva de petiscos, chamam a atenção a moela confitada na banha de porco ao molho de tomates defumados (R$ 20), a língua ao vinho (feita de acordo com receita que aprendeu em Paris; R$ 20), o ragu de costela bovina (com pão; R$ 20) e a conserva caseira de sardinha com ervas (R$ 16). Ingrediente que chama a atenção é o mel chamado “cipó bira”, que substituiu o melado de cana como acompanhamento do queijo coalho tostado (R$ 16). “É um mel muito suave, clarinho. Quase cítrico”, diz.

KAOL E POLVO Sob encomenda, Jaime passou a preparar dois pratos: polvo à lagareira (assado inteiro e com batatas; R$ 190) e paleta de cordeiro especiarias cuscuz marroquino (R$ 180), ambos para quatro a seis pessoas. Fora isso, a casa oferece um prato individual diferente por noite (tropeiro às quartas, R$ 28; galinhada com ou sem pequi às quintas, R$ 26 ou R$ 30; e costela bovina braseada ao vinho tinto às sextas, R$ 36), sendo o kaol (dose de cachaça, arroz, ovo e linguiça) e o mexido as opções fixas, ambos por R$ 22.


De segunda a sexta, o almoço sai por R$ 15,50, incluindo pratos individuais como picadinho à cavalo com farofa (às terças), estrogonofe de frango com batata palha (às quintas) e moqueca baiana com pirão (feita pela subchef Vanderlene Almeida; às sextas) - todos podem ser guarnecidos com arroz, feijão e salada. Sábado é dia de feijoada (R$ 26, individual). Para sobremesa (R$ 8, cada), as opções são doce de leite com queijo, goiabada artenasanal de Itabirito com queijo canastra e brigadeiro de panela.

Borracharia Gastropub
Avenida Afonso Pena, 4.321, Serra. (31) 2127-4321. Aberto segunda e terça, das 12h às 15h; quarta a sexta, das 12h à 0h; sábado, das 12h às 20h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA